AVALIAÇÃO: 3,5/5
EDITORA: HARPER COLLINS, CORTESIA
ISBN: 9788595081758
GÊNERO: FICÇÃO CIENTÍFICA, JUVENIL
PUBLICAÇÃO: 2017
PÁGINAS: 240
SKOOB

À primeira vista, o título Uma Dobra no Tempo já desperta uma curiosidade imensa sobre a história. Quando o vi pela primeira vez, instantaneamente me apaixonei pela capa e já quis lê-lo para descobrir sobre o que se tratava a história.

Escrito pela autora Madeleine L’Engle, e publicado no Brasil pela editora Harper Collins, neste título conhecemos Meg Murry, uma garota que apesar da pouca idade, já aprendeu que na vida as coisas não são muito fáceis. Meg sente muito a falta de seu pai, um cientista muito importante que acabou desaparecendo misteriosamente, e esse desaparecimento repentino afetou muito a garota, que busca explicações para o ocorrido sem obter muito sucesso.

Em uma noite que parecia ser comum, a família de Meg recebe a visita de uma senhora muito peculiar, que atende pelo nome de sra. Quequeé, e promete levar a garota ao encontro de seu pai, desde que ela a acompanhe em uma viagem que literalmente irá fazer uma dobra no tempo. Apesar de desconfiar das intenções dessa estranha senhora, Meg, acompanhada de seu irmão Charles, e de seu amigo Calvin, resolve dar um voto de confiança e parte em uma aventura pelo tempo e espaço, onde novas criaturas e novas realidades aparecerão em seu caminho.

Com um ritmo leve, e uma escrita fácil, Uma Dobra no Tempo me agradou demais. Apesar de ser uma história que aborda muito alguns conceitos de ciências, e algumas teorias sobre o tempo e espaço, a autora conseguiu fazer com que o livro ficasse muito fácil de ser entendido, e isso é uma coisa que precisa muito ser levada em conta, pois o público alvo é o público juvenil, e é extremamente importante facilitar a leitura para que o ritmo da história não acabe se perdendo.

Dito isso, também gostei muito da história em si. O universo criado pela autora é extremamente interessante e instigante, e o protagonismo feminino na história é muito presente, isso é muito bacana de se ver, principalmente quando levamos em conta que essa obra foi escrita em 1962, época em que protagonismo feminino era uma coisa quase inexistente.

Dentre tantos pontos positivos, a única coisa que me desagradou na obra foi o seu final, que achei um pouco repentino e simples demais, quando o comparamos com os acontecimentos no decorrer da história. Eu queria mais e esperava um fim mais grandioso, porém deixando de lado o meu pequeno desapontamento, no geral é uma história apaixonante e que aborda temas muito importantes como ciência, religião, amor e amizade.

Para finalizar, acredito que Uma Dobra no Tempo irá agradar os leitores mais jovens que apreciam livros que os fazem viajar em universos desconhecidos. Recomendo demais a leitura.

 

 

Sobre o autor
Tayara Olmena Estudante que tomou gosto pela leitura aos 12 anos de idade depois que leu "A marca de uma lágrima" do escritor Pedro Bandeira. Costuma ler de tudo, mas ainda torce o nariz para o romance. Além de ler, também é viciada em séries e filmes, e não perde a oportunidade de maratonar sua série favorita.


Deixe uma resposta

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: