AVALIAÇÃO: 5/5
EDITORA: INTRÍNSECA
ISBN: 9788580578645
GÊNERO: ROMANCE
PUBLICAÇÃO: 2016
PÁGINAS: 320
SKOOB

Atenção: essa resenha pode conter spoilers do volume anterior!

Quando conheci Jojo Moyes e a história de Will e Louisa, meu coração foi por água abaixo. Foram várias lágrimas derramadas durante a leitura da história, tornando-se uma das favoritas de todos os tempos. Da mesma maneira foi quando assisti ao filme. Pouco tempo depois, foi anunciada a continuação do livro, diante da insistência dos fãs para com Jojo Moyes em descobrir o que havia acontecido com Louisa. É aí que surge Depois de você. Apesar de todo burburinho em torno do livro, ainda assim ficava um certo temor em relação ao mesmo.

Quando uma história termina, outra tem que começar. Em Depois de você, Lou ainda não superou a perda de Will. Morando em um flat em Londres, ela trabalha como garçonete em um pub no aeroporto. Certo dia, após beber muito, Lou cai do terraço. O terrível acidente a obriga voltar para a casa de sua família, mas também a permite conhecer Sam Fielding, um paramédico cujo trabalho é lidar com a vida e a morte, a única pessoa que parece ser capaz de compreendê-la. Ao se recuperar, Lou sabe que precisa dar uma guinada na própria história e acaba entrando para um grupo de terapia de luto. Os membros compartilham sabedoria, risadas, frustrações e biscoitos horrorosos, além de a incentivarem a investir em Sam. Tudo parece começar a se encaixar, quando alguém do passado de Will surge e atrapalha os planos de Lou, levando-a a um futuro totalmente diferente.

Jojo Moyes encanta pela sua escrita, pelos seus personagens e as situações em que os coloca. Com Depois de Você, encontramos novamente os tão queridos personagens, dentre eles Louisa. Diferente de Como eu era antes de você, aqui a protagonista se mostra mais madura, mas também marcada pelo que acontecera com Will. O luto, de certa maneira, acaba fazendo com que a leitura se arraste um pouco, dificultando o envolvimento com a história. As coisas começam a andar quando surge Sam Fielding e um possível romance role entre eles. E ainda mais quando surge uma figura do passado de Will, que torna a história mais interessante. Continue lendo »


Essa postagem é uma análise minha. Não tem vínculo com os editores, nem com o autor da obra.

Foto: Editora Intrínseca/Viagens de Papel (Divulgação)

Essa é a semana especial do livro Piano Vermelho (já resenhei ele aqui, e falei sobre o cenário e contexto da história aqui). Agora é hora de falar um pouco sobre Philip. Não exatamente do personagem, mas da sua filosofia de vida.

 

“Mi, Sol, Si, Ré, Fá (Meu sol se refaz).
Fá, Lá, Dó, Mi. (Fala dormindo).
Um exercício de memorização termina, outro começa.
Assim como a guerra termina, a vida começa… em casa.
A vida no caminho.”

Continue lendo »


A Editora Intrínseca está homenageando o autor Josh Marleman, com uma semana inteirinha voltada para o seu novo livro Piano Vermelho (Confira aqui! ). <3

E hoje eu vou falar um pouco do “contexto e cenário da história”, partimos do cenário principal da aventura do Philip e sua banda – os Danes: o Deserto do Namibe.

Foto: “Deserto do Namibe”/Viagens de Papel (Divulgação)

“Com o pacote de informações, Philip descobre que a palavra Namibe significa vazio.

Vazio, desolado e imenso…

Todos os integrantes da missão recebem um pacote de informações sobre o destino final, o Deserto do Namibe. Lembrando que essa missão era descobrir a origem do som horripilante que estava propagando pela região. Philip fica receoso com os pontinhos coloridos no mapa, mas se depara com um cenário que carecia de referencias. Vamos lembrar que o ano é 1957 e eles não podiam dar uma “googlada”. Mesmo que o que se espera do deserto seja muita areia a paisagem encanta o grupo assim que aterrissam. Continue lendo »

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

AVALIAÇÃO: 4/5 EDITORA: INTRÍNSECA, CORTESIA ISBN: 9788551002063 GÊNERO: TERROR, THRILLER PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 320 SKOOB

Eu não li o livro de estreia do autor Josh Malerman, “Caixa dos Pássaros”, porém é um livro muito bem recomendado pela maioria que já leu, inclusive tem resenha no blog (Confira aqui!). Isso deixa o autor Josh Malerman com o que eu chamo de poder da capa. Aquela história de não julgar um livro pela capa é balela para quem curte livros e principalmente ama capas, acabamento etc. O poder da capa está em elementos bem colocados que dão o instinto de posse assim que você o vê. Teste. Acontece comigo. Colocar nomes que deram certo na capa de um livro de um gênero que deu certo… é sucesso na certa!

Vamos à história: Philip Tonka e sua banda, os Danes, serviram no exército durante a Segunda Guerra Mundial. Eles eram a banda militar, porém não deixaram de viver a guerra. De volta para casa se tornam os queridinhos e fazem músicas que estouram em audiência. Os anos vão passando e o sucesso empaca. Eles ainda são conhecidos, mas não super famosos, há muitas bandas emplacando.

O ano agora é 1957. A banda se refugia num espaço mais afastado da cidade e começa a ajudar novas bandas. Esse é o plano de Philip, ficar no que ele chama de Caminho. Não é bom e nem ruim… é só o Caminho.

A rotina é quebrada quando Jonathan Mull, notadamente do exército, os procura para oferecer uma missão secreta: encontrar um som que está em algum lugar em um deserto da África. Um som misterioso que tem a capacidade de desarmar uma ogiva nuclear. Um som que quem ouve não quer mais ouvi-lo. A banda topa e eles vão para a aventura.

O livro é intercalado entre passado e presente. No passado conta como a banda foi parar no deserto e o que viveram lá. O presente mostra Philip Tonka paralisado num leito de hospital com praticamente todos os ossos do corpo quebrados, deformado, tentando lembrar como foi parar lá e o que aconteceu com seus amigos da banda. Continue lendo »

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

AVALIAÇÃO: 4,5/5
EDITORA: INTRÍNSECA, CORTESIA
ISBN: 9788551002346
GÊNERO: ROMANCE, JOVEM ADULTO
PUBLICAÇÃO: 2017
PÁGINAS: 320
SKOOB

Amor e Gelato é um daqueles livros que esperamos ser bem água com açúcar: uma história nada extraordinária, mas suficientemente gostosa de acompanhar pra valer o tempo investido na leitura. E de certa maneira ele é isso mesmo, um livro daqueles bem leve e doce, mas ao mesmo tempo é muito mais do que isso, e acaba nos surpreendendo com os rumos que a história toma.

Lina acabou de passar por um dos momentos mais difíceis da sua vida: perder a mãe para um câncer. Não fosse a dor da perda suficiente ela ainda tem que cumprir (meio a contragosto) a última promessa que fez a ela e embarcar em uma viagem à Florença a fim de conhecer o pai biológico – Howard. Além de ter de ir a um lugar estranho, passar um tempo com um homem sobre quem não sabe nada, Lina ainda descobre que a própria mãe não era exatamente quem ela pensava que era. Ao ler um diário deixado por ela e passar um tempo na cidade que a própria mãe viveu, Lina vai descobrir muitas coisas sobre a vida da mãe e sobre a própria vida.

São tantas coisas doces nesse livro que não sei nem por onde começar. Primeiro, como uma amante de viagens, que ama ler sobre e planejar conhecer novos lugares, simplesmente amei conhecer Florença pelos olhos de Lina. A cidade tem um papel importante na história, e não tem como negar que tem um charme nato, que conquista não só a protagonista como também o leitor.

É no mínimo interessante acompanhar como Lina redescobre a própria mãe por meio do diário dela e da cidade. Ela começa a mergulhar à fundo na história e nos momentos importantes que a mãe viveu ali, e, dessa maneira, percebe que uma vida em Florença pode não ser tão ruim como ela esperava. Aliás, é uma delícia acompanhar as duas vertentes da história: uma da própria Lina descobrindo uma nova vida em Florença, e uma da mãe dela fazendo o mesmo tantos anos antes.

Outro ponto positivo é o modo como a protagonista amadurece ao longo da história. Ela passa de uma menina receosa, birrenta e mimada à uma menina sem tantas desconfianças, agradecida pelo que tem e que aprendeu a viver uma nova vida, em um lugar e uma cultura diferente. Continue lendo »


Trilogia Para todos os garotos que já amei, de Jenny Han

“Kitty está sempre dizendo que histórias de origens são importantes. Na faculdade, quando as pessoas perguntarem como a gente se conheceu, como vamos responder? A história curta é que passamos a infância juntos. Mas essa é mais a minha história com Josh. Namorados de escola? É a história de Peter e Gen. Então, qual é a minha história com ele? Acho que vou dizer que tudo começou com uma carta de amor.” (p. 299)

– Agora e para sempre, Lara Jean

A trilogia Para todos os garotos que já amei é de autoria de Jenny Han e foi publicada no Brasil pela Editora Intrínseca. Os livros, intitulados “Para todos os garotos que já amei“, “P.S: Ainda amo você” e “Agora e para sempre, Lara Jean“, acompanham a vida de Lara Jean, uma típica garota do ensino médio, que tem mais duas irmãs, Margot e Kitty, mais velha e mais nova que ela, respectivamente. Ambas moram com o pai, após a morte da mãe e mantém um relacionamento bem próximo. Apesar do livro ser focado em Lara Jean, é impossível não se afeiçoar as demais.

Tudo se inicia com a partida de Margot para a faculdade ao mesmo tempo em que conhecemos as três irmãs e suas personalidades totalmente diferentes. Enquanto que Margot era a mais determinada das três, Lara Jean era a mais sonhadora e Kitty a mais divertida. Aviso de antemão que não acho que ser sonhadora seja algo ruim, pelo contrário: acredito que é essa característica um dos pontos fortes para a história se mostrar desde o começo tão leve. Como nem tudo são flores, as coisas começam a mudar quando algumas cartas, escritas por Lara Jean no ensino fundamental para garotos que ela se apaixonou, acabam sendo enviadas por alguém desconhecido. Logo, os destinatários vêm conversar com a garota e a vida dela não é mais a mesma. Dentre eles, o namorado da irmã, Josh. Além disso, o astro dos esportes do colégio: Peter Kavinsky. Lara se vê no meio de uma confusão, ao mesmo tempo em que tem de dar conta das tarefas do ensino médio e pensar no seu futuro.

É um romance adolescente? É sim. É clichê? Também. Tem todos os elementos de um romance típico de ensino médio? Com certeza. Vale a pena? Fazia tempo que não me divertia tanto e me sentia tão bem ao conhecer um novo universo. A escrita de Jenny se mostra desde o começo fluida e tranquila, fazendo com que o leitor queira estar junto das irmãs Song e saber o que acontecerá com elas. E os personagens têm grande parcela de culpa nesse processo. Muito mais que um romance adolescente, Jenny Han consegue lidar com relacionamentos familiares, principalmente entre as irmãs, paralelos a problemas e obstáculos que a própria faixa etária acaba passando. Não foram poucas as vezes que me peguei rindo com as tiradas de Kitty, querendo dar umas sacudidas com Margot e suspirando com Lara. Quando não era tudo junto e misturado. Continue lendo »


AVALIAÇÃO: 5/5
EDITORA: INTRÍNSECA
ISBN: 9788580573299
GÊNERO: ROMANCE
PUBLICAÇÃO: 2013
PÁGINAS: 320
SKOOB

O que uma escolha pode definir em nossas vidas? Talvez essa tenha sido a questão central vivida pela protagonista de Como eu era antes de você, da Jojo Moyes, Louisa Clark. Ao conhecer Will Traynor, Lou não imaginava o quanto sua vida mudaria, ou o quanto ela própria mudaria. E começo essa resenha com essa reflexão pois ela faz parte de nossas vidas. Quantas escolhas fizemos? Que caminhos tomamos que muitas vezes não é o correto para muitos, mas para o nosso interior é o que devemos fazer no momento? Fazemos isso diante das circunstâncias da vida.

Louisa Clark tinha uma vida até instável: um emprego e um namorado (por mais que ela soubesse que lá no fundo não havia um sentimento de amor entre os dois). Aos 26 anos, isso mudou quando o café em que ela trabalhava fechou e, como consequência acaba sendo demitida. Sua família dependia inteiramente do seu salário e, decidida, acaba indo procurar outro emprego. Surge a oportunidade para trabalhar como cuidadora de Will Traynor, um homem que tinha uma vida inteira pela frente e que sabia aproveitar cada momento dela, mas que após um acidente, fica preso numa cadeira de rodas, dependendo dos outros para qualquer necessidade, fazendo com que perdesse o sentido da vida. Louisa, ao se deparar com tal situação, não sabe muito bem como reagir. Só que o que ambos não sabem é que esse encontro mudará a vida de ambos, para sempre.

O primeiro contato com o escrita de Jojo Moyes ocorreu de maneira um pouco inesperada. Como eu era antes de você estava na estante há algum tempo esperando para ser lido. Mas sabe quando você acha que vai ser uma história melodramática e acaba postergando a leitura? Já havia lido algumas resenhas dos livros da autora, elogiando suas tramas, mas que de alguma maneira, destacavam a presença do drama. De qualquer forma, decidi dar uma chance. E foi sem dúvidas uma surpresa.

A história começa num ritmo calmo e tranquilo, cativando o leitor. Conhecemos Louisa, sua rotina, suas manias, sua família e seus amigos. Em certo momento, aparece Will, com todo o seu passado. O primeiro encontro não é o que mais se esperaria de um romance, já que Will se mostrava reticente quanto a presença de Lou. No momento, como nem tudo na vida são flores, não seria por isso que desistiríamos nas primeiras páginas. Continue lendo »


AVALIAÇÃO: 4/5
EDITORA: INTRÍNSECA, CORTESIA
ISBN: 9788580579727
GÊNERO: CONTOS, ROMANCE
PUBLICAÇÃO: 2017
PÁGINAS: 240
SKOOB

Quem já teve a oportunidade de ler algo da autora Jojo Moyes, sabe que ela constrói romances emocionantes, que sempre apresentam histórias bonitas, capazes de arrancar muitas lágrimas. Um dos exemplos é “Como eu era antes de você“, que virou filme no ano passado. O novo lançamento da autora no Brasil é Paris para um e outros contos, publicado pela Editora Intrínseca. Aqui, é possível conhecer um outro lado da autora, já que a obra traz alguns contos publicados por ela.

O título do livro é o mesmo do primeiro conto, que é, sem dúvidas, o principal. São cerca de cem páginas para essa história, que envolve e deixa a gente roendo as unhas e torcendo pela protagonista Nell. A jovem planeja há meses um fim de semana romântico com o namorado em Paris, mas quando chega no dia, ele dá para trás. Ela acaba viajando e só descobre que ele não vai mais quando já está na cidade desconhecida, enfrentando todos os seus medos e inseguranças de se ver sozinha em uma situação como essa.

Assim, Nell precisa refletir sobre como deve agir frente à essa situação. Se volta para casa ou aproveita o momento, deixando de lado todos os seus receios. A partir do momento em que toma a decisão, Nell se abre para um mundo completamente novo, descobrindo a cidade das luzes e redescobrindo a si mesma. Por ser o conto mais desenvolvido do livro, foi o meu favorito. Ele traz diversos elementos, como a viagem para Paris, romance, uma jornada de autodescobrimento, valores da amizade, entre outros, tudo isso com uma narrativa leve, deliciosa. Claro que após tantos obstáculos, Nell tem seu final feliz.

Quando parti para os outros contos, fiquei um pouco decepcionada, pois só o primeiro e o último se passam em Paris, e quando iniciei a leitura achei que todas as histórias tivessem relação com a cidade. Ainda assim, foi interessante descobrir esse outro lado da autora. Os outros contos do livro são bem curtinhos, com cerca de quatro páginas cada, e apresentam um lado “mais real” da vida, em que nem tudo dá certo o tempo todo, nem tudo sai conforme o esperado. Continue lendo »

segunda-feira, 5 de junho de 2017

AVALIAÇÃO: 4/5 EDITORA: INTRÍNSECA, CORTESIA ISBN: 9788551001028 GÊNERO: ROMANCE, THRILLER, SUSPENSE PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 304 SKOOB

A viúva foi aquele livro que me conquistou pela sinopse, prometendo ser um thriller intenso e remetendo a temáticas já conhecidas de outras histórias, como foi o caso de “Garota exemplar” e “A mulher misteriosa“, também publicados no Brasil pela Editora Intrínseca. A parte gráfica do livro é algo que merece destaque, tanto pelo jogo de cores, envolvendo preto e azul na capa, mas também pelas páginas em tons escurecidos. Infelizmente, o que poderia ter se tornado o thriller do ano acabou pecando em vários aspectos.

Jean Taylor acabou de perder o marido e se torna o centro das atenções da mídia local. Afinal, todos querem saber se o marido era realmente um monstro, conforme diziam. Ao longo dos últimos anos, a mulher manteve muitos segredos para si, sem saber em quem podia confiar. Nunca se sentiu atraente, tinha baixa autoestima, até o dia em que Glen apareceu em sua vida. Aí tudo mudou.

Casou-se jovem e sua vida se resumia ao trabalho como cabeleireira. Sua vida não era muito movimentada como as de outras pessoas que conhecia, mas pelo menos ela tinha Glen. No início do casamento, tudo era perfeito, até o dia em que as coisas começaram a desandar. Jean não sabe bem o que aconteceu, mas quando menos viu, tudo mudou mais uma vez. E para pior. Agora que o marido morreu, só ela detinha a verdade dos fatos.

Digo primeiramente que não é a toa que a sinopse acima é meio confusa. Isso dá margem ao leitor para querer saber mais a respeito dos acontecimentos. E mesmo que houvesse mais informações, perderia a graça de juntar todas as peças do quebra-cabeça, como aconteceu comigo.

O ponto de partida da história é instigante e desperta interesse do leitor. Começamos no ano de 2010, com a morte de Glen e a recuperação de Jean. Em poucos capítulos, já voltamos ao passado para começar compreender o que realmente aconteceu para chegarmos à situação atual. E esse é o primeiro ponto que poderia ter sido algo positivo mas que no final das contas não alterou muita coisa no desenrolar história. Continue lendo »

quinta-feira, 25 de maio de 2017

AVALIAÇÃO: 3/5 EDITORA: INTRÍNSECA, CORTESIA ISBN: 9788551001226 GÊNERO: FICÇÃO CIENTÍFICA PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 352 SKOOB

Matéria escura nos conta a história de um homem que leva uma vida comum e feliz, mas se no passado ele tivesse feito outras escolhas, o seu presente e futuro seriam completamente diferentes. Jason é um físico que desistiu de uma carreira brilhante e tornou-se professor universitário, tudo isso para que pudesse estar ao lado da esposa e do filho que tanto ama. No entanto, durante seus anos de glória foi muito admirado por seus colegas, por ser dono de um intelecto formidável. Mas, como dito, ele desistiu de seus sonhos para constituir uma família, o que deixou outros personagens (não tão importantes) abismados e inconformados.

Numa noite em família, Jason é convidado por um antigo colega de faculdade para comemorar uma honrosa premiação. Convencido pela esposa ele sai para festejar, após conferir de perto o sucesso do amigo, nosso protagonista começa a se questionar de suas escolhas: se tivesse optado por outros caminhos, que rumo sua vida teria tomado? No retorno para casa, Jason é raptado por um homem mascarado e levado para um local a esmo. Após ficar inconsciente, ao acordar em um local desconhecido, ele percebe que sua vida não é mais a mesma, seu mundo se perdeu e a atual realidade é totalmente distorcida, ele não tem mais uma esposa e nem um filho, ele sente que tudo está fora do lugar, sua vida não lhe pertence mais, algo está errado e ele necessita descobrir o que está havendo, e rápido.

Neste contexto, nosso protagonista e narrador se desloca por várias realidades alternativas em busca de respostas e de sua família, são variados acontecimentos e diferentes desfechos. Matéria escura de fato tem um ritmo frenético e uma história insana, o livro teve muitas críticas positivas e elevada classificação. Mas, embora a história em si tenha sido muito bem desenvolvida e os poucos personagens bem construídos, o seu desfecho foi um tanto decepcionante, não manteve o ritmo e o nível da maior parte da narrativa, achei o final insatisfatório, mas não é um final ao certo, já que o desfecho poderia ter seguido outro rumo. Em se tratando de realidades/mundos paralelos, o desfecho deveria ter sido mais trabalhado e desenvolvido pelo o autor, os acontecimentos foram muito rápidos, o que acabou reduzindo consideravelmente toda aquela emoção que senti durante a maior parte da leitura.

Enfim, de modo bem resumido, o livro se trata de uma história de ficção científica regada a algumas doses de mistério, gênero que normalmente não leio, esse tipo de leitura apresenta situações improváveis, porém Blake Crouch nos leva a crer que tudo é possível. Em Matéria escura, Jason se vê diante de si mesmo, ele se coloca diante de distintas realidades e acaba sabendo de antemão o fim de cada uma, isso dá a ele o retorno de seus questionamentos e anseios, só não para o leitor. Continue lendo »