sexta-feira, 16 de março de 2018

AVALIAÇÃO: 3,5/5
EDITORA: SEGUINTE, CORTESIA
ISBN: 9788555340512
GÊNERO: JOVEM ADULTO, MISTÉRIO
PUBLICAÇÃO: 2017
PÁGINAS: 278
SKOOB

Pensando em trazer novas opiniões e apresentar para vocês novos olhares a partir de uma mesma obra, esta resenha seguirá um formato diferente. Logo abaixo, vocês encontrarão duas opiniões a respeito do livro Fraude Legítima.

Tayara Casemiro

Escrito pela autora E. Lockhart e publicado no Brasil pela editora Seguinte, o título Fraude Legítima nos conta a história de Imogen e Jule, duas grandes amigas que tem suas vidas entrelaçadas, e são protagonistas de uma história digna dos cinemas.

Imogen é uma jovem rica que nunca encontrou seu lugar no mundo, ela vive em busca de liberdade e principalmente, vive em busca de encontrar um lugar onde ela se sinta preenchida. Jule é uma fugitiva, uma garota que assume várias personalidades para conseguir sobreviver, e cria diversas histórias diferentes para preencher as lacunas em sua vida. As duas acabam se encontrando, e deste encontro uma intensa amizade surge, na qual ambas acabam sendo quebradas mais do que já eram.

Fraude Legítima não é um livro muito fácil de ser lido, demorei um certo tempo para entrar no ritmo da história e isso fez com que eu demorasse mais para terminar de lê-lo. A autora E. Lockhart fez neste título o que sabe fazer de melhor em seus livros, confundir os leitores. Toda a história é cheia de idas e vindas, somos levados ao passado e presente de Jule diversas vezes, a princípio isso pode confundir um pouco, mas conforme vamos entrando no ritmo, fica mais fácil acompanhar essas voltas no tempo.

Nada nessa história é como eu imaginei que seria, logo de cara sabemos sobre a morte de Imogen e somos inseridos na loucura que é a vida de Jule. A garota tem uma vida muito misteriosa, nada é comum em sua vida, e nas visitas ao seu passado vamos entendendo um pouco mais sobre sua ligação com Imogen, e sobre como as coisas acabaram terminando dessa maneira trágica.

Eu gostei muito desse clima de mistério na história, nada aqui é previsível e a cada página somos surpreendidos. Mas apesar de eu ter gostado muito de disso, confesso que achei que a autora acabou exagerando em muitos momentos, a sensação que tive é de que ela queria chocar os leitores durante o livro inteiro, e isso acaba ficando chato em certo momento, pois são tantas informações que fica muito fácil se confundir ou acabar não entendendo nada na história.

Por outro lado, adorei o trabalho da autora na construção dos personagens, principalmente Jule, ela é uma personagem extremamente interessante, e está longe de ser uma garota comum. A garota se enxerga como uma super-heroína, mesmo que suas ações não sejam nada parecidas com as ações de uma pessoa heroica. Ela pensa de maneira prática, mas algumas vezes se deixa levar pelas emoções, o que a faz tomar algumas decisões um pouco precipitadas, mas nesses momentos em que se deixa levar pelas emoções, é onde podemos realmente enxergar como ela é de verdade, por baixo de todas as mentiras que sempre conta.

No geral, eu acabei ficando um pouco decepcionada com Fraude Legítima, minhas expectativas estavam bem altas e acabei achando o livro apenas Ok. Queria ter gostado mais, só que infelizmente toda essa dose exagerada de surpresas e mistérios acabou me cansando.

Lucas Kammer

Já ouvira críticas e comentários de Fraude Legítima, fazendo com que a curiosidade pela história aumentasse. Já havia lido Mentirosos da autora, mas confesso que não me despertara sentimentos contraditórios como acontecera com outras pessoas. Apesar disso, a proposta desse livro em especial poderia fazer com que meus sentimentos em relação a autora mudassem. E foi isso que aconteceu.

A trama da história é totalmente diferente do que podemos imaginar. Ao contrário de outros livros, Fraude Legítima opta em ser contado de trás para frente. Ou seja, sabemos o seu final, mas não sabemos o seu início. A princípio pode parecer algo confuso e meio óbvio, afinal, não tem porque ler um livro se já sabemos como ele vai terminar. Mas não é o caso desse. A autora faz uma abordagem na qual o desenvolvimento inverso da história se torna ainda mais empolgante.

Não digo necessariamente que seja uma leitura fácil de ser realizada. Pelo contrário. Eu comecei o livro algumas vezes até realmente conseguir engrenar na história, pois ao contrário de demais histórias, não conhecemos profundamente os personagens num primeiro momento. Pegamos algumas características no ar e tentamos, muitas vezes inutilmente, construir uma dimensão de sua personalidade. Começando pelas próprias protagonistas: Imogen e Jules. Não é possível decifrar se são heroínas, vilãs ou personagens à mercê da própria sorte. O livro inicia de maneira vertiginosa, de forma que não conseguimos nos ambientar de maneira adequada. Os acontecimentos são jogados na cara do leitor, que demora alguns capítulos para começar a construir o quebra-cabeça.

No entanto, a partir do momento em que o quebra-cabeça toma forma, a história flui e você se torna refém. Só consegue parar quando chega ao último capítulo. E todo o caminho abordado pela autora torna a história única e faz com que você se lembre dela com o passar do tempo. E. Lockhart subiu no meu conceito e se tornou aquela autora que deverei dar maior atenção nos próximos momentos da minha vida, quando ela lançar algo novo. Livro mais que recomendado!

Sobre o autor
Tayara Olmena Estudante que tomou gosto pela leitura aos 12 anos de idade depois que leu "A marca de uma lágrima" do escritor Pedro Bandeira. Costuma ler de tudo, mas ainda torce o nariz para o romance. Além de ler, também é viciada em séries e filmes, e não perde a oportunidade de maratonar sua série favorita.


Deixe uma resposta

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: