quarta-feira, 17 de maio de 2017

Sabe quando você acha que o mês vai ser tranquilo e vai conseguir dar conta de ouvir todas as músicas lançadas? Mero engano. Em abril, cada semana era uma expectativa para o que iria ser lançado já se preparando para a canção seguinte. De todas, acabei escolhendo algumas para marcar o que foi lançado. Liga o play e se joga!

Despacito – Luis Fonsi feat. Daddy Yankee

Uma música que tem ganhado muito espaço nos últimos tempos é Despacito. A canção foi lançada no início do ano e o vídeo no Youtube já conta com mais de 1 bilhão de visualizações. Para alavancar o trabalho de Luis Fonsi e Daddy Yanke fora da América Latina, Justin Bieber foi convocado para um remix que também já é sucesso.

Continue lendo »


AVALIAÇÃO: 4/5 EDITORA: ARQUEIRO, CORTESIA ISBN: 9788580413120 GÊNERO: NEW ADULT, ROMANCE PUBLICAÇÃO: 2014 PÁGINAS: 192 SKOOB

Na empolgação com o término do segundo livro e tendo o terceiro na minha estante, decidi emendar a leitura de  “Tentação sem limites” com Amor sem Limites. Por mais que o segundo livro tenha tirado um pouco do encanto que criei pela atmosfera apresentada por Abbi Glines, ainda assim pensei que possivelmente o terceiro livro salvaria um pouco isso. Havia uma tensão e uma certa expectativa pelo que viria.

Depois de tanto sofrerem para ficarem ao lado um do outro, Blaire e Rush podem, enfim, desfrutar da vida que tanto sonhavam. Prestes a ser casarem e terem o primeiro filho, Blaire e Rush querem a felicidade plena mais do que tudo. No entanto, não é o que a vida quer para ambos e os dois terão que enfrentar mais alguns obstáculos se querem realmente ficar juntos.

Da mesma maneira que os outros volumes, Amor sem limites possui uma leitura rápida, fluida e que envolve o leitor. Abbi traz uma linguagem tranquila e que cria uma certa tensão. No entanto, são os personagens e suas atitudes que me fizeram torcer o nariz algumas vezes. Conforme já havia mencionado na resenha do segundo livro, quando se lê uma trilogia você espera que os personagens amadureçam com o tempo. No entanto, não é o que acontece aqui. Algumas atitudes dos protagonistas já haviam me decepcionado um pouco no segundo livro e com esse só vieram a confirmar. É como se eles não conseguissem tirar aprendizado dos seus erros e fossem lá e fizessem tudo igual novamente. Além disso, a sensação que tive foi a de que sempre retornávamos para o mesmo ponto, como se a história não desenvolvesse da maneira que deveria. Continue lendo »


AVALIAÇÃO: 4/5 EDITORA: PARALELA, CORTESIA ISBN: 9788584390571 GÊNERO: NEW ADULT, ROMANCE PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 343 SKOOB

O jogo é o terceiro volume da série Amores improváveis e, assim como os livros anteriores, a autora nos traz um New Adult gostoso de ler, com personagens reais e uma trama clichê que é envolvente e divertida. Nesse volume conhecemos o casal Dean e Allie que, contra todas as possibilidades, consegue construir um relacionamento real e cheio de cumplicidade.

Allie acabou de sair de um relacionamento de anos e ainda não consegue se imaginar sem ninguém. Pra evitar de mudar de ideia, ela vai passar um final de semana na casa dos meninos e é lá que conhece Dean, com quem ela nunca imaginaria se envolver. Dean é aquele cara que sempre consegue o que quer e só está interessado em sexo casual, mais mulherengo que ele é praticamente impossível. Por isso, o fato de Allie se esquivar e dizer que só queria amizade após a noite deles o choca demais. E, talvez por não estar acostumado a essa atitude por parte das meninas com quem fica, isso desperta seu interesse e ele começa a fazer de tudo pra Allie perceber que uma noite só não é suficiente.

Como eu mencionei anteriormente, o enredo nos traz uma história bem clichê: uma menina que “menospreza” o mulherengo, que por isso corre atrás dela. Mas, acredito até que já tenha mencionado isso nas resenhas dos livros anteriores, Elle Kennedy tem o dom de desenvolver muito bem uma história clichê. O encaixe entre os personagens foi perfeito, o modo como o romance se desenvolve naturalmente entre eles torna tudo muito crível. Além de que a autora tem um dom de se aproximar do leitor pelos personagens que cria. Ela sabe retratar muito bem essa fase da juventude onde estamos na transição pra vida adulta, tentando ainda entender e resolver nossos conflitos interiores e decidir o que vai ser do nosso futuro. Acho que isso é o que eu mais gosto nos livros dela. Continue lendo »


AVALIAÇÃO: 5/5 EDITORA: PARALELA, CORTESIA ISBN: 9788584390342 GÊNERO: AUTOBIOGRAFIA, NÃO FICÇÃO PUBLICAÇÃO: 2016 PÁGINAS: 112 SKOOB

Kéfera ganhou as mídias e um espaço grandioso nos últimos anos com seu canal no YouTube 5inco Minutos, tornando-se para muitos símbolo e exemplo a ser seguido. Nos vídeos, Kéfera conta sobre seu cotidiano, trazendo situações engraçadas pelas quais passou, além de dicas e conselhos acerca de assuntos variados, como amizades e relacionamentos. Em 2015, a youtuber lançou “Muito mais que cinco minutos“, que traz o material dos vídeos, mas de maneira escrita. Depois do best-seller que se tornou, vendendo milhões de cópias, a curitibana volta com Tá gravando. E agora?, seu segundo livro.

Ao contrário do primeiro, mas podendo também ser visto como uma continuação, Kéfera dá nesse livro uma série de dicas e conselhos para quem gostaria de ter um canal no youtube. Ela afirma não ter uma fórmula correta, mas há indícios que poderiam induzir a algo. Dentre eles, fazer o que gosta, mapear um determinado público e estar preparado para as críticas que poderiam vir. Além disso, não fazer um canal esperando a fama, mas sim por gostar do que faz. Nesse sentido, buscar uma identidade única, que o torne diferente de outros youtubers.

Com uma linguagem tranquila e fácil, Tá gravando. E agora? pode ser lido em poucas horas. Já tinha ouvido falar da Kéfera, mas nunca parei para assistir algum de seus vídeos. Confesso que, quando li o livro, fui correndo para o YouTube conhecer mais sobre seu trabalho. Admito que é possível dar umas boas gargalhadas. O livro também tem a mesma sintonia. Com cerca de 100 páginas e bem interativo, em questões físicas e editoriais, é entremeado por dicas da Kéfera, um pouco da história do canal em si, mas também depoimentos daqueles que o acompanham e que de certa maneira se sentiram tocados pelo conteúdo.

Continue lendo »


AVALIAÇÃO: 4/5 EDITORA: COMPANHIA DAS LETRAS, CORTESIA ISBN: 9788535928303 GÊNERO: NÃO FICÇÃO PUBLICAÇÃO: 2016 PÁGINAS: 336 SKOOB

O organizador de “Cartas Extraordinárias”, Shaun Usher, continuou seu belo trabalho fazendo o seu segundo livro, intitulado Listas Extraordinárias.  Assim como no primeiro livro, a edição da Companhia das Letras está belíssima e com um lindo projeto gráfico e acabamento.

Neste livro, Usher traz 125 listas de diversos assuntos, escritas em diversos períodos da história mundial, aliás, algumas delas até podemos dizer que foram co-participantes de grandes eventos que aconteceram.

O organizador afirma na apresentação do livro que “desde que nós, humanos, começamos a andar pela Terra, não paramos de criar listas de todos os tipos, com a certeza de que todas as coisas estão constantemente organizadas, priorizadas, classificadas e atualizadas até o fim dos nossos dias”. Ele também enumera alguns motivos pelos quais as pessoas organizam-se em listas.

Escolhi cinco listas que gostei mais para falar um pouco sobre. A primeira foi da Disney, do ano de 1934, trazendo o nome de cinquenta anões que mais tarde seriam utilizados na famosa história da Branca de Neve e os Sete Anões. Os nomes Dengoso, Zangado, Feliz, Soneca e Atchim saíram dessa lista.

 

A segunda que mais me chamou atenção foi publicada em 1830 pela The Ladies’ Pocket Magazine, dando conselho às moças daquela época. A lista era voltada às mulheres da época georgiana. Outra lista de destaque foi escrita por Edna Woolman Chase, editora-chefe da Vogue em 1914. Ela escreveu, quase 40 anos mais tarde, sua biografia e montou uma lista com 13 conselhos para uma mulher se tornar elegante.

Continue lendo »

terça-feira, 9 de maio de 2017

AVALIAÇÃO: 5/5 EDITORA: SEGUINTE, CORTESIA ISBN: 9788555340116 GÊNERO: ROMANCE, JOVEM ADULTO PUBLICAÇÃO: 2016 PÁGINAS: 352 SKOOB

Sarah Dessen é uma autora querida no meu coração que sei que quando irei ler um livro dela, é pouco provável que deixarei de gostar. Tive a oportunidade de ler “Os bons segredos”, meu primeiro contato com suas obras, a qual superou todas as minhas expectativas. Recentemente chegou para mim o último livro dela publicado no Brasil, pela Editora Seguinte, Uma canção de ninar. Não esperei muito até que iniciasse a leitura. E foi uma montanha russa que só consegui parar quando cheguei ao último capítulo.

Remy não acredita no amor. Sempre que um cara com quem se envolve aproxima-se demais, ela se afasta, antes que fique sério ou ela se machuque. Não é por menos: a garota passara a vida toda vendo os fracassos de relacionamentos de sua mãe, que naquelas alturas já ia para o quinto casamento. No entanto, Dexter aparece em sua vida, o que torna a situação ainda pior. Afinal, ele é tudo o que ela não gosta num rapaz: impulsivo, desajeitado e, o pior de tudo, músico. Não é por menos: o pai dela também era músico e a abandonou antes de seu nascimento, deixando apenas uma canção de sucesso sobre ela (que dá nome ao livro). Remy queria apenas um verão tranquilo antes de ir para a faculdade. Só que, às vezes, a vida dá voltas. Dexter se torna alguém recorrente nela, fazendo surgir sentimentos nem um pouco esperados.

Sabe aqueles personagens que você se aproxima, tornando-se íntimos a eles e até sentindo falta quando é obrigado a se despedir? Apresento-lhes os criados por Sarah Dessen. A autora constrói uma história leve, divertida e descontraída, com uma narrativa que flui sem nem mesmo você perceber. Quando li “Os bons segredos” isso ficou evidente e torna-se a repetir em Uma canção de ninar. Remy é a típica adolescente que já conhecemos de outros romances, mas que por mais que seja clichê, acabamos nos aperfeiçoando a ela, principalmente pela sua determinação e pela própria maneira de compreender a vida. Desiludida no amor, ela busca refúgio em outros lugares. Porém, quando conhece Dexter, vê todos os seus padrões e regras irem por água abaixo. E isso, de certo modo, é a vida. É quando estamos nos acostumando a ela e de repente nos vemos em meio a um turbilhão de acontecimentos que não estávamos preparados. E é aí que amadurecemos e tiramos aprendizados e lições.

Continue lendo »

segunda-feira, 8 de maio de 2017

 

AVALIAÇÃO: 5/5 EDITORA: SEGUINTE, CORTESIA ISBN: 9788574067568 GÊNERO: FANTASIA, JOVEM ADULTO PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 168 SKOOB

Jostein Gaarder ficou famoso mundialmente pelo seu romance “O mundo de Sofia“, que até hoje é lembrado e utilizado em salas de aula e cursos de filosofia. Desde então, o autor já lançou alguns outros livros, dentre eles o seu mais recente, Anna e o planeta. Quando li a proposta do livro, fiquei extremamente curioso para saber o que me aguardava. Prometia ser algo diferente e reflexivo. Já havia tido experiências com “Ei, tem alguém ai?” da mesma autoria e curtido bastante. O mesmo caso ocorreu com Anna e o planeta.

Anna é uma jovem que está prestes a completar dezesseis anos quando começa a receber mensagens em seus sonhos. Preocupados, seus pais resolvem levá-la a um psiquiatra, mas o médico não acha que exista algo de errado com ela. Na verdade, Dr. Benjamin acredita que parte do que ela tem visto nos sonhos é real, como o agravo do aquecimento global e a consequente extinção de vários animais. O doutor está certo, pois o que Anna vê é a vivência de Nora, sua bisneta que vive em 2082 em uma época totalmente diferente da dela.

A natureza está em extinção, a temperatura subiu, alterando completamente a fauna e a flora, e os vizinhos são refugiados climáticos que fugiram do Oriente Médio em caravanas de camelos. Quanto mais os sonhos persistem, mas a garota percebe que tem de agir no presente para que suas visões não se concretizem. Junto do seu namorado Jonas, a garota irá unir esforços para conseguir ter uma perspectiva de futuro melhor.

O que mais me chamou a atenção no livro foi justamente o autor trazer uma temática tão atual e tão recorrente no nosso cotidiano e transformá-la em um livro juvenil com uma linguagem mais acessível. Linguagem essa que poderia ser um pouco mais suave, o que se mostrou no livro um pouco cansativo. É o que ocorre, por exemplo, com “O mundo de Sofia“. O livro é um manual sobre a história da filosofia, mas em muitos momentos parece realmente um livro de história da filosofia. No caso em Anna e o planeta , em alguns momentos a história é um pouco parada e maçante, devido a dados e informações sobre as situação do planeta. Continue lendo »


AVALIAÇÃO: 4,5/5 EDITORA: COMPANHIA DAS LETRAS, CORTESIA ISBN: 9788535921878 GÊNERO: SUSPENSE PUBLICAÇÃO: 2012 PÁGINAS: 424 SKOOB

Após a morte do pai, um professor de educação física se muda para Garopaba, uma cidade litorânea de Santa Catarina, para saber mais sobre o avô, que se mudou para o local há bastante tempo e morreu sob circunstâncias estranhas. Ninguém sabe o que aconteceu direito, mas o protagonista decide ir até lá em busca de respostas.

Muitas pessoas falam que as obras de Daniel Galera não têm história. Sabe aquela leitura que você não sabe aonde vai dar ou como irá terminar? Então, “Meia-noite e vinte“, seu título mais recente, foi mais ou menos assim para mim – apesar de ter gostado muito. Porém, em Barba ensopada de sangue isso não ocorre. A trama envolve o mistério da morte de Gaudério, avó do protagonista, que permeia todo o desenvolver da história e prende o leitor.

A escrita de Daniel Galera é extremamente envolvente. Muitos podem achar o livro parado, daqueles em que as coisas parecem não acontecer por ele possuir um ritmo mais lento. Mas isso não é um defeito da obra. Principalmente pelo fato de que a escrita do autor é gostosa. Mesmo que ele esteja somente narrando o dia a dia do personagem, sem chegar a desenvolver o mistério ou apresentar alguma cena mais agitada, ele consegue não te deixar entediado. Os diálogos e a forma como ele discorre sobre a vida e as situações do protagonista são incríveis.

O autor também dá um show na ambientação do livro. Ele me deixou morrendo de vontade de visitar Garopaba, de entrar no mar e de sentir a areia da praia nos pés em um dia de inverno. Continue lendo »

sábado, 6 de maio de 2017

Avaliação: 3,5/5 Editora: Companhia das Letras, Cortesia ISBN: 9788535927993 Gênero: Jornalismo literário Publicação: 2016 Páginas: 272 Skoob

Quem tem proximidade com o jornalismo com certeza já ouviu falar sobre Gay Talese. Nascido em 1932, ele é considerado um dos fundadores do “novo jornalismo”, conhecido também como jornalismo literário. A premissa dessa nova forma de fazer jornalismo é utilizar recursos da ficção para contar histórias, partindo de uma perspectiva subjetivista e trazendo novas abordagens sobre a história. Conhecido por livros como “A mulher do próximo”, “Honra teu pai”, “Vida de escritor”, entre outros, exemplos de obras do jornalismo literário, Talese publicou, no ano passado, o polêmico O voyeur, que chegou ao Brasil pela Companhia das Letras.

A publicação deste novo livro trouxe uma série de questionamentos éticos a respeito da história, além da apuração de Talese, que teria deixado passar dados inconsistentes, capazes de desconstruir a trama. Eu não tinha lido nada a respeito dessas polêmicas antes de iniciar a leitura da obra, que havia chamado a minha atenção pela premissa e me envolveu de forma sem igual, fazendo com que eu terminasse a leitura em menos de dois dias.

Em 272 páginas, Talese conta a história de Gerald Foos, um homem que comprou um motel de 21 quartos perto de Denver e construiu uma “plataforma de observação” para satisfazer seu instinto voyeurístico e observar a vida alheia. O jornalista conheceu a história de Foos por meio de uma carta que recebeu em 1980. Na correspondência, Foos explica como fez buracos retangulares no teto dos quartos de seu motel e observou, por anos, seus hóspedes, registrando, em um diário, as ações e comportamentos de cada um. Gabando-se por nunca ter sido descoberto, Foos colocou-se à disposição de Talese para que este conhecesse mais a fundo sua história e tivesse acesso a todos os relatos.

Intrigado com a história, Talese entrou em contato com Foos e passou a investigar seus registros, mesmo sabendo que dificilmente escreveria um livro sobre isso. Contrariando suas próprias expectativas, anos depois, quando Foos permitiu que sua história viesse à tona, Talese publicou grande parte desses relatos. O livro começa contando como foi feito o contato entre os dois e o que fez com que o jornalista fosse atrás dessa história. Curioso e ao mesmo tempo revoltado com a invasão à privacidade de muitas pessoas, ele seguiu com sua pesquisa. Continue lendo »

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Avaliação: 5/5
Editora: Companhia das Letras, Cortesia
ISBN: 9788535926996
Gênero: Não ficção
Publicação: 2016
Páginas: 488
Skoob

O estupro ainda é um tema considerado tabu por muitas pessoas, que minimizam o assunto e ignoram os dados alarmantes divulgados, além de, muitas vezes, culpabilizarem as próprias vítimas. Em Missoula, o jornalista Jon Krakauer, autor de “Na natureza selvagem”, traz um relato forte e chocante sobre o tema, analisando dados e alguns casos de agressão sexual que ocorreram na cidade, localizada em Montana, nos Estados Unidos. Em sua obra, Krakauer traz um panorama sobre o assunto, demonstrando que muitos casos estão ligados aos times de futebol americano das universidades, e acompanha duas situações bem de perto, contando as histórias de Allison e Cecilia.

Dividido em seis partes: Allison, Diante da lei há um guardião, Atenção indesejada, Escalas de justiça, Julgamento por júri e Abalos posteriores; o livro de Krakauer expõe uma realidade muitas vezes omitida. Entre 2008 e 2012, o departamento de justiça americano investigou 350 acusações de agressão sexual em Missoula, cidade universitária americana. Entretanto, como mostra o autor, poucos desses casos são levados a sério e trazem punições aos agressores. 

Já nas páginas iniciais do livro, o autor traz, no prefácio, dados alarmantes sobre o assunto e destaca que “pelo menos 80% das pessoas violentadas não denunciam o crime às autoridades”. O livro tem como propósito entender o motivo de tantas vítimas não irem à polícia, além de compreender as repercussões das agressões sexuais. Durante seu estudo, Krakauer conversou com diversos especialistas, compareceu a audiências judiciais, fez uma extensa pesquisa com base em documentos, cartas, e-mails, boletins de ocorrência, gravações, entre várias outras fontes.

O resultado de sua pesquisa é este livro, que, apesar de perturbador em muitas de suas passagens, coloca em destaque um assunto que precisa ser discutido. Os dois casos abordados na obra, de Allison e Cecilia, foram amplamente estudados pelo autor. As duas jovens foram estupradas por pessoas próximas a elas, sem nunca imaginarem que algo do tipo poderia acontecer.  Continue lendo »