terça-feira, 12 de setembro de 2017

Avaliação: 4/5
Editora: Companhia das Letras, Cortesia
ISBN: 9788535929058
Gênero: Poesia
Publicação: 2017
Páginas: 278
Skoob

“De tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento”

Quem gosta ou já aprendeu sobre poesia brasileira, com certeza irá reconhecer os primeiros versos do Soneto da Fidelidade, imortalizado por Vinicius de Moraes. Ele, que nasceu em 1913 no Rio de Janeiro, encantou o país com seus versos sobre o amor, muitos deles musicados por artistas como Jobim, Toquinho, entre tantos outros. Vinicius falava sobre cada amor como se aquele sempre fosse o último e, cada um, diferente e único a sua maneira. Como uma forma de homenagear sua obra, a Companhia das Letras lançou este ano o livro Todo amor, que reúne cartas, crônicas, poemas e letras de canção, mostrando a versatilidade de Vinicius e a forma como explorava esse sentimento tão infinito em si mesmo.

Há de se dizer que a edição é um espetáculo a parte. Com tons de vermelho, rosa e muitas ilustrações de flores, que complementam e intensificam o conteúdo do livro, a parte estética está de uma delicadeza sem tamanho, sem deixar de lado a paixão e sua voracidade, presente em muitos momentos da vida do autor. Todo amor celebra um sentimento que permeia nossas vidas em qualquer circunstância, que é capaz de arrebatar-nos e trazer a esperança mesmo em meio a dias obscuros. Aqui, o amor é o personagem principal, mas sem deixar de lado os secundários, que inevitavelmente aparecem em sua companhia – alegria, tristeza, ciúme, perdão, expectativa, serenidade, entre tantos outros. Continue lendo »

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

AVALIAÇÃO: 5/5
EDITORA: GLOBO ALT ISBN: 9788525063151 GÊNERO: ROMANCE, JOVEM ADULTO, LGBT
PUBLICAÇÃO: 2017
PÁGINAS: 208
SKOOB

Vitor Martins é um booktuber que cativa seus inscritos falando sobre leituras e coisas aleatórias do dia a dia, até o dia em que decide expor um outro lado seu: o de escritor. Daí nasceu Quinze Dias, primeiro livro do autor, que chegou às livrarias nos últimos meses pela selo Globo Alt. Desde o anúncio do livro estava com vontade de fazer a leitura, apesar de só ter conseguido agora. E mesmo assim não me arrependi: só fiquei com gostinho de quero mais.

Numa mesma estética de David Levithan, o autor conta a história de Felipe, um garoto do Ensino Médio que é gordo. Por causa de sua condição, o garoto sofre perseguição no seu colégio, onde os estudantes o chamam dos mais horríveis apelidos. Tudo que Felipe quer são as férias de julho, porque serão quinze dias onde ele poderá se esconder do mundo de fora e apenas assistir suas séries favoritas e tutoriais no Youtube de coisas que nunca irá colocar em prática. Doce ilusão! Às vésperas de seu sonho começar, sua mãe avisa que a vizinha decidiu deixar seu filho passando as férias junto a eles. Um pequeno detalhe: o vizinho é Caio, por quem Felipe tem uma paixonite desde a mais tenra adolescência. Quando crianças, os dois se divertiam na piscina, até o dia em que Felipe começou a sentir vergonha do próprio corpo e decidiu não ir mais. Mas e agora, o que fazer? Como lidar com os sentimentos pelo vizinho e ainda aproveitar as férias da melhor maneira o possível?

Quinze Dias é o tipo de leitura que você sabe que vai gostar antes mesmo de começar. Talvez fossem os comentários já vistos e lidos sobre a história ou até mesmo a própria sinopse em si, a história de Felipe e Caio se mostrou tão agradável de ler que terminei o livro querendo mais e mais. Pode-se dizer que o livro seja clichê, e concordo plenamente. Mas, por outro lado, Vitor Martins coloca em cena um protagonista tão próximo do cotidiano que é impossível não se identificar com seus dramas ou conflitos. Muitas pessoas já passaram pelo que Felipe passou. Eu próprio já passei no colégio. Mas acredito que a maneira com a qual Vitor conduz a história mostra que é possível superar medos e obstáculos. Que é possível se compreender e se aceitar. E isso que torna o livro tão especial, com uma mensagem tão bonita. Continue lendo »

terça-feira, 5 de setembro de 2017

AVALIAÇÃO: 5/5
EDITORA: ARQUEIRO, CORTESIA
ISBN: 9788580416589
GÊNERO: ROMANCE, FICÇÃO REALISTA, JOVEM ADULTO
PUBLICAÇÃO: 2017
PÁGINAS: 288
SKOOB

Esse é o segundo livro da autora Nicola Yoon. Eu ainda não li o primeiro, “Tudo sobre todas as coisas“, que foi best-seller na lista do New York Times, mas isso já nos dá uma pista sobre o livro e sobre a autora: a preferência do público, as ótimas citações sobre ele e a expectativa da versão cinematográfica que foi lançada esse ano. Tudo isso do primeiro livro dela… imaginem o segundo!

Fato observável: não tem como não amar a escrita da Nicola Yoon! A poesia explica isso: os dispostos se atraem!

“Carl Sagan afirmou que, se você quiser fazer uma torta de maçã desde o início, precisa primeiro inventar o Universo.” 

O Sol também é uma estrela se passa em um único dia. O dia em que Natasha será deportada com sua família para a Jamaica. O dia em que Daniel terá que largar seus sonhos poéticos para se tornar o médico que o pai deseja que ele seja. E eles se levantaram para seus destinos. A cada passo que dão várias probabilidades se abrem para se tornar uma única história com várias histórias cruzadas.

Natasha decide ir até o advogado tentar desesperadamente que sua deportação seja revogada. Daniel vai para sua entrevista de admissão em Yale. Nesse meio tempo eles se conhecem. Daniel se apaixona de cara, não tem como negar: ele é uma poeta, é um romântico. Para ele, o acaso é uma obra linda do destino e os dois só se conheceram pois terão algo extraordinário. Natasha não acredita no amor: ela é uma garota da ciência, não há crença no acaso e nem destino. Só na ciência. Tudo acabaria nesse ponto, mas Daniel a desafia: ela vai se apaixonar por ele cientificamente. Alerta de spoilers: o Daniel é apaixonante! Continue lendo »


AVALIAÇÃO: 5/5
EDITORA: VALENTINA, CORTESIA
ISBN: 9788558890472
GÊNERO: HISTÓRIA, NÃO FICÇÃO
PUBLICAÇÃO: 2017
PÁGINAS: 197
SKOOB

De Galileu a Stephen Hawking em 200 páginas!

A Editora Valentina está lançando a coleção História para quem tem pressa. São livros pequenos, com no máximo 200 páginas, que contam cronologicamente as passagens históricas do assunto em questão.

Eu recebi o livro sobre ciências e tenho que confessar de antemão que foi uma leitura fantástica! Me surpreendeu mesmo! \o/

Primeiro eu pensei: em duzentas páginas não dá para falar de nada, imagine toda a história das descobertas cientificas da humanidade! Para!

Mas foi um adorável engano. Percebi logo que abri o livro: organização. Separado em sete capítulos dos grandes temas da ciência e contado sem enrolação e bastante clareza os subtemas do assunto.

Vou citar o exemplo da “Astronomia“, presente no capítulo 1. Já faz muito sentido esse ser o primeiro capítulo: começa com a fixação do homem pelo céu, mesmo em tempos mais remotos. Passa pelos mapas estrelares 400 a.C, para a visão geocêntrica de Aristóteles; explicações sobre o movimento da Terra, o dia e a noite; e chega em Nicolau Copérnico com o heliocentrismo e a quantidade de defesas cientificas que o heliocentrismo conquistou e foi derrubado pela supremacia católica. E quando o projeto de telescópio foi melhorado por Galileu e expandiu o conhecimento que hoje temos do cosmos. E termina com Stephen Hawking comprovando a teoria dos buracos negros que foi um pesquisa de Chandra na década de 30. O mesmo se dá para os outros temas: “matemática“, “física“, “química“, “biologia“, “medicina” e “geologia“.

São levantados os principais conceitos, os principais pesquisadores e cientistas, a evolução das ideias e até uma mini biografia dos principais nomes. Continue lendo »


AVALIAÇÃO: 5/5 EDITORA: GALERA RECORD ISBN: 9788501077356 GÊNERO: FANTASIA, JOVEM ADULTO PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 350 SKOOB

Atenção: essa resenha pode conter spoilers do volume anterior!

Algum (angustiante) tempo depois de ler e me deliciar com o fantástico “O aprendiz“, finalmente pude embarcar de cabeça em mais uma aventura de Fletcher e me lembrar o que me fez amar tanto o primeiro volume dessa trilogia. Após concluir essa surpreendente e maravilhosa leitura só consigo pensar no porquê eu demorei tanto pra ler essa continuação e no quanto eu queria já ter em mãos o terceiro volume.

Após ser acusado injustamente de assassinato, Fletcher passa um bom – e nada agradável – tempo na prisão na companhia de seu demônio aguardando o julgamento que dará destino à sua vida. O problema é que ele não tem muitos aliados no poder e os que estão lá fazem o possível para incriminá-lo, o que eles mais gostariam de ver é sua ruína. Durante esse trágico acontecimento, muitas revelações sobre o passado e a identidade de Fletcher são feitos e de repente ele se vê em uma missão que pode significar a salvação ou a destruição de Hominum.

É incrível como o autor conseguiu criar uma sequência que fosse ainda melhor que o primeiro livro – coisa que é raro de acontecer. Sua narrativa continua gostosa de acompanhar, e, talvez pelo enredo bem trabalhado ou talvez simplesmente pela escrita envolvente, o livro prende o leitor de tal forma que não paramos até lermos a última página.

As novas aventuras de Fletcher e seus amigos são ainda mais fascinantes e o autor conseguiu expandir o universo fantástico criado por ele. Passamos a conhecer muito mais profundamente demônios e outras criaturas e são todos empolgantes de acompanhar. Entrar nesse universo rico e bem trabalhado é coisa de outro mundo e eu adoro essa sensação de realmente mergulhar em outro universo.

O contexto todo da história é bem trabalhado, todos os conflitos, guerras e questões importantes como o racismo, são muito bem exploradas, sem se tornarem repetitivas ou cansativas. O autor consegue colocar tudo de maneira clara e complementar à trama, encaixando tudo perfeitamente. É interessante como algumas questões que são exploradas na fantasia refletem o que acontece no mundo real. Continue lendo »


AVALIAÇÃO: 4/5 EDITORA: GALERA RECORD, CORTESIA ISBN: 9788501108067
GÊNERO: ROMANCE, NEW ADULT, SUSPENSE, JOVEM ADULTO PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 144
SKOOB

Atenção: essa resenha pode conter spoilers do volume anterior!

Nunca, em toda minha vida, eu fiquei tão curiosa e esperei desesperadamente por uma continuação de série como eu esperei por Nunca jamais – Parte 2. Isso porque o primeiro volume da trilogia acaba de uma maneira tão súbita que o leitor se sente perdido, como se tivesse lido apenas o comecinho de uma história que o pegou de jeito – o que é exatamente o que acontece.

Neste volume, Charlie e Silas se encontram exatamente da mesma maneira que acabaram no volume anterior: ambos sem memória, com a diferença de que dessa vez Charlie está desaparecida e Silas, após ler todas as notas deixadas por eles mesmos, fica desesperado para encontrá-la e então resolver o mistério que envolve a vida dos dois.

Confesso que me sinto meio estranha em avaliar esse livro por não sentir que ele seja de fato um livro. Mencionei isso na resenha do livro anterior e a sensação é a mesma: a de que acabei de ler apenas uma parte de uma obra, o que de fato é o que acontece. Esse volume seria correspondente ao meio de uma história e isso é o que me irrita tanto aqui: dividirem uma história em três partes desnecessariamente.

Não me entendam mal, a história é muito boa. Aliás, eu amei essa sequência, mas é bem frustrante você ler por partes, e ter finais súbitos quando a coisa está ficando mais interessante. Além de que, dessa maneira, tendo que esperar o lançamento da próxima parte, é ainda pior, pois perdemos um pouco da familiaridade com a história e com os personagens.

Deixando esse detalhe de lado, confesso que me apaixonei pela história e as autoras souberam me pegar de jeito! O mistério que envolve a amnésia simultânea de Silas e Charlie é extremamente instigante e eu amei como a história se desenvolveu nesse volume. Não estamos nem um pouco mais perto de entender o porquê disso acontecer com eles, mas já consegui terminar com algumas teorias na minha cabeça. Continue lendo »

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

AVALIAÇÃO: 5/5
EDITORA: VALENTINA, CORTESIA
ISBN: 9788558890311
GÊNERO: ROMANCE, FICÇÃO REALISTA, JOVEM ADULTO
PUBLICAÇÃO: 2017
PÁGINAS: 336
SKOOB

Para quem lê muitos livros em um curto período de tempo, fica difícil se apegar e ser tocado profundamente por uma história, pois com tantas histórias sendo lidas uma atrás da outra, as chances de passarmos superficialmente por essas narrativas é enorme. Mas quando acontece de um desses livros nos tocar profundamente, a sensação é incrível, e, para minha alegria, o título Dumplin‘, escrito pela autora Julie Murphy, e publicado no Brasil pela Editora Valentina, foi um livro que conseguiu me tocar muito.

Narrado em primeira pessoa pela nossa protagonista, Dumplin nos conta a história de Willowdean, uma adolescente que cresceu vendo sua mãe se orgulhando por ter sido coroada na juventude como a Miss Jovem Flor do Texas, mas por ser uma garota gorda, ela nunca pensou na possibilidade de seguir os passos da mãe. Seu relacionamento com seu corpo sempre foi algo com que ela lidou muito bem, Will sempre se mostrou segura de si e orgulhosa por ser quem é. Mas depois de conhecer Bo, um garoto lindo que com quem trabalha em uma lanchonete, Will passou a se sentir desconfortável em seu próprio corpo, acreditando que seus quilos extras não permitiriam que alguém como Bo se apaixonasse por ela.

Além de Bo, outra coisa que abalou o universo de Will foi a perda de sua tia Lucy, que morreu pesando mais de duzentos quilos. O seu relacionamento com ela era muito mais íntimo do que o relacionamento com sua própria mãe, e dentre todas as coisas boas que Lucy trouxe para vida de Will, o amor pela cantora Dolly Parton e a amizade com Ellen foram as coisas mais importantes que aconteceram na vida da garota graças à sua querida tia, e superar sua morte acaba sendo muito mais difícil para Will do que ela imaginou que seria.

Toda essa relação com o corpo e as descobertas da juventude foram muito bem trabalhadas pela autora Julie Murphy, que abordou com muita delicadeza todos os assuntos. Fica muito perceptível todo o trabalho que Julie dedicou à história, todos os personagens são muito bem desenvolvidos e possuem sub-tramas que os tornam únicos e especiais, eu adorei poder ler uma história onde todos têm importância e espaço.

Como eu já disse em outra resenha, acho muito importante a representatividade nos livros, é essencial podermos ler sobre personagens com quem nos identificamos, e apesar disso ser muito importante, ainda é muito difícil encontramos livros onde os protagonistas são gordos. Isso é uma coisa que me incomoda demais, e ao ler títulos como Dumplin’, que arrasam na representatividade, eu fico imensamente feliz e grata pela existência de autores e editoras que abrem esse espaço. Continue lendo »


AVALIAÇÃO: 4,5/5
EDITORA: PIXEL, CORTESIA
ISBN: 9788555460142
GÊNERO: GRAPHIC NOVEL, LIVRO ILUSTRADO, FICÇÃO CIENTÍFICA
PUBLICAÇÃO: 2016
PÁGINAS: 68
SKOOB

Para todos aqueles que são fãs de Star Wars“, o livro ilustrado Star Wars – As aventuras de Luke Skywalker, cavaleiro Jedi publicado pela Editora Pixel, é um item que não pode faltar na coleção. Baseado na trilogia original “Uma nova esperança“, “O império contra-ataca” e “O retorno de Jedi“, acompanhamos toda a trajetória de Luke, desde seu primeiro contato com a Força, até a descoberta que mudou sua vida.

Com as ilustrações originais feitas por Ralph Mcquarrie, que serviram como base para a criação do universo cinematográfico, neste título podemos entrar de cabeça no universo “Star Wars” de uma maneira muito mais íntima e especial, já que no livro temos contato com algo que serviu como inspiração para todo esse universo que tanto amamos.

Escrito por Tony Diterlizzi, as histórias dos três filmes são narradas em terceira pessoa, e se transformam em apenas uma história, onde conhecemos nosso herói Jedi e acompanhamos suas aventuras ao lado dos Rebeldes para tentar acabar com o Império e deter Darth Vader. Apesar de eu ter amado todo o conjunto e a junção das histórias, senti que ficou tudo muito corrido e muito resumido. Eu queria mais detalhes que acabaram ficando de fora.

Foto: Tayara Casemiro/Viagens de Papel

Continue lendo »

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

AVALIAÇÃO: 5/5
EDITORA: COMPANHIA DAS LETRINHAS, CORTESIA
ISBN: 9788574066820
GÊNERO: INFANTOJUVENIL
PUBLICAÇÃO: 2017
PÁGINAS: 80 SKOOB

Escolhi o recém lançado O Lórax, da Companhia das Letrinhas, por já ter assistido ao filme homônimo em 2012.

Para quem não conhece o filme, aliás, nem eu lembrava de muitos detalhes, ao iniciar a leitura sentirá certa estranheza com a história. Ela é parcialmente rimada e, não sei se por causa da tradução, nem sempre em versos curtos.

Por meio das ilustrações, vemos um menino que saiu da cidade e está indo em direção ao logradouro de Lórax, porém ao chegar no local onde Lórax vivia, encontra Erumavez, único que será capaz de explicar e responder todas as perguntas que o menino poderá vir a fazer, porém, antes é preciso efetuar o pagamento: um prego, uma moedinha e a conchinha do ta-ta-ta-taravô do caramujo. Depois disso, do alto de sua loja/casa, através do Segredofone, das sombras ele sussurrará toda a história.

A partir desse ponto do enredo, tudo começa a fazer um pouco mais de sentido para o leitor, Erumavez conta que muito muito tempo atrás, encontrou um lugar lindo, com muitos animais, um verdadeiro paraíso, cheio de árvores cabeludas e coloridas, chamadas de Trúfulas. Ao sentir a maciez de uma Trufulárvore, Erumavez tem uma grande ideia, derruba uma única árvore e rapidamente tricota uma Nãocessidade. Nesse momento, eis que do tronco cortado surge uma espécie de homem, baixinho, velhinho, musgosinho, o Lórax, um protetor, que em nome das árvores conversa sobre ganância, tentando dissuadir Erumavez.

Foto: Nara Dias/Viagens de Papel

Continue lendo »

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Avaliação: 3,5/5
Editora: Companhia das Letras, Cortesia
ISBN: 9788535928754
Gênero: Romance, Ficção histórica
Publicação: 2017
Páginas: 216
Skoob

Eu sempre gostei muito de estudar sobre a Segunda Guerra Mundial e, desde que entrei em contato com essa parte da história pela primeira vez, livros com essa temática sempre me despertam interesse. Quando vi o livro A febre do amanhecer, lançado pela Companhia das Letras, fiquei morrendo de vontade de conhecer a história. Na obra, o autor Péter Gárdos conta a história de amor de seus pais e de como eles se encontraram e construíram uma vida juntos depois das dores da guerra e das enfermidades.

O livro conta a história do jovem húngaro Miklós, que em 1945, após ter sido libertado do campo de concentração de Bergen-Belsen, chega à ilha de Gotland, na Suécia. Lá, ele tenta se recuperar de uma tuberculose enquanto a Europa busca sua reconstrução após os horrores e destruição causados pela guerra. Apesar de ter sobrevivido ao campo de concentração, no hospital ele recebe a notícia de que possui poucos meses de vida. Ainda assim, ele não perde as esperanças e dá início a uma grande missão: encontrar uma esposa para construir uma família.

Para isso, ele pesquisa e reúne o nome e endereço de 117 conterrâneas que também estão em recuperação na Suécia e escreve para cada uma delas, com a certeza de que uma delas viria a se tornar sua esposa. Entre as respostas que recebe, uma é de Lili Reich, uma jovem de dezoito anos que está no hospital por conta de problemas renais. A partir do momento em que começam a se corresponder, Lili e Miklós sabem que há muita coisa por trás das cartas e que essa pode ser a chance de superarem, juntos, todo o sofrimento pelo qual passaram. As cartas tornam os dias dos dois mais felizes e menos árduos, enquanto tentam se recuperar física e mentalmente de tudo que passaram.

A história é narrada pelo próprio Péter, filho do casal, que conta emocionado a história de amor dos pais. Entretanto, apesar de ser uma história muito boa, foi má desenvolvida pelo autor. Ele se baseou no período em que Miklós e Lili estão se correspondendo por cartas e termina no momento em que eles se encontram e conseguem, finalmente, se casar. Mas mesmo que o livro seja curto, com 216 páginas, a narrativa é cansativa e parece que a história não sai do lugar. Além disso, o autor muda o foco da narração constantemente, o que faz com que o leitor sinta-se perdido em alguns momentos. Continue lendo »