Apesar de termos demorado um pouco para fazer nossa retrospectiva, quando o assunto é livros, nunca é tarde para falar sobre eles. Veja nossas melhores leituras de 2017:

Camila Tebet

  1. Caninos brancos, de Jack London (Penguin Companhia);
  2. Outros jeitos de usar a boca, de Rupi Kaur (Planeta Brasil);
  3. Missoula, estupro e justiça numa cidade universitária, de Jon Krakauer (Companhia das Letras);
  4. Ecos, de Pam Muñoz Ryan (DarkSide Books);
  5. O ódio que você semeia, de Angie Thomas (Galera Record).

A primeira vez que li Jack London foi com “O lobo do mar” e na época gostei muito da leitura. Em 2017, decidi que era hora de ler outro livro do autor e solicitei Caninos Brancos, que acabou se tornando minha melhor leitura do ano. O livro é dividido em partes que mostram o funcionamento da vida selvagem. Aqui, conhecemos Caninos Brancos, um lobo selvagem que vive na terra gelada de Yukon, no Canadá. Aos poucos, vamos acompanhando a forma como ele descobre o mundo e novas realidades, assim como acompanhamos sua aproximação com o ser humano. A forma como o autor constrói a obra é sem igual. Por trás da história de Caninos Brancos, ele faz muitas críticas à sociedade, tratando temas como a relação do mundo selvagem com os humanos, os moldes do comportamento e a descoberta de novas realidades. Tudo isso é feito com uma linguagem simples, mas cheia de detalhes, que prende a atenção do início ao fim e emociona o leitor com a jornada percorrida pelo lobinho. Para ler a resenha do livro, clique aqui.

O livro Outros jeitos de usar a boca traz um compilados de poemas da indiana Rupi Kaur. Me chamou a atenção principalmente pelo título e me ganhou logo nas primeiras páginas.  Rupi escreve sobre o que é ser mulher. Traz temas sensíveis e coloca muito de si em seus textos, escrevendo com sensibilidade e com muito sentimento.

Gosto muito de livros de não-ficção e o tema de Missoula me interessou muito. Aqui, Jon Krakauer traz um relato forte e chocante sobre “estupro e justiça numa cidade universitária”, analisando dados e casos de agressão que ocorreram em Missoula, nos EUA. O livro traz um assunto que precisa ser discutido e nele o autor mostra como as agressões sexuais ainda são constantemente subjugadas e o quanto as vítimas não têm o apoio necessário. É um livro essencial. Clique aqui para ler a resenha.

Ecos foi um dos livros mais lindos que li em 2017. Ele é delicado, aquece o coração e encanta ao mostrar o poder de transformação da música e como ela pode entrelaçar a vida das pessoas. Além da história ser incrível, a edição também é maravilhosa. Clique aqui para ler a resenha.

O livro de Angie Thomas, O ódio que você semeia traz uma história forte, com uma realidade que precisamos conhecer, trazendo uma reflexão muito pertinente. Aqui, conhecemos a história de Starr, uma garota negra que se divide entre dois mundos: ela mora em um bairro marginalizado, mas estuda em uma escola elitista, com poucas crianças negras. Ela vê sua vida virar de cabeça pra baixo ao presenciar o assassinato de seu melhor amigo de infância e, a partir disso, seus dois mundos começam a ruir e a se tornar uma coisa só. Clique aqui para ler a resenha.


Janaína Rodrigues

  1. Quem era ela, de JP Delaney (Intrínseca);
  2. O Sol também é uma estrela, de Nicola Yoon (Arqueiro);
  3. Alerta de Risco, de Neil Gaiman (Intrínseca);
  4. Minhas Plantas, de Carol Costa (Paralela);
  5. Boneco de Pano, de Daniel Cole (Arqueiro).

O aluguel de uma casa minimalista e bem diferente é condicionada a uma lista de regras pré-estabelecidas que controlariam sua maneira de viver. Não pode levar coisas como lixeiras, livros e mobília. Você toparia? Não adianta topar, você tem que ser aceito: passar pelo processo de seleção, com questionário e entrevista, além de se comprometer a seguir inúmeras regras. O livro Quem era ela traz a história de duas moradoras que conseguiram a proeza de morar no nº 1 da Folgate Street. Um thriller cheio de mistério de tirar o fôlego! Foi um livro que eu maratonei… e fazia tanto tempo que não maratonava um livro… Clique aqui para ler a resenha.

Romance não é meu gênero literário favorito no mundo, mas aí, essa pequena perolazinha caiu no meu colo, O sol também é uma estrela! A escrita da Nicola encanta, nos deixa com coração apertado, nos faz vibrar e torcer pelo casal para que acontece um feliz para sempre! Natasha cheia de opinião e seu par recém conhecido Daniel – o poeta com certeza se tornarão um casal que você irá shippar e cair de amores por eles. Um livro de indiretas e retas, de idas e vindas e cheio de amor! Vale muito a pena! Clique aqui para ler a resenha.

Eu amoooooooo contos malucos e com o Neil Gaiman no meio, nem se fala! Essa coletânea de contos e perturbações é intrigante a cada página. Às vezes você acaba um conto e se pergunta se aquele era o final. Outras vezes, o conto não acaba e você fica pensando nele por dias. Nunca tem um sentimento de passividade ao ler esse livro, afinal, até fomos avisados na capa com um Alerta de Risco! Clique aqui para ler a resenha.

Eu já fui uma Serial Killer de plantas! Já matei cactos e nem queria mais uma vida verde para mim. Tudo mudou com essa linda edição sobre como cuidar e ter suas próprias plantinhas escrita pela linda da Carol Costa. Agora eu sou a louca dos cactos e, às vezes, até ajudo as pessoas a minha volta a tentar “ler” suas plantinhas. Minhas plantas é meu livro de cabeceira e consultas diárias. Clique aqui para ler a resenha.
Eu maratonei Boneco de Pano, até porque é uma das minhas literaturas preferidas, romance policial. É uma trama envolvente de muita tensão e suspense para descobrir os segredos e tentar frear o serial killer que demonstrou sua existência ao levar a policia até sua obra horrenda, um boneco de pano feito de partes de 6 vítimas. Estou aguardando a continuação. Clique aqui para ler a resenha.

Nara Dias

  1. A Princesinha, de Frances Hodgson Burnett (Salamandra);
  2. Os Meninos da Rua Paulo, de Ferenc Molnár (Companhia das Letras);
  3. Anne Frank — A Biografia Ilustrada, Sid Jacobson (Quadrinhos na Cia);
  4. Nimona, de Noelle Stevenson (Intrínseca);
  5. Belinda & Em, de Cammie McGovern (Galera Record).

Impossível não ler esse título que foi um filme clássico da minha infância, visto e revisto tantas vezes. A princesinha nos ensina que é possível ter valores e bons modos independente de nossa condição financeira. Essa edição da Salamandra está simplesmente apaixonante, com lindas ilustrações no decorrer dos capítulos. Leia a crítica livro x filme aqui.

Quando escolhi ler Os meninos da Rua Paulo, imaginei que seria bom ler um clássico completamente desconhecido por mim, mas não imaginava o quanto poderia amar uma obra e almejar viver num passado onde as crianças tinham valores e respeito uma pelas outras, sem querer tirar vantagem, mesmo de alguém que fosse seu rival. Crianças que não querem se aparecer, o ponto chave por trás dessa história cheia de aventuras e emoções, é que mostra muito do que é SER e não do que é TER. Leia mais sobre a obra aqui.

Apesar de já ter lido o famoso diário dessa jovem judia, fiquei bastante curiosa em conhecer essa versão de Anne Frank, a biografia ilustrada, feita em quadrinhos. O livro está espetacular, com informação da família antes de seu nascimento, fatos políticos, mapas, infográficos… Indispensável a leitura. Conheça um pouco mais do livro aqui.

Nimona já tinha sido resenhado aqui no blog pela Larissa e foi lendo essa resenha que fiquei ainda com mais vontade de ler essa divertida história em quadrinhos. Uma colega emprestou e eu fiquei encantada, aprendi que não devemos julgar uma pessoa sem antes conhecer sua história e o que levou ela ao ponto atual. No caso aqui, nosso vilão não é bem vilão e nosso mocinho ah, você já entendeu. Nimona veio bagunçar ainda mais tudo isso.

Ando gostando muito de livros que mostram personagens fora do padrão, pois nos ensinam a sermos mais tolerantes. Belinda & Em retrata exatamente isso. É uma história de adolescentes que todos devem ler, para lidar melhor com o diferente no cotidiano, além de falar sobre violência e nos mostrar que devemos ajudar e nos nos omitir. Clique aqui e leia a resenha.


Você já leu algum dos 15 livros mostrados na retrospectiva?

Qual livro você vai incluir na sua lista 2018?

 


Aqui no blog sempre fazemos uma retrospectiva positiva, mas por que não fazer uma negativa também? Sabemos que muitas vezes o que é ruim para um leitor é bom para outro. Muito bacana gerar uma discussão sobre isso. Então vamos aos livros que mais nos decepcionaram, entrando para nossa Lista Negra 2017:

Camila Tebet

A febre do amanhecer

“Julho de 1945. Miklos é um jovem húngaro de 25 anos que sobreviveu ao campo de concentração e foi levado para a Suécia para recuperar a saúde. Mas logo os médicos o desenganam: ele tem os pulmões comprometidos e conta com poucos meses de vida. Miklos, porém, tem outros planos. Ele não sobreviveu à guerra para morrer num hospital. Após descobrir o nome de 117 jovens húngaras que também se encontram em recuperação na Suécia, ele escreve uma carta a cada. Uma delas, ele tem certeza, se tornará sua esposa. Em outra parte do país, Lili lê a carta de Miklos e decide responder. Pelos próximos meses, os dois se entregam a uma correspondência divertida, inusitada, cheia de esperança. Baseado na história real dos pais do autor, A febre do amanhecer é um romance vibrante e inspirador sobre a vontade de amar e o direito de viver.”

Esta não foi uma leitura ruim, mas foi um livro que me decepcionou um pouco durante a leitura. Na obra, o autor Péter Gárdos conta a história de amor de seus pais e de como eles se encontraram e construíram uma vida juntos depois das dores da 2ª Guerra Mundial. A história tinha tudo para me ganhar, mas me incomodou em alguns pontos, como a narrativa cansativa, a mudança constante de foco da narrativa e o fato de Péter tomar sempre o partido do pai durante a história. Clique aqui para ler a resenha.


Janaína Rodrigues

Elefante Caximira

“Um jovem cristão, professor de uma Universidade de Boston, após descobrir um novo planeta, vê-se no dilema entre a fama e uma vida simples. Ao ser recrutado por uma Organização Secreta para trabalhar em um projeto espacial juntamente com uma equipe de novos cientistas, depara-se com a oportunidade com a qual sonhou desde a infância: uma viagem interestelar. Ele conhece um astrofísico indiano do qual se torna amigo, chegando a viajar para a região da Caxemira, onde presencia o conflito entre o Paquistão e a Índia. No oriente, em meio à destruição provocada por ataques terroristas e os assassinatos de cristãos, descobre uma nova amizade e um amor arrebatador que o fará repensar sobre suas escolhas. Uma história regada à tensão, aventura, amizade e amor o cercará continuamente, levando-o, por fim, a uma decisão que mudará o rumo de sua vida para sempre.”

Eu gosto muito de uma boa história de ficção científica e era isso que eu esperava quando peguei o livro para ler. Viagem através das galáxias, termos científicos e muita aventura sobre espaço- tempo. Acho que eu estava muito na pegada de Interestelar… E, na verdade, este livro era sobre a jornada do herói e os conflitos do Oriente Médio. Pois é… Ler algo esperando outra coisa me fez considerar essa a leitura mais chata de 2017. Leia a resenha aqui.


Nara Dias

“Chloe Peterson está tendo uma noite ruim. Uma noite realmente ruim. O machucado grande em sua bochecha pode provar isso. E quando seu carro patina para fora da estrada molhada em direção a uma vala, ela está convencida de que até o cara maravilhoso que a salvou do meio da tempestade deve ser muito bom para ser verdade. Ou ele é mesmo? Por ser um fotógrafo de sucesso que viaja frequentemente pelo mundo, Chase Sullivan tem seu jeito com mulheres bonitas, e quando ele está em casa, em São Francisco, um de seus sete irmãos normalmente está acordado para começar um pouco de diversão. Chase acha que sua vida é ótima do jeito que está — até a noite que encontra Chloe e seu carro destruído na rodovia Napa Valley. Não apenas nunca tinha conhecido alguém tão adorável, por dentro e por fora, mas como também percebe que ela tem problemas maiores do que seu carro batido. Logo, ele será capaz de mover montanhas por amor — e proteção — a ela, mas ela deixará? Chloe prometeu nunca cometer o erro de confiar em um homem novamente. Mas a cada olhar que Chase lança a ela — e a cada carinho doce e pecaminoso — conforme a atração entre eles sai faísca e esquenta, ela não pode fazer nada a não ser se perguntar se encontrou a única exceção. E apesar de Chase não perceber que sua vida mudaria para sempre em um instante, para melhor, ele não é o único a querer lutar por essa mudança. Ao contrário, ele está se preparando para uma luta… pelo coração de Chloe.”

Sempre vi muitas pessoas lendo Bella André, mas realmente as capas, títulos e o gênero nunca foram os meus prediletos, então nunca tive curiosidade em nada escrito por ela. Porém, uma colega de trabalho emprestou esse exemplar afirmando ser um ótimo romance. Li rapidamente, no entanto, além de não fazer meu estilo por ter descrições de diversas cenas íntimas do casal, a história ficou muito sufocante e fechada apenas entre eles e o que se passou nos dias em que ficaram juntos. Não teve espaço para outros personagens, também não houve informações aprofundadas ou cenas sobre o passado de Chloe e Chase, nem dos personagens secundários. Difícil acreditar na força de uma paixão quando só o que nos é oferecido são alguns dias de união numa propriedade afastada do contato com outras pessoas, afinal, o amor se fortalece com o passar do tempo.


Nara Dias

“Com uma narração intrigante, não linear e uma prosa magnífica, Caitlín vai moldando a sua obsessiva personagem. Imp é uma narradora não confiável e que testa o leitor durante toda a viagem, interrompe a si mesma, insere contos que escreveu, pedaços de poesia, descrições de quadros e referências a artistas reais e imaginários durante a narrativa. Ao fazer isso, a autora consegue criar algo inteiramente novo dentro do mundo do horror, da fantasia e do thriller psicológico.”

Com essa belíssima edição em capa dura e impressionante apresentação das páginas internas, iniciei a leitura desse intrigante título. Mas achei o livro bastante insosso, com uma dose grande da psique da personagem Imp. A leitura se tornou arrastada e uma história que não me agradou em nada. Fiquei decepcionada com a proposta e pensei em não dar mais chance para a DarkSide, mas depois de muitos conselhos dos amigos, foi apenas um título ruim, vou tentar mais uma vez com outros livros sim. Mas não darei chance para a escritora, huauaua, ela sim está na minha lista negra.


E você, conhece os títulos citados?

Qual livro mais te decepcionou em 2017?

terça-feira, 16 de Janeiro de 2018

A melhor coisa é ter um bom vício e influenciar outros a participar dele.

Sou professora e trabalho em duas unidades de um mesmo colégio (Educação Infantil e Fundamental 1) e sempre gostei muito de conversar e compartilhar livros. Aquelas minhas colegas de trabalho que topavam embarcar na ideia de ler, eu fazia o papel de mediadora, comentando sobre leituras, indicando títulos e emprestando de uma para outra.

Um tempo depois de realizar essas trocas, muitas vezes sem elas se conhecerem pessoalmente, somente eu conhecendo todas, tive a ideia de organizar um grupo simples no Whatsapp para que todas pudessem comentar sobre livros, organizar melhor as trocas de acordo com os interesses de cada uma e também passar a se conhecer melhor. Deu super certo!

Depois disso, surgiu uma nova ideia, a de promovermos encontros para discutir sobre leitura e fazermos trocas de livros. Então, com a aproximação do Dia dos Professores em outubro de 2017, agitei um encontro para incentivar ainda mais a interatividade. De 9 participantes no grupo, 7 participaram, já contando comigo. Fizemos um sorteio online para o Amigo Secreto. Para deixar ainda mais interessante, arrecadei dez reais de cada uma prometendo uma surpresinha para esse dia especial, um lindo chinelo com tema literário personalizado com o nome e cor preferida de cada uma.


O encontro foi excelente, num restaurante temático mexicano, rimos e conversamos bastante, foi uma noite bastante agradável. Confira os livros que cada uma de nós ganhou de sua respectiva amiga:

Este slideshow necessita de JavaScript.

A foto de nosso encontro repercutiu interesse de outras professoras em participar do grupo, então estabelecemos algumas regras que já utilizamos, mas nunca havíamos listado, elas funcionam muito bem. Temos agora mais 5 membros no grupo. Eis as regrinhas:

1º Ler; 

2º Compartilhar livros; 

3º Fazer comentários no grupo; 

4º Devolver o livro emprestado com um chocolatinho.

Com tudo isso, estamos felizes e com muitos livros para ler, além de termos as opiniões umas das outras. Já estamos até planejando repetir o encontro agora no início do ano.

E vocês? Já participaram de alguma iniciativa parecida? O que acharam dos títulos? Qual escolheriam para ler?

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Toda criança ama histórias! E esse universo pode ser apresentado através de adultos que leem para elas, que presenteiam com livros ou que leem para si próprios dando um exemplo que a criança certamente irá copiar. Cada um de nós leitores adultos, carrega recordações da infância sobre o tema. Quais ou qual livro marcou os tempos de criança? Alguns de nossos colunistas aqui do Viagens de Papel contam suas experiências literárias na infância:

Camila Tebet

“O menino do dedo verde”, de Maurice Druon, marcou a minha infância pois foi um dos primeiros livros que ganhei de presente dos meus pais. Na época, tinha um significado muito especial, pois Tistu, além de ser o nome do personagem principal da história, era também o nome do jardim de infância onde eu estudava, minha primeira escola, que tanto contribuiu para minha formação. O livro fala sobre educação e sobre transformação. Sobre o quanto cada um é capaz de contribuir para um mundo melhor por meio de suas ações. É uma história linda, que fala sobre diversos valores e questiona padrões da sociedade. Vale a pena conhecer!

Continue lendo »


Hoje o dia é de romantismo, afinal é DIA DOS NAMORADOS! Data especial para passarmos ao lado de quem amamos, de quem admiramos e que nos faz nossa jornada diária muitas vezes valer a pena. E não tem coisa melhor também do que viver aquele romance, mesmo que seja apenas nas páginas de um livro, não é? Aqueles personagens pelos quais nos apaixonamos e acreditamos que o amor é possível. Que rimos, choramos e sofremos por eles. Por isso, nos reunimos nessa data e escolhemos alguns casais literários que shippamos e suspiramos cada vez que lemos ou os reencontramos, além de explicar o porquê da escolha.

 

Foto: Cena do filme “O amor nos tempos do cólera”. (Divulgação)

CAMILA TEBET

Florentino e Fermina, de O amor nos tempos do cólera (Gabriel García Márquez)

É impossível falar de amor sem lembrar do clássico O amor nos tempos do cólera, de Gabriel García Márquez. No livro, o autor conta uma história de amor turbulenta e inconstante. Aqui, conhecemos Fermina Daza e Florentino Ariza, apresentados já em suas velhices. O autor apresenta, com delicadeza, uma história de amor que atravessou os anos e passou por muitos obstáculos. Um casal que se apaixonou perdidamente, mas que pelos percalços da vida teve que se separar por longos anos. No final, mostram que nem o tempo é capaz de apagar certos sentimentos. Florentino e Fermina ensinam muito sobre esperança, paciência e, principalmente, sobre o amor genuíno. Continue lendo »


Monteiro Lobato nasceu no dia 18 de abril de 1892, na cidade paulista de Taubaté. Por causa de seus muitos livros infantis, sendo o primeiro lançado em 1920, revolucionou a escrita infantil nacional com seus personagens e aventuras no “Sítio do Picapau Amarelo”, que são tão conhecidos pelas crianças ainda no século XXI. Por esse motivo, a data de seu nascimento foi escolhida para comemorar o Dia Nacional do Livro Infantil.

Depois de Monteiro, muitos escritores marcaram e ainda marcam esse nicho literário, alguns não nasceram no Brasil, mas vivem aqui há tempo suficiente para lançar livros no mercado nacional, outros nem são tão conhecidos, mas suas obras marcaram minha trajetória de algum modo.

Como grande apreciadora do gênero infantojuvenil, escolhi apenas 15 títulos que gosto muito, mas que mostra a riqueza e diversidade nacional:

Continue lendo »

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

O Natal está chegando e nessa postagem vou indicar cinco leituras para entrar no clima natalino da melhor maneira possível (nem que seja com alguns assassinatos ou fantasmas pelo meio!). Veja, abaixo, as indicações!

cinco-leituras-para-entrar-no-clima-natalino-foto-viagens-de-papel

FOTO: DICAS DE LEITURA/ VIAGENS DE PAPEL

1. Um conto de Natal, de Charles Dickens

Não poderia começar a lista sem o maior dos clássicos de todos os tempos quando se trata de histórias de Natal. A vida e a avareza de Scrooge ganha as páginas deste livro que traz uma mensagem tão bonita e que já rendeu inúmeras adaptações ao redor do mundo. O livro é curtinho e vale muito a pena a leitura! Continue lendo »


A Companhia Editora Nacional lançou durante a 24ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo o último volume da Coleção Frase Feita, sendo assim, agora temos seis títulos escritos por Renata Julianelli e ilustrados por Nana Sievers. Cada livro explica de forma bastante criativa e com divertidas ilustrações alguns provérbios bem conhecidos por nós, dessa forma é fácil aprender alguns valores éticos importantíssimos.

O texto é apresentado em forma de poesia, cada página possui um verso que rima com o verso da página ao lado, sempre em caixa alta e com ilustrações atrativas e bem coloridas. Além disso, outro ponto interessante é que o livro foi desenvolvido para não ser apenas lido, mas discutido com as crianças numa roda de conversa informal, para isso no final o texto é mostrado de forma integral  numa única página e trás orientações aos adultos numa outra.

“Coleção Frase Feita” agora temos seis títulos escritos por Renata Julianelli e ilustrados por Nana Sievers, todos publicados pela Companhia Editora Nacional.

Continue lendo »


Outubro é o mês do HORROR!!! Certo? É inegável não trazermos para vocês uma lista com três leituras imperdíveis. A DarkSide Books já se consagrou no mercado editorial brasileiro como editora que contempla seu público com os livros mais horripilantes e inusitáveis do gênero, a criativitade das edições é tão assustadora quanto as histórias. Como o próprio slogan diz “Aposte no escuro“. Isso mesmo! Esse é o mês das leituras para causarem calafrios e atormetarem seu sono. Então vos digo, o catálogo é para lá de completo, não falta opções de títulos para embalarem seu Halloween. Então para aqueles leitores que assim como eu adoram livros com uma pegada mais sombria, os livros lançados pela Dark Side Books estão no topo da lista dos desejados e possuem um espaço todo especial nas nossas almas. Hoje trago para vocês a indicação de três obras que são as minhas mais odiosas (favoritas) leituras.

Este slideshow necessita de JavaScript.

1. O último adeus, de Cynthia Hand

Nesse livro somos apresentados a Lex, uma jovem promissora de 18 anos, que sofreu uma perda terrível, seu irmão Tyler se matou, agora depois de algumas semanas ela e sua mãe começam a sentir a presença dele na casa, como uma espécie de fantasma que se recusa a ir embora. Muito mais que um livro que possui uma premissa assustadora, O último adeus é uma história incrível, a obra mostra como seguir em frente e como o luto afeta as pessoas de formas diferentes. A história realmente devastou meu modo de visão a respeito do tema. Super recomendo a leitura, o livro não chega  a ser muito assustador, mas carrega momentos de tensão que podem te deixarem um tiquinho agoniados (e arrepiados).

Continue lendo »


Autor de mais de 60 livros, Stephen King é conhecido como Mestre do Horror. A maioria de seus livros é de horror fantástico e ficção. Sabemos que ele é sucesso mundial, as suas obras já foram publicadas em mais de 40 países e venderam mais de 350 milhões de cópias, no Brasil a editora responsável por publicar os livros de King é a Suma das Letras, selo da Editora Objetiva, atualmente faz parte do Grupo Companhia das Letras. Alguns de seus livros já renderam adaptações para o cinema e para a televisão. Confira a lista que o Viagens De Papel preparou com os 5 livros do autor que você precisa ler.

Stephen-King-dicas-livros-capas-viagens-de-papel

Foto: Dicas de leitura/ Viagens de Papel

1. IT – A COISA

O livro foi escrito em 1986 e adaptado para o cinema e TV no ano de 1990. Conta a história de sete garotos que quando criança enfrentaram um criatura que se alimentava do medo e mudava de forma, chamada de It ou Pennywise – palhaço parcimonioso, uma criatura sobrenatural que muda de forma e atrai crianças. Após 30 anos desse acontecimento eles são chamados voltar à cidade de Derry (Maine) para confrontar a criatura que voltou a matar crianças. A presença dele é sentida por Michael Hanlon – bibliotecário e único que ainda vive na cidade. Quando os sete amigos enfrentaram a primeira vez a criatura eles juraram combatê-la caso ela voltasse, porém isso pode custar a suas vidas. Com relação ao livro, ele possui 1104 páginas e a nova edição foi lançada no ano de 2014.

Continue lendo »