terça-feira, 5 de setembro de 2017

AVALIAÇÃO: 5/5
EDITORA: ARQUEIRO, CORTESIA
ISBN: 9788580416589
GÊNERO: ROMANCE, FICÇÃO REALISTA, JOVEM ADULTO
PUBLICAÇÃO: 2017
PÁGINAS: 288
SKOOB

Esse é o segundo livro da autora Nicola Yoon. Eu ainda não li o primeiro, “Tudo sobre todas as coisas“, que foi best-seller na lista do New York Times, mas isso já nos dá uma pista sobre o livro e sobre a autora: a preferência do público, as ótimas citações sobre ele e a expectativa da versão cinematográfica que foi lançada esse ano. Tudo isso do primeiro livro dela… imaginem o segundo!

Fato observável: não tem como não amar a escrita da Nicola Yoon! A poesia explica isso: os dispostos se atraem!

“Carl Sagan afirmou que, se você quiser fazer uma torta de maçã desde o início, precisa primeiro inventar o Universo.” 

O Sol também é uma estrela se passa em um único dia. O dia em que Natasha será deportada com sua família para a Jamaica. O dia em que Daniel terá que largar seus sonhos poéticos para se tornar o médico que o pai deseja que ele seja. E eles se levantaram para seus destinos. A cada passo que dão várias probabilidades se abrem para se tornar uma única história com várias histórias cruzadas.

Natasha decide ir até o advogado tentar desesperadamente que sua deportação seja revogada. Daniel vai para sua entrevista de admissão em Yale. Nesse meio tempo eles se conhecem. Daniel se apaixona de cara, não tem como negar: ele é uma poeta, é um romântico. Para ele, o acaso é uma obra linda do destino e os dois só se conheceram pois terão algo extraordinário. Natasha não acredita no amor: ela é uma garota da ciência, não há crença no acaso e nem destino. Só na ciência. Tudo acabaria nesse ponto, mas Daniel a desafia: ela vai se apaixonar por ele cientificamente. Alerta de spoilers: o Daniel é apaixonante! Continue lendo »


AVALIAÇÃO: 5/5 EDITORA: ARQUEIRO , CORTESIA ISBN: 9788580417036 GÊNERO: THRILLER, POLICIAL PÁGINAS: 332 PUBLICAÇÃO: 2017 SKOOB

Eu adoro um bom romance policial. E quando a Editora Arqueiro apresentou o livro O boneco de pano como um dos lançamentos desse ano, eu fiquei muito curiosa. Inclusive fui ao evento promocional do livro no Escape 60 (você pode dar uma conferida aqui!) E não tinha como não querer ler só de ver a instigante chamada da capa:

Um corpo. 
Seis vítimas.

Como assim?!

É assim: um corpo é encontrado, mas a deformidade dele é sobre ele ser composto por partes de seis corpos diferentes. Um “boneco de pano”. Muito medonho. Cada parte tem algo para que descubram quem era a vítima. E o pior é que o assassino entrega de mão beijada a lista das próximas seis vítimas e a data de suas mortes. O último nome é do detetive Wolf. Começa uma corrida contra o tempo.

Obviamente o detetive Wolf é escalado para fazer parte das investigações. Sua equipe é pequena em relação a quantidade de trabalho que precisa ser feito para garantir que as próximas vítimas fiquem em segurança. Eles têm a lista dos nomes da próximas vítimas, dois eles tem certeza de quem são, mas e os outros?! E o boneco de pano, ou seja, as outras seis vítimas, quem eram? Algo as relacionam? Como não deram falta dessas pessoas, já que o assassino teve tempo para matá-las, cortá-las, costurá-las e pendurar num apartamento vazio como se fosse uma vitrine?! Eu disse que era medonho.

Com dias e horas contados, Wolf e sua equipe se debruçam sobre o caso e mais mortes vão acontecendo de forma tão orquestrada que parece que o serial killer é mais do que um maníaco: ele é inteligente, elaborado, sagaz e não tem medo nenhum de se expor, tanto que ele tira fotos de acontecimentos e manda para a mídia ou para a equipe de investigação. Continue lendo »


AVALIAÇÃO: 3,5/5
EDITORA: ARQUEIRO, CORTESIA
ISBN: 9788580416459
GÊNERO: ROMANCE DE ÉPOCA, ROMANCE
PUBLICAÇÃO: 2017
PÁGINAS: 304
SKOOB

Dentre todos os Bedwyns, o que eu mais estava curiosa para conhecer a história era Wulfric, o duque de Bewcastle. Nos outros livros da série, pudemos conhecer um pouco sobre o personagem, sempre muito frio e sério, sem demonstrar muitas emoções. Ao contrário de seus irmãos, até os 35 anos ele não tinha dado nenhum indício de buscar uma esposa, muito menos de encontrar o amor. Por isso, quando recebi Ligeiramente perigosos para ler e resenhar, eu estava bastante ansiosa. Será que ele finalmente iria dar uma chance para a sua felicidade?

Comecei a leitura com muitas expectativas e de cara já gostei da nossa protagonista:  a viúva Christine Derrick, que parecia se envolver em milhares de confusões, mas sem perder sua essência e sem se curvar perante a sociedade. Claro que o par perfeito de Wulfric só poderia ser uma mulher que o desafiasse, o enfrentasse e o fizesse querer se tornar uma pessoa melhor. Ela é impulsiva e foge completamente aos moldes do que deveria ser uma duquesa. Seu jeito, aliado ao fato dela ser muito atraente, chama a atenção do duque.

Aos poucos, os dois vão se aproximando e passam a construir uma relação de amor e ódio. Nem Christine nem Wulfric percebem que em todos os momentos que passam juntos, algo bem maior do que atração está surgindo. Entretanto, como os dois são teimosos, não será nada fácil aceitar esse sentimento e dar uma chance para o que está por vir. Apesar de ter gostado muito do desenrolar da trama, confesso que achei que essa parte foi um pouco arrastada, o que me fez demorar bastante para engrenar na leitura e concluir o livro.

Apesar de algumas partes serem um pouco enroladas, é incrível ver a forma como Wulfric se transforma no decorrer do livro. Acho que “se transforma” não é bem a expressão, mas sim como ele “se redescobre” ao encontrar Christine. Ela fala que ele é tudo o que não busca em um marido – frio, sem coração. Para provar o contrário, ele se lembra que antes de ser o duque de Bewcastle, ele é Wulfric Bedwyn, uma pessoa que já teve muitos sonhos e que possui sim muitos sentimentos. Continue lendo »

quarta-feira, 7 de junho de 2017

AVALIAÇÃO: 4/5 EDITORA: ARQUEIRO, CORTESIA ISBN: 9788580417012 GÊNERO: ROMANCE PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 512 SKOOB

Essa é minha primeira leitura do autor Nicholas Sparks. Juro! Claro que já conheço as obras do autor por meio das versões cinematográficas. “Um amor para recordar” foi um filme chave na minha adolescência e não importava quantas vezes eu assistisse sempre chorava horrores. E “Diário de uma paixão”! Nossa! Não tem como não chorar nesse filme. Ou seja, pela experiência, sabe-se que sempre há grandes emoções em suas histórias.

Não é diferente com Dois a Dois (por favor, vire filme logo!). Russ é um cara dado ao romantismo. Praticamente desde criança acredita que é possível que uma garota se apaixone por ele só fazendo as coisas românticas na hora certa. É claro que na realidade não é bem assim e ele acaba tendo poucos relacionamentos. Mesmo assim ele encontra Vivian, uma mulher segura e linda com quem se casa e tem planos de ter uma família. Aliás, é assim que o livro começa: com uma gravidez.

O relacionamento de Russ e Vivian não é o mais comunicativo e compreensivo do mundo, mas na narrativa em primeira pessoa ele faz parecer que são dias de felicidade. Tudo se transforma com a chegada de sua filhinha London, pois Vivian não voltara a trabalhar para cuidar da filha, de forma que Russ começa a se sentir muito pressionado por manter a casa sozinho.

As coisas parecem começar a desandar. Na agência de publicidade em que trabalha as coisas não estão indo muito bem e Russ decide arriscar e abrir sua própria empresa. Em contrapartida, Vivian decide voltar a trabalhar. Há dois cercos na história: o primeiro é que o trabalho de Russ é autônomo e ele terá que cuidar de sua filha London, e o segundo é o constante envolvimento de Vivian com o seu trabalho, que precisa viajar e ficar fora durante muito tempo. Continue lendo »


Quem matou foi o mordomo?! Quem nunca desejou ser Sherlock Holmes, Clarice M. Starling, Hercule Poirot? Ou até mesmo seus ajudantes? E estar na cena do crime e desvendar tudo que aconteceu?

O que eu quero dizer é que quem é, assim como eu, apaixonado por romance policial, se deleita com um bom mistério, gosta de se envolver com a história, tenta resolver o enigma antes que o livro acabe e ainda não conhece o Escape 60′ está perdendo a oportunidade!

QUE COMECEM OS JOGOS!

A proposta é a seguinte: você escolhe o tema da sala e é trancado lá com seu grupo (de 4 até 16 pessoas, dependendo da sala). O relógio começa a contar: são 60 minutos. Nesse tempo você descobre pistas, abre portas, resolve enigmas… O objetivo final é sair da sala! É muita adrenalina, tensão e emoções à flor da pele. Ou seja: show de bola! Continue lendo »


AVALIAÇÃO: 4/5 EDITORA: ARQUEIRO, CORTESIA ISBN: 9788580413120 GÊNERO: NEW ADULT, ROMANCE PUBLICAÇÃO: 2014 PÁGINAS: 192 SKOOB

Na empolgação com o término do segundo livro e tendo o terceiro na minha estante, decidi emendar a leitura de  “Tentação sem limites” com Amor sem Limites. Por mais que o segundo livro tenha tirado um pouco do encanto que criei pela atmosfera apresentada por Abbi Glines, ainda assim pensei que possivelmente o terceiro livro salvaria um pouco isso. Havia uma tensão e uma certa expectativa pelo que viria.

Depois de tanto sofrerem para ficarem ao lado um do outro, Blaire e Rush podem, enfim, desfrutar da vida que tanto sonhavam. Prestes a ser casarem e terem o primeiro filho, Blaire e Rush querem a felicidade plena mais do que tudo. No entanto, não é o que a vida quer para ambos e os dois terão que enfrentar mais alguns obstáculos se querem realmente ficar juntos.

Da mesma maneira que os outros volumes, Amor sem limites possui uma leitura rápida, fluida e que envolve o leitor. Abbi traz uma linguagem tranquila e que cria uma certa tensão. No entanto, são os personagens e suas atitudes que me fizeram torcer o nariz algumas vezes. Conforme já havia mencionado na resenha do segundo livro, quando se lê uma trilogia você espera que os personagens amadureçam com o tempo. No entanto, não é o que acontece aqui. Algumas atitudes dos protagonistas já haviam me decepcionado um pouco no segundo livro e com esse só vieram a confirmar. É como se eles não conseguissem tirar aprendizado dos seus erros e fossem lá e fizessem tudo igual novamente. Além disso, a sensação que tive foi a de que sempre retornávamos para o mesmo ponto, como se a história não desenvolvesse da maneira que deveria. Continue lendo »


Avaliação: 4/5 Editora: Arqueiro, Cortesia ISBN: 788580412451 Gênero: New Adult, Romance Publicação: 2014 Páginas: 208 Skoob

Envolvido pela atmosfera de Rosemary Beach, ao terminar Paixão sem limites não hesitei em continuar a história de Rush e Blaire e ler o segundo livro da trilogia, Tentação sem limites. O intervalo de leitura entre um e outro foi curto, o que facilitou, pois tinha em minha cabeça muitos dos detalhes apresentados, o que influenciou no envolvimento com o segundo livro. Como afirmei na resenha de Paixão sem limites, o que mais me chamou a atenção na narrativa da autora foi a tensão que ela construía em torno dos personagens, além de uma certa sensualidade presente. E isso não faltou no segundo livro.

O ápice de Paixão sem limites é quando Blaire, se vendo perdida numa cidade onde não se sente parte, decide voltar para sua terra natal. Após apaixonar-se perdidamente por Rush, acaba descobrindo seu segredo, o que muda totalmente sua vida. Os dois tentam seguir suas vidas, mas sem muito sucesso. Todavia, quando menos esperam, o que era apenas para ser um recomeço acaba se tornando um pesadelo, pois algo que Blaire não esperava acontece e ela é obrigada a voltar a Rosemary, enfrentar seus inimigos e reencontrar Rush. Mas será que o sentimento que os une será mais forte que os segredos de seu passado

Tentação sem limites segue a mesma estrutura do anterior. Narrativa fluida, capítulos curtos e um número de páginas considerável e possível de se ler numa tarde. O que diferencia aqui é que a autora decide abordar dois pontos de vista: o de Blaire e de Rush, o que acaba tornando a história mais enriquecedora. Enquanto que no primeiro livro só tínhamos dimensão do mundo de Blaire, agora temos a do mocinho. Além disso, personagens cativantes do primeiro livro retornam nesse, tornando o envolvimento com o universo ainda mais próximo. Continue lendo »


AVALIAÇÃO: 5/5
EDITORA: ARQUEIRO
ISBN: 9788580413342
GÊNERO: ROMANCE
PUBLICAÇÃO: 2014
PÁGINAS: 272
SKOOB

Todo mundo sabe como são os livros de Nicholas Sparks. Emocionantes e cativantes. Foi assim com “A última música“, “Noites de tormenta” e “Um amor para recordar“. Não foi diferente em O melhor de mim.

Amanda Collier e Dawson se conheceram aos 18 anos e se apaixonaram perdidamente. Um amor digno de filme. Ela, rica, e ele, pobre. Duas pessoas de classes totalmente diferentes. Um amor mal visto pelos pais dela. As diferenças sociais acabam separando suas vidas. Ela decide fazer faculdade e ele muda de cidade.

Vinte e cinco anos depois, após o falecimento de Tuck, melhor amigo do casal, e que durante o romance acobertou os encontros entre os dois, Amanda e Dawson são obrigados a voltar para a cidade em que se conheceram e acabam se reencontrando. E, com isso, sentimentos antigos irão retornar. Mas será a mesma coisa? Ela, já casada, mãe de três filhos e com problemas no relacionamento com seu marido, Frank. Ele, solteiro, nunca esquecera seu grande amor.

Gostei bastante do livro, como gostei de todos os outros de Sparks. Histórias muito bem construídas, onde ele sabe equilibrar cada personagem, para que todos se tornem cativantes. Confesso que no começo não tive uma boa impressão do livro. Achei um pouco cansativo. Muita narração e pouco diálogo. E como eu lia basicamente de gota em gota, acabava se tornando chato. Realmente só consegui engatar no livro da metade em diante.

Amanda e Dawson são perfeitos Romeu e Julieta modernos. Diferenças sociais os separam, só que no caso deles, voltam a se reencontrar anos depois. A cena do reencontro deles é linda, o convívio de um final de semana muito bem exposto, quando eles recebem, cada um, a carta de Tuck, com uma espécie de conselho, aquilo que eles queriam ouvir ou entender naquele momento. Continue lendo »


Avaliação: 4/5 Editora: Arqueiro, Cortesia ISBN: 9788580416626 Gênero: Romance de época, Romance Publicação: 2017 Páginas: 272 Skoob

Simplesmente o paraíso é o novo livro da autora Julia Quinn publicado no Brasil. Ele é o primeiro da série “Quarteto Smythe-Smith“, que já foi inteiro lançado pela Editora Arqueiro. Quem leu a série “Os Bridgertons“, deve se lembrar que a família Smythe-Smith foi mencionada, na famosa apresentação anual do quarteto formado pelas moças da família. Aqui, nós conhecemos a história de uma das integrantes: Honoria.

No livro, temos um vislumbre de Honoria ainda quando criança, quando atormentava o irmão mais velho Daniel e seu amigo Marcus. Ela vivia atrás dos dois, apesar dos garotos sempre tentarem afastá-la. Anos se passam e os três já não são mais tão próximos. Daniel foi exilado do país por um erro que cometeu e Marcus tornou-se o conde de Chatteris, sempre muito atarefado. Já Honoria segue firme em sua missão de encontrar um marido para enfim deixar de se apresentar com o quarteto da família.

Ela ocupa o posto de violinista e sabe que é ruim no que faz, mas gosta dos ensaios e sabe que as apresentações fazem parte da tradição da família. A temporada em Londres está quase chegando, mas quando está de passagem por Cambridge ela reencontra Marcus, que já não via há algum tempo. Marcus, entretanto, não tirava o olho de Honoria, já que, antes de partir, Daniel confiou-lhe a missão de verificar a aprovar os pretendentes da irmã.

Após o reencontro, os dois se aproximam e, após alguns acontecimentos, Marcus adoece, o que faz com que Honoria ajude a cuidar dele, já que ele não tinha parentes próximos. Com o passar do tempo, os dois vão percebendo que possuem muito em comum e que os laços de infância podem se transformar em algo mais. Entretanto, o segredo que Marcus oculta de Honoria e o possível retorno de seu irmão Daniel podem balançar muito o rumo da história.

Assim como na série “Os Bridgertons“, Julia Quinn prova mais uma vez que sabe escrever romances de época. Esse livro não tem a mesma força e carisma de seus livros anteriores já lançados no Brasil, mas é um bom início de série e promete trazer, mais uma vez, personagens incríveis. Honoria é uma protagonista admirável, que acaba aceitando sua missão e fazendo de tudo para cumpri-la com louvor, ao mesmo tempo em que se mostra forte e dedicada para cuidar de um amigo próximo quando este mais precisa. Já Marcus é o mocinho honrado, que se prova digno de conquistar a protagonista e arranca alguns suspiros do leitor. Continue lendo »


AVALIAÇÃO: 5/5 EDITORA: Arqueiro, Cortesia ISBN: 9788580412208 GÊNERO: New Adult, Romance PUBLICAÇÃO: 2013 PÁGINAS: 192 SKOOB

Quando lançada no Brasil, pela Editora Arqueiro, a série “Rosemary Beach” causou um alvoroço no mundo da blogosfera, em meio a resenhas e comentários positivos acerca. A saga, que tem mais ou menos 20 livros, é dividida em trilogias e quadrilogias, dependendo dos núcleos de personagens. Paixão sem limites é o primeiro de uma trilogia ao qual não estava nos meus planos realizar a leitura, apesar de que, quando surgiu a oportunidade, dei a chance de conhecer. Em poucas horas, estava completamente apaixonado.

Blaire Wynn não teve uma adolescência normal. Ela passou os últimos três anos cuidando da mãe doente. Após sua morte, a garota é obrigada a vender a casa da família no Alabama para arcar com as despesas médicas. Agora, aos 19 anos, está sozinha e sem lugar para ficar. Então não tem outra escolha senão pedir ajuda ao pai que as abandonara. Ao chegar em Rosemary, na Flórida, ela se depara com uma mansão à beira-mar e um mundo de luxo completamente diferente do seu.

Para piorar, o pai viajou com a nova esposa para Paris, deixando Blaire ali sozinha com o filho da madrasta, que não parece nada satisfeito com a chegada da irmã postiça. Rush Finlay é filho da madastra de Blaire com um famoso astro de rock. Ele tem 24 anos, é lindo, rico, charmoso e parece ter o mundo inteiro a seus pés. Blaire sabe que deve ficar longe dele, mas não consegue evitar a atração que sente, ainda mais quando ele começa a dar sinais de que sente a mesma coisa.

Um fator positivo que facilitou a leitura e chamou a atenção de primeira é que os livros são finos, com menos de 200 páginas cada um. A narrativa de Abbi é direta e fluida, em alguns momentos lembra livros como os da Sarah Dessen e do Nicholas Sparks, principalmente por se passar no litoral e ter personagens jovens. Não menos importante, o que diferencia Abbi é a sensualidade que ela coloca nas palavras, como também nas situações em que os personagens se encontram.

Apesar da pouca idade, Blaire se mostra desde o início uma garota madura, o que me agradou de sobremaneira. Batalhadora e correndo atrás do que quer, Blaire cativa os leitores, que querem saber o que irá acontecer com a garota. Até que surge Rush em sua vida e ela vê seu mundo cair de cabeça para baixo. Como todo romance desse tipo temos o mocinho, aqui ele não foge à regra e é extremamente bad boy e charmoso. Continue lendo »