AVALIAÇÃO: 3,5/5 EDITORA: GALERA RECORD, CORTESIA ISBN: 9788501109347 GÊNERO: ROMANCE, JOVEM ADULTO, GLBT PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 294 SKOOB

Começamos a leitura acompanhando Mark e Ryan, dois garotos gays que são melhores amigos. Mark sente algo a mais por Ryan, mas ele talvez não retribua esse sentimento da mesma forma. Nenhum dos dois é assumido, e, em uma ida a uma boate gay, Mark encontra Kate, sua colega da aula de cálculo com a qual ele nunca trocou uma palavra. Por algum motivo, ambos decidem começar uma amizade, mesmo que “à primeira vista”.

A história é narrada em primeira pessoa e dividida entre os pontos de vista de Mark e Kate. A menina também possui seu “plot próprio”. Insegura, ela está começando a se envolver com uma amiga de sua prima, e acompanhamos as incertezas de quem está vivendo o primeiro amor.

O trunfo da história está no fato de ela aparentar ser inofensiva, apenas um romance adolescente bobo, mas, na verdade, retratar de forma muito crível e condizente com a realidade esses dilemas pelos quais a maioria dos leitores já passou ou está passando. Ser apaixonado por alguém que é seu amigo e ter medo de estragar a relação que já existe, ou estar conhecendo alguém e ter insegurança do sentimento não ser recíproco são coisas que podem acontecer com qualquer um. Ainda mais na adolescência, época na qual tudo é bastante intenso.

Em “À primeira vista” os autores conseguem dar voz a esses sentimentos com maestria, levando o leitor a se identificar com os dilemas dos personagens e também a acreditar naquilo tudo. A leitura é bastante rápida e divertida, sendo uma boa pedida para passar o tempo e distrair a mente. Ao mesmo tempo, o livro passa boas mensagens e lições referentes à amizade, mas sem ser piegas e sem soar forçado.

“Apesar de não haver verdadeiros começos na vida, tem sempre alguma coisa que veio antes, há momentos que parecem um começo, e é sempre bom parar um segundo para apreciá-los.”

À primeira vista” é um ótimo livro Young Adult, com personagens críveis, realistas e cativantes que passam por situações bastante possíveis e de fácil identificação. A escrita é fluida e a trama também te envolve não só por uma questão de curiosidade, mas sim de apego aos protagonistas. Leitura leve, mas com profundidade e que ainda dá um quentinho no coração com aquele sentimento de que tudo vai se ajeitar.

“A maioria das vidas é longa, e a maioria das dores é curta. Os corações não se partem e verdade; eles sempre continuam batendo.” 

Sobre o autor
Lucas Zeferino


Deixe uma resposta

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: