segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

AVALIAÇÃO: 5/5
EDITORA: INTRÍNSECA, CORTESIA
ISBN: 9788551001950
GÊNERO: INFANTOJUVENIL  
PUBLICAÇÃO: 2017
PÁGINAS: 272 
SKOOB

Faz tempo que tinha vontade de ler algum livro do David Walliams. Então aproveitei esse lançamento para fazer uma avaliação sobre o estilo do autor e adorei!

Os piores pirralhos do mundo está sensacional, começando pelo título que chama a atenção pela linda fonte toda em dourado e por ter o desenho do mundo na letra “O” da palavra “piores”, ficou muito bom! Além disso, alguns dos pirralhos estão na capa, deixando ainda mais divertido. Não posso esquecer de falar da lombada toda em dourado. Só discordei do chamariz utilizado na capa dizendo: “CUIDADO! Dez histórias assustadoras com…”, afinal as histórias não assustam, algumas são nojentas e ponto. Só se o assustar for entendido por algumas terem finais inusitados e serem histórias diferentes das que estamos acostumados. Resumindo, esse assustar não tem relação com coisas sobrenaturais, mas assustam por serem crianças muito desobedientes.

Abrindo o livro vemos diversas imagens de coisas sendo derrubadas, objetos jogados, animais amedrontados… Tudo isso nas capas internas e na folha com informações catalográficas, o que dá mais credibilidade à essas crianças terríveis.

Gostei de ter dois desenhos retratando o autor e ilustrador, aliás, esse último é Tony Ross, eu já conheço de outros títulos que li. Ainda antes de iniciar o livro, temos duas folhas de agradecimentos feitos pelo escritor, que coloca o nome de cada um a quem agradece e conta uma peripécia dessa pessoa durante a infância, super criativo. Acho que isso já resume que no final de tudo, cada um de nós já foi um pirralho terrível.

Continue lendo »

sábado, 30 de dezembro de 2017

Estamos quase em 2018, então vamos encerrar o ano vendo alguns títulos lançados pela Escrita Fina Edições, marca do Grupo Editoral Zit:

AVALIAÇÃO: 4/5 EDITORA: ESCRITA FINA, CORTESIA ISBN: 9788559090116 GÊNERO: INFANTOJUVENIL PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 24 SKOOB

Quem ficou encantada com esse livro foi minha filha que amaa <3 gatos. Acredito que ele arrebatará os corações de quem assim como ela morrem por um desses bichanos peludos.

A pequena Gabi, personagem dessa história, já sonhava com seu gato, antes mesmo de conhecê-lo, sonhos lindos e mágicos. Até que um dia o gato se torna real, físico. Que perfeito o encontro dos dois.

“Gato galgava galante os sonhos de Gabi… Governava suas noites com os melhores miados e magias. Mas eles ainda não se conheciam”.

A história é escrita por Hellenice Ferreira, ela trabalha com crianças da Educação Infantil e teve muita inspiração com esses pequenos. Martha Werneck é a responsável por essas fofíssimas ilustrações com técnicas em acrílico e óleo sobre papel, usou seu gato como modelo para essas belas ilustrações. O mais interessante é que tem uma foto de cada uma delas na terceira capa, com seus respectivos gatinhos, elas nem devem ter amado fazer esse livro, não é mesmo?

Na segunda capa do livro, lemos uma bela introdução mencionando gatos no decorrer da história, feita por Bethania Guerra de Lemos diretamente de Madrid.


AVALIAÇÃO: 3/5 EDITORA: ESCRITA FINA, CORTESIA ISBN: 9788559090161 GÊNERO: INFANTOJUVENIL, POESIAS PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 32 SKOOB

Todas as crianças vão adorar esse divertido livro, onde texto e ilustrações são de Mario Bag. O título já explica o conteúdo que vamos encontrar, treze histórias, todas no formato de quadrinhas, que nada mais são do que rimas compostas de quatro versos.

  1. Cigarrita e sauvina reconta com graça e com direito a final feliz, a fábula clássica da cigarra e a formiga.
  2. A serenata nos mostra que ainda existem homens românticos, mesmo que existam também amadas cansadas e sonolentas.
  3. A final universal é um jogo de futebol entre asteroides e cometas, onde nosso astro-rei está interessado em saber quem será o campeão.
  4. Festa no céu também nos mostra em forma de poesia parte dessa conhecida história.
  5. Disco antigo exibe o poder da música e de uma boa dança.
  6. Papo de jacaré, será que a capivara cai na lábia do cascudo?
  7. Comida de rua quem resiste a tantas opções de lanches na rua?
  8. Passional kid (o herói apaixonado) o que é capaz de separar um amor espacial? O tirano Zorg vai tentar.
  9. A mariposa Mary se apaixona por um doido pintor.
  10. Noivado de caracol como dar certo? Cada um tem sua casa própria e agora?
  11. Máquina do tempo revela um aluno que quer se dar bem nas aulas de ciências. Será que dará certo?
  12. A ave muda que apesar de não cantar, encanta todos com seu saxofone.
  13. A grande atração um dono de um circo procurava, mas por impaciência perdeu o homem voador.

AVALIAÇÃO: 4/5 EDITORA: ESCRITA FINA, CORTESIA ISBN: 9788559090154 GÊNERO: INFANTOJUVENIL, HISTÓRIA BRASILEIRA, POESIA PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 88 SKOOB

Já li alguns livros com ilustrações bordadas e considero um trabalho espetacular, é puro êxtase observar o que uma agulha, paciência e talento são capazes de fazer.

Esse livro foi idealizado por Marcela Fernandes de Carvalho, que depois de tantos anos contando histórias para crianças e para a própria filha, nos deu a oportunidade de conhecer um texto só seu.

O livro é uma mescla de narrativa e poema. No meio da história narrada sobre o confronto entre o Coronel Rodolpho Fernandes, prefeito de Mossoró e Virgulino Ferreira da Silva, o cangaceiro Lampião, Marcela vai contando para à filha a história antes de dormir e ela vai também poetizando através de quadrinhas.

“Menina, seu terceiro avô

Foi herói de uma história.

Nacidade onde morou,

Conquistou uma grande glória”

Esse conflito aconteceu na cidade de Mossoró, no Estado do Rio Grande no Norte, é especial não apenas por ser verídica, já que o confronto realmente aconteceu, mas também pelo fato principal do Coronel Rodolpho ser nada menos do que bisavô de Marcela.

Essa história é recontada anualmente na festa “Mossoró Cidade Junina”, por meio de um musical chamado de Chuvas de Bala no país de Mossoró“, nem preciso dizer que fiquei super curiosa para assistir.

Ler sobre essa aventura é maravilhosa, ainda mais disponível desse jeito tão brasileiro, com poesia e bordado.


AVALIAÇÃO: 4/5 EDITORA: ESCRITA FINA, CORTESIA ISBN: 9788559090185 GÊNERO: INFANTOJUVENIL, POESIA, BIOGRAFIA PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 24 SKOOB

“Era um vendedor

De sonhos;

Sonhos desses de padaria.

Saía ele 

Todo dia

A vender sonhos

Pela cidade…”

O professor e escritor dessa interessante biografia é Alexandre Azevedo, que tem mais de 120 livros publicados. Ele nos conta sobre a infância de Machado de Assis nas ruas cariocas vendendo sonhos no tabuleiro, sonhos esses que eram feitos pela madrasta, dona Maria.

Quando a gente começa a se entusiasmar com a história, ela acaba, nos deixando muitas indagações. Lógico que Alexandre preencheu essas dúvidas com um texto de uma página e meia sobre detalhes importantes da vida do grande Machado, como quando parou de estudar por precisar vender os sonhos, por causa da morte do pai.

A história é contada através de poesia e das lindas gravuras de Rubem Filho. A fonte usada na história também é bem diferente, dá uma sofisticação à história. Um detalhe da capa que gostei bastante foi ela ser toda fosca, com exceção do pequeno menino, todo brilhoso.


AVALIAÇÃO: 5/5 EDITORA: ESCRITA FINA, CORTESIA ISBN: 9788559090192 GÊNERO: INFANTOJUVENIL PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 48 SKOOB

Esse livro é uma fofura!

Odorico era um menino quieto, sempre sentado embaixo de um pé de goiabeira ao invés de brincar de carrinho de rolimã, jogar futebol, pescar, tomar banho no açude, pescar, pular muro ou tantas outras aprontações que os meninos perto dele faziam.

“Que coisa era aquela de tanto se preocuparem com ele? Só porque não era de muitos amigos? “Mas amigo é a melhor coisa que existe na vida, filho. Vai brincar com os meninos na rua!”, o pai dizia. O menino ficava só olhando. Lá dentro do peito, bem no fundo, achava que ter amigo devier ser muito bom. Mas… e se ninguém gostasse dele?”

Mas Odorico era mais do que simplesmente um menino quieto, ele vivia com uma tristeza sem explicação. E para o desespero dos pais, não tinha jeito que fizesse a tristeza passar, nem quando foi morar com o padrinho na cidade grande, até o nascimento do porquinho Curico, que desabrochou algo no coração do menino.

Gostei muito dos cabelos das crianças, que são feitos com papel jornal e se reparar bem, as palavras escritas estão relacionadas com os sentimentos ou ações dos personagens naquele momento, muito bonitinho.

Esse livro foi feito com carinho, feito todinho pela Mirna Brasil Portella, texto e ilustração. É um livro lindo que nos ensina como é importante para uma criança ter um bichinho de estimação.


AVALIAÇÃO: 5/5 EDITORA: ESCRITA FINA, CORTESIA ISBN: 9788559090178 GÊNERO: INFANTOJUVENIL, POESIA PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 24 SKOOB

O protagonista da história é o camaleão e ele está se preparando para um encontro. Mas com que roupa ele vai?

“Que cor pôr em meu corpo

Compondo a roupa do encontro?

Encontro todas as cores do mundo

E, em um segundo, estou pronto.”

Em cada página o camaleão arrasa na apresentação. A história é encantadora. A capa é bastante criativa, quando toda aberta, forma o camaleão com a língua quase alcançando uma borboleta.

Dois amigos se unem para fazer esse livro infantil, André Vargas é o poeta das letras e Luiz Silva das ilustrações.


AVALIAÇÃO: 5/5 EDITORA: ESCRITA FINA, CORTESIA ISBN: 9788559090123 GÊNERO: FICÇÃO BRASILEIRA, CONTOS, TERROR PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 136 SKOOB

Eis uma capa de livro que conquista pelos sentidos, além de ter um título propício ao tema contos de suspense e terror, está muito bem diagramada por diversos motivos: fonte usada na capa e seu relevo, mão sinistra que derrama um filete de sangue, a capa lembra papel carmin com um toque aveludado.

As orelhas do livro tem palavras como: anjo, demônio, dom, maldição, morte, vida, paraíso, inferno, sombra, luz, oração… combinam perfeitamente com os contos.

São 12 contos, seis de cada um dos autores que vão sendo apresentados intercaladamente. Além de ter um sumário mostrando cada conto e seu respectivo autor, durante a leitura, nas páginas da esquerda é indicado se são … Da Helena …Do Secatto.

Os cenários, personagens e período histórico são bem variados, podem acontecer num mosteiro; cemitério; casa comum; biblioteca; East End em Londres; Alentejo em Portugal…  Ou seja, uma história de terror não tem hora, nem lugar para acontecer…

Os contos são excelentes, difícil escolher um como predileto, porque vários me surpreenderam em algum aspecto, seja na forma como foram construídos ou finalizados. Elegi o conto “A noiva” da Helena Gomes e “O guardião” de Osvaldo Secatto para mencionar.


Este slideshow necessita de JavaScript.


Qual livro você leria?

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Estamos no final de 2017 e é muito bom poder trazer para vocês alguns livros lançados pela Zit Editora e que recebi neste segundo semestre para avaliação:

AVALIAÇÃO: 4/5 EDITORA: ZIT EDITORA, CORTESIA ISBN: 9788579331183 GÊNERO: INFANTOJUVENIL, FÁBULA, LIVRO-IMAGEM PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 40 SKOOB

Este livro me surpreendeu primeiramente pelas belíssimas ilustrações da paulistana Taisa Borges. A capa, contracapa e orelhas formam uma ilustração gigante horizontalmente. Até mesmo as capas internas estão com penas em lindos tons de azul.

Fiquei admirada, não por saber que se tratava de um livro-imagem, que é um gênero que já gosto bastante, mas em saber que Taisa recontava uma fabula de ninguém menos que Leonardo da Vinci, realmente desconhecia esse talento desse homem multi-habilidoso.

Por também desconhecer a fábula, foi muito interessante observar as imagens. A história é entendida de forma clara, inclusive algumas sequências de imagens ressaltam alguns pontos, dando ênfase a essa narrativa sem palavras.

A águia e a coruja é uma fábula que nos ensina que nem sempre o animal mais bonito e mais forte é o vencedor, afinal cada um tem suas próprias habilidades.


AVALIAÇÃO: 4,5/5 EDITORA: ZIT EDITORA, CORTESIA ISBN: 9788579331077 GÊNERO: INFANTOJUVENIL, CULTURA INDÍGENA PUBLICAÇÃO: 2016 PÁGINAS: 40 SKOOB

O livro se inicia com um diálogo interessante entre dois garotos que estão correndo, pela ilustração percebemos que correm pela mata. O jovem Kupai narra o que aconteceu no dia em que viu o sol se banhar no rio. Ele e Dum, que fazem parte do povo Wapichana subiram até a Laje do Trovão, parte mais alta e perigosa da região, achando que ninguém notaria a façanha. Por consequência cada um precisou fazer um tipo de trabalho na aldeia… Apesar do castigo, Kupai sabia que tinha valido a pena ver tamanho espetáculo e inúmeras perguntas já se formavam em seu imaginário infantil.  Como solucionar tantas dúvidas?

Através de uma história antes de dormir, o pai busca alertar as crianças a não fazerem de novo uma aventura tão perigosa, porém ao mencionar a tal “boca da noite”, Kupai ficou ainda mais curioso em desvendar mais uma porção de dúvidas que continuam a surgir em sua mente.

Esse livro está realmente muito bonito, a história é encantadora e nos aproxima da cultura indígena do povo Wapichana, Kupai é apaixonante, aliás que criança curiosa não é?

O livro é de Cristino Wapichana, ganhou menção honrosa no Concurso FNLIJ / UKA Tamoios de Textos de Escritores Indígenas 2014.  A FNLIJ eu já conhecia, pois é a Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil. E a UKA conheci através de uma pesquisa, é uma instituição, chamada de Casa dos Saberes Ancestrais.

As ilustrações completam com perfeição a obra, estão de um colorido tão lindo e intenso que consegue transmitir  a beleza sem igual das matas brasileiras. Os créditos são de uma ilustradora já conhecida por mim, a Graça Lima, ela já ilustrou mais de cem livros.


AVALIAÇÃO: 5/5 EDITORA: ZIT EDITORA, CORTESIA ISBN: 9788579331152 GÊNERO: INFANTOJUVENIL, PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 48 SKOOB

Dos seis livros que recebi da Zit, sem dúvida esse é o meu predileto. Que história linda! Aborda de uma forma tão delicada e sutil o tema morte e saudade. Quando perdemos entes queridos, nosso coração é capaz de congelar, de uma forma que às vezes nem os familiares próximos são capazes de preencher o vazio e aquecer nossa alma, por mais que tenham boa vontade para isso. E é exatamente isso que acontece com o personagem do livro, chamado simplesmente de menino.

A diagramação está minimalista e isso deixa o livro perfeito. Os textos são curtos e estão sempre em azul, se mantendo centralizados e sempre nas páginas à esquerda. As páginas são brancas como a neve e as ilustrações ficam nas páginas à direita. A capa tem floquinhos de neve em relevo, uma graça.

Fiquei muito curiosa em ler outros títulos da Leticia Sardenberg, esse é o terceiro livro dela pela Zit. As ilustrações lindas são de Alexandre Rampazo que já ilustrou mais de 50 livros e escreveu algumas obras, que também me interessei em conhecer. Parabéns a ambos por esse livro, ficou um resultado bacana. Final maravilhoso!


AVALIAÇÃO: 3,5/5 EDITORA: ZIT EDITORA, CORTESIA ISBN: 9788579331169 GÊNERO: INFANTOJUVENIL, POEMAS, FOLCLORE PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 40 SKOOB

Cafofo do Remelexo me surpreendeu pela criatividade. Ele é apresentado todo em versos rimados, cada página da direita contém uma estrofe, sempre com quatro versos e o restante do espaço é completado com divertidas ilustrações de Júlio Carvalho que mostram uma mistura muito interessante entre:

* Personalidades brasileiras (Monteiro Lobato, Luis da Câmara Cascudo);

* Personagens conhecidos de nosso folclore (Saci, Curupira, Iara, Boto, Bumba Meu Boi, Boi da Cara Preta, Caipora, Mula Sem Cabeça, Lobisomem, Cuca, Mapinguari, Anhangá, Velho do Saco);

* Personagens que eu não conhecia (Matintapereira, Pé de Garrafa, Corpo-Seco);

* Personagens e lendas não exclusivos do Brasil, mas também de outros lugares do mundo (Pedro Malasartes, Mulher de Branco, Loura do Banheiro, Bicho-Papão);

*  Ditos populares (Moça Bonita e Macaco Velho);

* Pratos e alimentos típicos brasileiros (siri, caranguejo, cocada, quebra-queixo, baião de dois, acarajé, guaraná);

* Ritmos e instrumentos musicais (xote, maxixe, forró, triângulo, acordeão, baião).

Outro fato interessado é ele ter sido escrito por três pessoas, o jovem Thiago Costa de 17 anos, sua mãe Andrea Taubman e o carioca Marcelo Pellegrino. Fiquei curiosa pela publicação subsequente “Almanaque do Cafofo do Remelexo”, onde nós seremos os autores de nosso próprio livro.


AVALIAÇÃO: 4,5/5 EDITORA: ZIT EDITORA, CORTESIA ISBN: 9788579331213 GÊNERO: INFANTOJUVENIL,  PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 32 SKOOB

Através desse livro conheci Luciana Greether. O que achei interessante em sua carreira, foi saber que a abertura de uma antiga novela Global foi desenhada por ela, Joia Rara. Não sabia que no período da novela, houve o lançamento de um livro online chamado de A vida de Buda, apesar de não acreditar no budismo, achei lindo a ideia de livro animado, onde partes da ilustração se movem e ouvimos sons e melodias musicais.

Marinela é um livro com uma linda história e com belas ilustrações em tons de amarelo, todinho feito pela Luciana.

Pelas ilustrações percebemos que Marinela vive numa casa simples, em alguma pequena cidade brasileira, junto com sua avó Joralda e tia Antoninha. Em versos rimados acompanhamos o cotidiano dessas mulheres, os bordados, o pilão…

Marinela aproveita bem sua vida, se diverte em meio a fogueiras, versos de improviso, idas ao poço da ribeira, mas nunca esquece o que sua avó e tia disseram, que um príncipe chegaria para se casar com ela.

A autora está de parabéns pela riqueza de detalhes, esse é um livro que valoriza nossa cultura.


AVALIAÇÃO: 4,5/5 EDITORA: ZIT EDITORA, CORTESIA ISBN: 9788579331121 GÊNERO: INFANTOJUVENIL, LENDAS PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 80 SKOOB

Esse livro com nome comprido Uma história dentro da outra e lendas do Rio Doce foi uma feliz e gostosa surpresa. Ele já havia me cativado pelos olhos, através das lindas ilustrações do quase nonagenário Flávio Colin, mas o texto de Geny Vilas-Novas me deixou imaginando claramente sua infância, afinal ela relembra através desse livro suas férias no Sítio de Cima.

Geny e sua irmãzinha vivem deliciosos momentos com o Pai João, Mãe Maria, Vovó Carolina e Vovô Afonso, depois junta-se a eles o primo Paulinho. Subidas sem fim ao imenso ipê-amarelo, tudo para se aconchegar dentro da casinha com teto de vidro com mirante feita por Pai João, que estava acima das demais árvores do pomar.

“Do alpendre do Sítio de Cima, avistavam-se as pastagens, a cachoeira Escura e o rio Doce. Do jirau, enxergava-se o mundo: a floresta Amazônica, a África, o Japão, os cangurus da Austrália. E da copa do ipê-amarelo? Ah, da copa do ipê-amarelo, contemplávamos as galáxias!”

Dentro dessa história tão aconchegante, a criançada sempre pedia para que os adultos contassem histórias, eram as lendas do Rio Doce, que fazem parte da cultura local:

O filho do caçador – O capeta e o tijolo – Gato-Preto – Zabelinha – A roça do João – Compadre Donato – O peixe de escamas de ouro – Cabritinho de ouro – O ganso de ouro

Das nove lendas narradas no livro, gostei bastante de duas: O filho do caçador e Zabelinha. A primeira nos ensina a não agir por impulso e acreditar no poder da lealdade e Zabelinha também nos ensina sobre lealdade, mas que às vezes não valorizamos, principalmente quando nos iludimos com outras coisas. São histórias interessantes e até divertidos apesar de algumas terem finais trágicos ou inusitados. Fiquei com vontade de ler outros livros da autora.


Este slideshow necessita de JavaScript.


E você qual livro mais gostou? Qual leria?

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Toda criança ama histórias! E esse universo pode ser apresentado através de adultos que leem para elas, que presenteiam com livros ou que leem para si próprios dando um exemplo que a criança certamente irá copiar. Cada um de nós leitores adultos, carrega recordações da infância sobre o tema. Quais ou qual livro marcou os tempos de criança? Alguns de nossos colunistas aqui do Viagens de Papel contam suas experiências literárias na infância:

Camila Tebet

“O menino do dedo verde”, de Maurice Druon, marcou a minha infância pois foi um dos primeiros livros que ganhei de presente dos meus pais. Na época, tinha um significado muito especial, pois Tistu, além de ser o nome do personagem principal da história, era também o nome do jardim de infância onde eu estudava, minha primeira escola, que tanto contribuiu para minha formação. O livro fala sobre educação e sobre transformação. Sobre o quanto cada um é capaz de contribuir para um mundo melhor por meio de suas ações. É uma história linda, que fala sobre diversos valores e questiona padrões da sociedade. Vale a pena conhecer!

Continue lendo »

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

AVALIAÇÃO: 5/5
EDITORA: COMPANHIA DAS LETRINHAS, CORTESIA
ISBN: 9788574066820
GÊNERO: INFANTOJUVENIL
PUBLICAÇÃO: 2017
PÁGINAS: 80 SKOOB

Escolhi o recém lançado O Lórax, da Companhia das Letrinhas, por já ter assistido ao filme homônimo em 2012.

Para quem não conhece o filme, aliás, nem eu lembrava de muitos detalhes, ao iniciar a leitura sentirá certa estranheza com a história. Ela é parcialmente rimada e, não sei se por causa da tradução, nem sempre em versos curtos.

Por meio das ilustrações, vemos um menino que saiu da cidade e está indo em direção ao logradouro de Lórax, porém ao chegar no local onde Lórax vivia, encontra Erumavez, único que será capaz de explicar e responder todas as perguntas que o menino poderá vir a fazer, porém, antes é preciso efetuar o pagamento: um prego, uma moedinha e a conchinha do ta-ta-ta-taravô do caramujo. Depois disso, do alto de sua loja/casa, através do Segredofone, das sombras ele sussurrará toda a história.

A partir desse ponto do enredo, tudo começa a fazer um pouco mais de sentido para o leitor, Erumavez conta que muito muito tempo atrás, encontrou um lugar lindo, com muitos animais, um verdadeiro paraíso, cheio de árvores cabeludas e coloridas, chamadas de Trúfulas. Ao sentir a maciez de uma Trufulárvore, Erumavez tem uma grande ideia, derruba uma única árvore e rapidamente tricota uma Nãocessidade. Nesse momento, eis que do tronco cortado surge uma espécie de homem, baixinho, velhinho, musgosinho, o Lórax, um protetor, que em nome das árvores conversa sobre ganância, tentando dissuadir Erumavez.

Foto: Nara Dias/Viagens de Papel

Continue lendo »

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Hoje vamos conhecer três livros infantojuvenis da Zit Editora lançados recentemente. Tem como falar mal deles? Impossível! Não me canso de repetir sobre a qualidade editorial de todos os títulos que já recebi deles. Enfim, vamos as nossas dicas:

AVALIAÇÃO: 4/5
EDITORA: ZIT EDITORA, CORTESIA
ISBN: 9788579330841
GÊNERO: POEMA, POESIA, INFANTOJUVENIL
PUBLICAÇÃO: 2017
PÁGINAS: 40 SKOOB

Jardim de bichinhos, esse título lindíssimo é da carioca e professora de Sala de Leitura do Município do Rio de Janeiro, Sandra Lopes. Ele se destaca pelo tamanho, 24×29 cm, e sua belíssima capa em tons de verde e amarelo. Por dentro, existem grandes orelhas que, quando totalmente abertas, mostram um imensooooo jardim. Já na parte interna, vemos diversos vasinhos, cheinhos de plantinhas. Cada página antes da história tem detalhes encantadores.

Em meio a folhas, plantas, árvores e muitos bichinhos presentes corriqueiramente em jardins, vemos belíssimas ilustrações com “zilhões” de letrinhas mescladas aos desenhos, como letras saídas de uma máquina de datilografia. O que mais me admirou no trabalho da paulistana Camila Carrossine foi sem dúvida a história que as imagens contam e que não estão reproduzidas em palavras, como se fossem dois livros em um.

O livro nos apresenta 14 poemas, iniciando com “No Jardim“, em seguida,  os títulos ganham o nome de cada bichinho do jardim, que é destacado por um poema especial: “Formiga“, “Cigarra“, “Minhoca“, “Caracol“, “Grilo“, “Joaninhas“, “Aranha“, “Libélula“, “Beija-flor“, “Borboleta” e “Louva-deus“. O poema final mostra o “Bicho poeta“. Todo o texto está em fonte de máquina de escrever, ficou bem diferente e combinou com todo o visual.

Através das ilustrações, deduzimos que dois irmãozinhos vão passar talvez um final de semana com o avô, e a partir daí desvendam o mundo que existe dentro de seu jardim. Após todo um dia inteiro de descobertas, ao final as crianças brincam felizes, já é noite, enquanto que o bicho poeta, ou seja, o avô, está sentado na máquina de escrever terminando os poemas. Perfeito! Super recomendado!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Continue lendo »

terça-feira, 20 de junho de 2017

AVALIAÇÃO: 4/5 EDITORA: CIA DAS LETRINHAS, CORTESIA ISBN: 9788574067537 GÊNERO: INFANTOJUVENIL, CLÁSSICO PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 60 SKOOB

Como posso descrever essa história? Triste! Até pensei na palavra comovente, mas acima de tudo, triste!

Saber que a obra é um clássico infantojuvenil de 1964, sem dúvida me fez optar pela leitura desse título. Traduzido por um grande escritor brasileiro, Fernando Sabino, e relançado pela Companhia das Letrinhas, temos em mãos uma edição de capa dura, com páginas em branco,  textos e ilustrações em preto.

O americano Shel Silverstein, autor e ilustrador do clássico, era também poeta, músico, cantor e compositor, além de ter escrito algumas peças teatrais e roteiros de cinema.  Faleceu em 1999, aos 66 anos.

Deparei-me com um resumo que perfeitamente descreve o que encontramos nessa história:

“A história de amor entre uma árvore e um menino. A árvore é a amiga amorosa que dá tudo ao menino, suas folhas, seus frutos, sua sombra. O menino também ama a árvore, a grande companheira de todos os dias; sobe em seu tronco, se pendura nos galhos, brinca de esconde-esconde. Até que vai crescendo, se torna adolescente, depois adulto. E, pouco a pouco, deixa a amiga de lado. ‘Estou grande demais para brincar’, diz o menino, que então precisa de dinheiro para comprar ‘muitas coisas’. A árvore fornece suas maçãs, para o jovem vender. Depois seus galhos, para o homem construir sua casa. E a história acompanha o passar do tempo até a velhice do homem – que até o fim, já bem velho e cansado, é chamado de menino pela árvore. Em primeiro plano, uma lição de consciência ecológica – o homem pequeno, mesquinho, frente à generosidade e a força da natureza. No entanto, a dinâmica que se vê entre o menino e a árvore mostra também a passagem do tempo e dos valores que são reavaliados com ela, numa relação de troca sincera e desinteressada – essa que o homem parece desaprender nas exigências da vida adulta.”

Este slideshow necessita de JavaScript.

Continue lendo »

segunda-feira, 19 de junho de 2017

AVALIAÇÃO: 4,5/5 EDITORA: GLOBINHO, CORTESIA ISBN: 9788525063892 GÊNERO: CONTOS, INFANTOJUVENIL, CLÁSSICO PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 208 SKOOB

Monteiro Lobato não apenas faz parte da história da literatura infantojuvenil nacional como teve papel fundamental na evolução dela a partir da criação de suas obras.

Esse ano, o selo Globinho, da Globo Livros, lança a 4ª edição do livro Fábulas, no entanto a primeira publicação foi feita quase cem anos atrás, em 1922, e os protagonistas são os tão conhecidos personagens do “Sítio do Picapau Amarelo”.

A proposta do livro é bastante interessante. Após um gigantesco sumário de três páginas e a apresentação do livro por Ilan Brenman, a narração começa com a primeira fábula: “A cigarra e as formigas“. Depois disso, destacada e em itálico aparece a moral da história, e ao fim, lemos comentários dos personagens. Dessa forma é possível perceber que todos estão ouvindo Dona Benta contar ou inventar cada uma das 74 fábulas apresentadas.

Sabemos que cada ouvinte tem uma reação e faz diferente interpretação das histórias, tornando esse modo de contar fábulas muito envolvente, além disso, saber a opinião da turminha do Sítio é extremamente divertido.

Dessas 74 fábulas, algumas são conhecidas, outras parecidas… Nem todas ganharam uma ilustração, porém algumas têm até três desenhos diferentes. Ao todo são mais de 60 ilustrações assinadas pelo também paulistano Alcy Linares. Aliás, a diagramação do livro está excelente, muito convidativa.

Senti muita falta de um glossário, ainda mais para que fosse possível que o jovem leitor consultasse e desse rápida continuidade à leitura. Porém, não tendo glossário, uma ótima alternativa para o professor seria trabalhar as fábulas com os alunos em sala de aula, talvez lendo uma por dia e estimulando a busca pelos significados das palavras desconhecidas, como: repinicar; togado; neurastênico; gabola; encangado; catrapus; finório; beócios; carreiro; igualha; bruaca; usurário; intrujão; patarata; propalar; ventrudo… De forma diferente, duvido que o jovem leitor tivesse a paciência de procurar por si só cada significado.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Continue lendo »


AVALIAÇÃO: 5/5 EDITORA: COMPANHIA DAS LETRAS, CORTESIA ISBN: 9788535928464 GÊNERO: INFANTOJUVENIL, CLÁSSICO PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 270 SKOOB

O que mais influenciou minha cuidadosa escolha por esse título foi o fato de ser considerado uma obra-prima da literatura infantojuvenil mundial e eu não ter nem ouvido falar. Essa decisão foi primorosa, fazendo com que entrasse para minha lista de “melhores livros lidos”.

Todos os dias depois das aulas matutinas, os meninos da rua Paulo almoçam em suas respectivas casas e correm para se reunir no grund e jogar pelada. Porém, o que parece ser apenas uma reunião de garotos sem nada de mais importante para fazer, é na verdade um lugar com hierarquia, regras, diversão e princípios.

Entretanto, quando o lugar é invadido por Chico Áts, um adversário do grupo, Boka, o presidente e capitão dos meninos da rua Paulo, resolve partir com dois colegas rumo ao Jardim Botânico, determinado a deixar um recado escrito aos rivais, os camisas-vermelhas. Esse ato que por pouco não acaba frustrado, culmina no clímax do livro, a disputa pelo grund.

Escrito pelo húngaro Ferenc Molnár, o original foi publicado 110 anos atrás (1907), por esse motivo precisei interromper algumas vezes a leitura para procurar o significado de alguns termos: abecar, usurário, azáfama, estenografia, janota, betume… A edição possui um glossário ao final do livro que contribuiu bastante, porém minhas dúvidas foram um pouco além das palavras ali disponibilizadas, como: caniço, insólito, caluda, tacanho, moção, estertorar… Em contrapartida, foram muito úteis as notas de rodapé feitas por Paulo Rónai.

A capa está excepcional, as cores, fonte e, sem dúvida, os quadrinhos, que mostram desde o momento da decisão de Boka em ir até a ilhota no Jardim Botânico, até o desfecho do plano sendo posto em prática.

“Absolutamente. Nem mesmo faremos coisas semelhante ao que fez Chico Áts quando nos arrancou a bandeira. Nós nos limitaremos a mostrar-lhes que não temos medo deles e temos coragem de penetrar no lugar onde eles se reúnem e guardam as armas. – João Boka”

Continue lendo »

segunda-feira, 17 de abril de 2017

AVALIAÇÃO: 5/5 EDITORA: INTRÍNSECA, CORTESIA ISBN: 9788551000366 GÊNERO: INFANTOJUVENIL PUBLICAÇÃO: 2016 PÁGINAS: 40 SKOOB

Estava muito ansiosa pela chegada desse livro, por já ter ouvido muitos elogios sobre a escrita da italiana Elena FerranteUma noite na praia é voltado para o público infantojuvenil e fiquei triste por serem apenas 40 páginas, a vontade de ler outros textos da autora só aumentou.

Ao folhear as páginas da obra, minha  filha de 10 anos demonstrou certa preocupação ao se deparar com as ilustrações da também italiana Mara Cerri. Ela me confidenciou ter achado os desenhos um tanto sinistro. Realmente, estão todas em tons escuros: preto, azul, vermelho, cinza e marrom, mas casaram terrivelmente com o texto, destacando os pontos altos da história.

O exemplar é pequeno, fino, uma ótima apresentação, um convite para ser lido imediatamente. As orelhas gigantes deixam a obra ainda mais atrativa e bem acabada.

A história é contada por uma boneca, que inicia a narrativa pormenorizando o modo como é esquecida na praia. Depois de ficar exposta ao sol brincando com sua dona de cinco aninhos, Mati, o pai da garota vai buscá-la na praia e lhe dá um gato de presente, Minu. Distraída com o animal, a menininha esquece a boneca meio soterrada na areia pelo irmão de Mati.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Continue lendo »