terça-feira, 17 de Abril de 2018

AVALIAÇÃO: 5/5 
EDITORA: HARPER COLLINS, CORTESIA
ISBN: 9788595081710
GÊNERO: DRAMA
PUBLICAÇÃO: 2017
PÁGINAS: 336
SKOOB

QUE. LIVRO. F****. Não é o jeito tradicional que se inicia uma resenha, mas talvez sejam as palavras corretas para demonstrar todo o sentimento que tive durante a leitura. Vacas foi um livro que chegou, ofereceram para mim e ficou alguns meses na estante, esperando para ser lido. Eu não sabia absolutamente nada da história, tampouco da autora ou algo do gênero. Não sei bem o motivo para que isso acontecesse, talvez pelo fato de surgirem outras leituras desejadas na frente, fazendo com que ele fosse ficando na estante. Mas sabe, depois que iniciei e embarquei nessa viagem, penso apenas uma coisa: QUE LEITURA NECESSÁRIA!

Tara é uma mulher na casa dos quarenta anos que divide o tempo entre cuidar sozinha da filha, Annie, e trabalhar como produtora de TV, onde tem que lidar com o machismo cotidiano dos seus colegas de trabalho. Mãe solteira, nunca contou ao pai de Annie sobre a existência da filha. Camila Stacey é uma mulher bem sucedida profissionalmente, mantém um blog de estilo de vida e conta com milhares de seguidores, tornando-se um ícone para sua geração. Tem um pensamento um pouco diferente das pessoas ao seu redor, principalmente no que tange ao ser mulher na atualidade, o que causa sempre certa polêmica, mas é decidida no que quer, até na hora de escolher o homem que quiser. Stella, por sua vez, vive assombrada pela doença genética que matou sua mãe e irmã no passado, sobre a qual ela tem fortes chances de ser acometida. Namora Phill e seu desejo é ser mãe, mas sabe dos riscos que a doença pode trazer à sua vida. Três mulheres, com suas histórias de vida, que se vêm envolvidas num acontecimento que as deixarão muito unidas, entre a catástrofe e a busca por inspiração, além de levantar uma série de questões problemáticas de nossa sociedade.

Mostrei-me empolgado com o início da resenha e espero conseguir dar conta de falar sobre todos os pontos da leitura. Com uma narrativa repleta de drama e uma certa ironia, Dawn apresenta a história de três mulheres bem diferentes, com cenários diferentes do feminino na sociedade. O próprio título do livro, incluindo o trecho “nem toda mulher quer ser princesa”, diz muito do que esperar da história. Tara, Camila e Stella são três personalidades totalmente diferentes, mas com um desejo em comum: fugir dos padrões. Arrisco dizer que me identifiquei mais com Camila e Tara, principalmente pelas suas atitudes e decisões, apesar de tentar entender um pouco o lado de Stella, mas não concordando com o que ela fazia. Dawn escolhe a dedo, e se torna feliz com isso, realidades totalmente diferentes, colocando em cheque que é ser mulher na sociedade atual. Machismo, feminilidade, maternidade e preconceito são apenas alguns temas que estão presentes na história com um sarcasmo que torna a leitura ainda mais irreverente.

A autora é daquelas que não tem papas na língua no momento de construir sua narrativa. O acontecimento que muda o destino das três é algo que pode fazer o leitor torcer o nariz num primeiro momento, mas é no exagero que desperta reflexões que devem ser feitas. Ela traz um assunto considerado muitas vezes tabu pela sociedade, ao mesmo tempo que se torna ponto de partida para uma série de questões que devem ser pensadas. Qual é o verdadeiro papel da mulher na sociedade? O que elas têm direito realmente? Tara e Camila se mostram mais independentes, mas Stella traz um certo equilíbrio, contradizendo tudo o que as outras reverenciam. Stella é o tipo de mulher que encontramos frequentemente na sociedade, sendo considerado por muitos o modelo a ser seguido. Assim, o que poderia incomodar, acontece exatamente ao contrário: a história das três se completam.

Não estou dizendo que há modelo certo a ser seguido, mas possibilidades. Confesso que em alguns momentos senti um certo posicionamento da autora, o que me fez refletir e não gostar tanto da leitura como deveria. No entanto, chega um determinado ponto que o jogo muda, a balança muda o peso e Vacas se torna uma leitura necessária a ser feita. Por mais que seja necessariamente ficção, acredito que o livro se torna feliz em expor a realidade das três mulheres. Dawn poderia trazer o cotidiano perfeito de uma mulher casada com filhos, mas prefere trazer personalidades que podem parecer problemáticas. E é isso que torna a história tão única. Afinal, não é toda mulher que quer ser princesa.

A narrativa flui à medida em que os acontecimentos se sucedem e a história das personagens se entrelaçam. Dawn aborda os três pontos de vistas das personagens, na medida em que podemos conhecê-las e compreendê-las ainda mais. Tudo isso caminhando para um final totalmente inesperado, mas que, na minha opinião, não poderia ter sido mais acertado. Se gostei do livro? Eu amei! Se recomendo? Mais do que necessário! Vacas é uma leitura que você não consegue parar de ler e mesmo que esteja longe do livro, ainda assim fica pensando nele e tentando decifrar quais possíveis caminhos pode seguir.

Sobre o autor
Lucas Kammer Orsi
Lucas Kammer Orsi Estudante de História. Vê nos livros uma maneira de fugir da realidade e encontrar um pouco de aconchego do cotidiano tão corrido. Potterhead, se emociona fácil com romances, mas não deixa de lado um bom suspense, de viver uma aventura e dá gargalhadas com um chick-lit. Está sempre com suas séries atrasadas, mas isso não o impede de sempre começar mais uma. Amante da música pop, é grande fã de Taylor Swift.


Deixe uma resposta

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: