quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Origem e armas para resistir e sobreviver

Ainda no clima do Halloween e dos eventos que já estão bombando ou vão bombar as cidades, vamos falar um pouquinho de uma figura do folclore moderno: the zombies!

Antigamente eram considerados trash’s e agora são celebrados como os grandes vilões na literatura e no cinema. Sim!  Mesmo sem dizer uma única palavra, mesmo não tendo um zumbi que você reconheça o ator, mesmo eles não tendo nomes… (Os zumbis raiz, não os Nutella, rs)

Tudo começou em 1932 com Victor Halperin dirigindo o longa Zumbi Branco, onde uma das principais teorias sobre zumbis nasceu: baseado no vodu e em cultos religiosos com rituais de possessão.

Reza a lenda que haviam feiticeiros que nutriam a fama de serem capazes de dar vida aos cadáveres e, já que tinham esse poder, ao voltar a vida trabalhavam para seu mestre. Essa magia foi desmascarada quando descobriram o que ocorria: os feiticeiros juntavam vários itens entorpecentes e ‘aplicavam’ na vítima que tinha uma brusca perda de consciência e paralisia. Tanto que a vítima era dada como morta. Depois o feiticeiro ia buscar a vítima no cemitério e a convencia de que ele a reanimou, tornando-a um zumbi, ou seja, sua escrava.

Pois é… Uma doideira isso tudo não? Mais doideira mesmo é ter casos registrados no Haiti (onde a religião afro-haitiana tem como uma de suas crenças a reanimação dos mortos) de pelo menos uma pessoa que havia morrido, mas foi vista anos depois por familiares. Caso verídico! Os zumbis de Victor Halperin já andaram sobre a Terra!

Voltando para literatura e o cinema: demorou consideráveis 30 anos para que a história tomasse outros rumos e os zumbis se consagrassem com o longa A Noite dos Mortos-Vivos de George Romero, utilizado como principal referência para as características dos zumbis ainda hoje.

Continue lendo »

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Toda criança ama histórias! E esse universo pode ser apresentado através de adultos que leem para elas, que presenteiam com livros ou que leem para si próprios dando um exemplo que a criança certamente irá copiar. Cada um de nós leitores adultos, carrega recordações da infância sobre o tema. Quais ou qual livro marcou os tempos de criança? Alguns de nossos colunistas aqui do Viagens de Papel contam suas experiências literárias na infância:

Camila Tebet

“O menino do dedo verde”, de Maurice Druon, marcou a minha infância pois foi um dos primeiros livros que ganhei de presente dos meus pais. Na época, tinha um significado muito especial, pois Tistu, além de ser o nome do personagem principal da história, era também o nome do jardim de infância onde eu estudava, minha primeira escola, que tanto contribuiu para minha formação. O livro fala sobre educação e sobre transformação. Sobre o quanto cada um é capaz de contribuir para um mundo melhor por meio de suas ações. É uma história linda, que fala sobre diversos valores e questiona padrões da sociedade. Vale a pena conhecer!

Continue lendo »

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Hoje vamos conhecer três livros infantojuvenis da Zit Editora lançados recentemente. Tem como falar mal deles? Impossível! Não me canso de repetir sobre a qualidade editorial de todos os títulos que já recebi deles. Enfim, vamos as nossas dicas:

AVALIAÇÃO: 4/5
EDITORA: ZIT EDITORA, CORTESIA
ISBN: 9788579330841
GÊNERO: POEMA, POESIA, INFANTOJUVENIL
PUBLICAÇÃO: 2017
PÁGINAS: 40 SKOOB

Jardim de bichinhos, esse título lindíssimo é da carioca e professora de Sala de Leitura do Município do Rio de Janeiro, Sandra Lopes. Ele se destaca pelo tamanho, 24×29 cm, e sua belíssima capa em tons de verde e amarelo. Por dentro, existem grandes orelhas que, quando totalmente abertas, mostram um imensooooo jardim. Já na parte interna, vemos diversos vasinhos, cheinhos de plantinhas. Cada página antes da história tem detalhes encantadores.

Em meio a folhas, plantas, árvores e muitos bichinhos presentes corriqueiramente em jardins, vemos belíssimas ilustrações com “zilhões” de letrinhas mescladas aos desenhos, como letras saídas de uma máquina de datilografia. O que mais me admirou no trabalho da paulistana Camila Carrossine foi sem dúvida a história que as imagens contam e que não estão reproduzidas em palavras, como se fossem dois livros em um.

O livro nos apresenta 14 poemas, iniciando com “No Jardim“, em seguida,  os títulos ganham o nome de cada bichinho do jardim, que é destacado por um poema especial: “Formiga“, “Cigarra“, “Minhoca“, “Caracol“, “Grilo“, “Joaninhas“, “Aranha“, “Libélula“, “Beija-flor“, “Borboleta” e “Louva-deus“. O poema final mostra o “Bicho poeta“. Todo o texto está em fonte de máquina de escrever, ficou bem diferente e combinou com todo o visual.

Através das ilustrações, deduzimos que dois irmãozinhos vão passar talvez um final de semana com o avô, e a partir daí desvendam o mundo que existe dentro de seu jardim. Após todo um dia inteiro de descobertas, ao final as crianças brincam felizes, já é noite, enquanto que o bicho poeta, ou seja, o avô, está sentado na máquina de escrever terminando os poemas. Perfeito! Super recomendado!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Continue lendo »


Monteiro Lobato nasceu no dia 18 de abril de 1892, na cidade paulista de Taubaté. Por causa de seus muitos livros infantis, sendo o primeiro lançado em 1920, revolucionou a escrita infantil nacional com seus personagens e aventuras no “Sítio do Picapau Amarelo”, que são tão conhecidos pelas crianças ainda no século XXI. Por esse motivo, a data de seu nascimento foi escolhida para comemorar o Dia Nacional do Livro Infantil.

Depois de Monteiro, muitos escritores marcaram e ainda marcam esse nicho literário, alguns não nasceram no Brasil, mas vivem aqui há tempo suficiente para lançar livros no mercado nacional, outros nem são tão conhecidos, mas suas obras marcaram minha trajetória de algum modo.

Como grande apreciadora do gênero infantojuvenil, escolhi apenas 15 títulos que gosto muito, mas que mostra a riqueza e diversidade nacional:

Continue lendo »

sábado, 24 de dezembro de 2016

Ainda no clima de Natal, dois livros que li esse mês, voltados para o público infantil foram:

a-mulher-do-papai-noel

AVALIAÇÃO: 5/5 EDITORA: GLOBAL Editora ISBN: 9788526001015 GÊNERO: INFANTOJUVENIL, COMÉDIA PUBLICAÇÃO: 1990 PÁGINAS: 66 SKOOB

A mulher do Papai Noel é uma divertida história contada em apenas dezesseis capítulos, meras cinquenta páginas. Dona Bebé está preparada para passar um sossegado e feliz Natal, porém as coisas começam a dar errado a partir do momento que seu marido Camilo volta para casa, bêbado, e cai em sono profundo, largando a tarefa de vestir-se de Papai Noel e entregar os presentes das crianças que moram no Lar Santa Úrsula.

Para salvar o emprego do marido, dona Bebé resolve assumir a tarefa da distribuição dos presentes e para isso pede ajuda de sua comadre Cidona para a fantasia do Anjo do Sininho. Muitos problemas surgem, uma verdadeira corrida contra o tempo, tudo isso fazendo de tudo para que ninguém perceba a substituição.

A narrativa e os diálogos criados pelo escritor Ganymédes José, juntamente com as ilustrações de Cláudia Ramos ficaram engraçadíssimas. Já estou lendo a história pela segunda vez, agora para minha filha, muitas risadas antes do natal, um capítulo por dia. Leiam e depois comentem.

 

 

 

“Mais assustada do que furiosa, ela deu uma puxão mais forte nos varais. Aí, escorregou no barro e caiu sentada em uma poça de água. (…) – Dona Bebé, – perguntou com um ar de reprovação – o que a senhora está fazendo aí, sentada na chuva? Ela sentiu vontade de atirar um tamanco na cabeça daquele vizinho cretino.  O que ele pensava que ela poderia estar fazendo? Mas, em vez de dizer o que e, revirou os olhos, ajuntou as mãos e respondeu: – Estou rezando!” Continue lendo »

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

O Natal está chegando e nessa postagem vou indicar cinco leituras para entrar no clima natalino da melhor maneira possível (nem que seja com alguns assassinatos ou fantasmas pelo meio!). Veja, abaixo, as indicações!

cinco-leituras-para-entrar-no-clima-natalino-foto-viagens-de-papel

FOTO: DICAS DE LEITURA/ VIAGENS DE PAPEL

1. Um conto de Natal, de Charles Dickens

Não poderia começar a lista sem o maior dos clássicos de todos os tempos quando se trata de histórias de Natal. A vida e a avareza de Scrooge ganha as páginas deste livro que traz uma mensagem tão bonita e que já rendeu inúmeras adaptações ao redor do mundo. O livro é curtinho e vale muito a pena a leitura! Continue lendo »

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Pra dar uma folguinha da correria de fim de ano e na ansiedade de saber o que o Papai Noel irá deixar de presente em nossas meias, em outras palavras, pra continuar o”esquenta” pro Natal, separamos umas tirinhas com alguns personagens, até que bem conhecidos, em suas aventuras natalinas! Peguem o chocolate quente e ♫ ‘jingle bell’ ♫

calvin-basev2

Vamos começar com a criança mais hiperativa do mundo dos quadrinhos, o lindo do Calvin e seu amigo tigre Haroldo que, com exceção do Calvin, todos enxergam ele como um tigre de pelúcia. A criação do gênio Bill Watterson começou em 18 de novembro de 1985 com tirinhas divulgadas em vários jornais e conquistou o mundo. O humor passa por diversas áreas da vida: escola, amigos, relacionamento em família, filosofia… e claro, Natal!

calvinharodotira36

calvinharodotira37

Não tem como não amar compulsivamente essa tirinha

“Não tem como não amar compulsivamente essa tirinha.”

Continue lendo »

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Enfim, chegou a semana (para muitos) mais esperada do ano. Aquela que nos reunimos com nossos amigos e familiares para comemorar uma data tão especial que é o Natal. E porque não ouvindo uma boa música? E a propósito, quem disse que músicas natalinas são apenas aquelas de corais que já existiam antes mesmo de música se chamar música? Não mesmo, nossos queridos artistas também entraram no clima natalino e nos presentearam com músicas especiais para essa data comemorativa. Assim sendo, vamos ver quais podem ser uma boa pedida para a tão esperada noite de Natal.

Last Christmas / Extraordinary Merry Christmas – Glee

Época de Natal me faz lembrar dos episódios especiais de Glee (saudades!). Era tão gostoso ver os episódios e ouvir as canções junto dos personagens. Deles, destaco duas: Last Christmas e Extraordinary Merry Christmas!

Continue lendo »


A Companhia Editora Nacional lançou durante a 24ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo o último volume da Coleção Frase Feita, sendo assim, agora temos seis títulos escritos por Renata Julianelli e ilustrados por Nana Sievers. Cada livro explica de forma bastante criativa e com divertidas ilustrações alguns provérbios bem conhecidos por nós, dessa forma é fácil aprender alguns valores éticos importantíssimos.

O texto é apresentado em forma de poesia, cada página possui um verso que rima com o verso da página ao lado, sempre em caixa alta e com ilustrações atrativas e bem coloridas. Além disso, outro ponto interessante é que o livro foi desenvolvido para não ser apenas lido, mas discutido com as crianças numa roda de conversa informal, para isso no final o texto é mostrado de forma integral  numa única página e trás orientações aos adultos numa outra.

Continue lendo »


Outubro é o mês do HORROR!!! Certo? É inegável não trazermos para vocês uma lista com três leituras imperdíveis. A DarkSide Books já se consagrou no mercado editorial brasileiro como editora que contempla seu público com os livros mais horripilantes e inusitáveis do gênero, a criativitade das edições é tão assustadora quanto as histórias. Como o próprio slogan diz “Aposte no escuro“. Isso mesmo! Esse é o mês das leituras para causarem calafrios e atormetarem seu sono. Então vos digo, o catálogo é para lá de completo, não falta opções de títulos para embalarem seu Halloween. Então para aqueles leitores que assim como eu adoram livros com uma pegada mais sombria, os livros lançados pela Dark Side Books estão no topo da lista dos desejados e possuem um espaço todo especial nas nossas almas. Hoje trago para vocês a indicação de três obras que são as minhas mais odiosas (favoritas) leituras.

Este slideshow necessita de JavaScript.

1. O último adeus, de Cynthia Hand

Nesse livro somos apresentados a Lex, uma jovem promissora de 18 anos, que sofreu uma perda terrível, seu irmão Tyler se matou, agora depois de algumas semanas ela e sua mãe começam a sentir a presença dele na casa, como uma espécie de fantasma que se recusa a ir embora. Muito mais que um livro que possui uma premissa assustadora, O último adeus é uma história incrível, a obra mostra como seguir em frente e como o luto afeta as pessoas de formas diferentes. A história realmente devastou meu modo de visão a respeito do tema. Super recomendo a leitura, o livro não chega  a ser muito assustador, mas carrega momentos de tensão que podem te deixarem um tiquinho agoniados (e arrepiados).

Continue lendo »