segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Avaliação: 4/5
Editora: Companhia das Letras, Cortesia
ISBN: 9788535929447
Gênero: Policial, Suspense, Thriller
Publicação: 2017
Páginas: 432
Skoob

Depois de três livros lidos do Raphael Montes, posso afirmar que ele realmente se destaca atualmente na literatura brasileira, principalmente por resgatar o gênero policial. Suas obras são bem construídas e seguem um ritmo frenético, de forma que a leitura é feita muito rapidamente, pois ele envolve o leitor de uma maneira sem igual, fazendo com que você não queira parar de ler até chegar no final e ver o que acontece. Foi isso que aconteceu quando fiz a leitura de Suicidas, meu livro favorito dele até o momento.

Já fazia um bom tempo que eu queria conferir essa obra, que foi o primeiro livro escrito pelo autor, quando tinha apenas dezenove anos. Quando a Editora Companhia das Letras lançou uma nova edição da obra, não pude perder a chance. Comecei a leitura sem saber direito o que esperar da história. Logo de cara ficamos sabendo que algo muito estranho aconteceu com um grupo de jovens que foram encontrados mortos no porão de uma casa de campo após participar de uma roleta-russa. Um ano após o acontecido, as mães desses jovens são reunidas para tentar desvendar o que de fato aconteceu naquela ocasião e o que fez com eles resolvessem participar desse jogo que acabaria com a vida de todos.

A história é contada a partir dos relatos escritos por Alessandro, um dos suicidas, que tinha o sonho de escrever um livro e, a partir daí, escreveu minuciosamente o que aconteceu no local. Além disso, temos acesso também a anotações feitas antes do jogo. Os capítulos das anotações do Alessandro se intercalam com transcrições da investigação feita pela delegada Diana Guimarães e a conversa que ela está tendo com as mães para desvendar o que de fato aconteceu.

A partir dos relatos, conhecemos a história de nove jovens que tinham um futuro promissor pela frente e acabaram se deixando envolver por um jogo misterioso que acabaria com a vida de todos. Cada um tinha sua motivação e teve sua vida entrelaçada aos outros oito jovens. Uma vez dentro do jogo, não seria mais possível sair.

Raphael Montes constrói um suspense repleto de segredos, revelando uma realidade perversa e deixando de lado as máscaras sociais impostas àqueles jovens. Aos poucos, cada um revela suas motivações e sua verdadeira natureza. Apenas o mote da história já é bastante curioso: nove jovens que se reúnem com o único objetivo de acabar com as suas vidas, em um jogo cruel de sorte ou azar. Por trás disso tudo há muitos conflitos e o autor mostra exatamente que nem tudo é como parece.

A leitura de Suicidas é muito fluida e envolvente. O autor consegue nos inserir na trama de forma sem igual, é quase como se estivéssemos lá, observando tudo acontecer bem diante dos nossos olhos. No momento que você pegar o livro para ler, não vai mais querer parar. Claro que a obra traz muitos clichês e o final não me pegou tão de surpresa assim, mas o livro tem muitos méritos e, até agora, é o meu favorito do autor. É uma ótima opção de entretenimento e se destaca no gênero aqui no Brasil. Se você é fã de suspense e casos policiais, não deixe de conhecer a obra e ficar cada vez mais atento ao autor, que com certeza ainda nos surpreenderá muito!

Sobre o autor
Camila Tebet
Camila Tebet Camila Tebet, 24 anos (05/06) – Paraná Jornalista, tem a literatura como uma de suas paixões. Acredita que os livros têm o poder de transformar e falar sobre essa arte é um de seus passatempos favoritos. Entre os seus livros favoritos estão "Harry Potter" (é claro), "Na Natureza Selvagem", "Orgulho e Preconceito" e "A Menina Que Roubava Livros". Também é apaixonada por séries, cinema e fotografia. Escreve também para o site www.expressocultural.com.


Deixe uma resposta

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: