sábado, 26 de agosto de 2017

Avaliação: 4/5 Editora: Companhia das Letras, Cortesia ISBN: 9788535928747 Gênero: Thriller, Suspense, Policial Publicação: 2017 Páginas: 584 Skoob

A Suécia se tornou uma referência por criar bons livros de romance policial, especialmente depois do lançamento da trilogia “Millennium”, escrita por Stieg Larsson. A garota-corvo segue este mesmo caminho. O livro é também uma trilogia, mas foi lançado pela Companhia das Letras em um único volume. Escrito por Jerker Eriksson e Håkan Axlander Sundquist, a obra, no entanto, é assinada pelo pseudônimo dos dois, Erik Axl Sund.

Na obra, a detetive Jeanette Kihlberg é a responsável por desvendar uma série de assassinatos envolvendo meninos em Estocolmo, capital da Suécia. Os meninos são encontrados em estado de mumificação após terem sofrido os mais terríveis abusos que se possa imaginar. Acontece que as crianças são imigrantes, sem registro de suas origens, o que dificulta a investigação.

Jeanette então conhece a psicóloga Sofia Zetterlund, que é especialista em recuperar crianças que sofreram grandes traumas ligados à violência. As duas acabam se envolvendo profissional e pessoalmente. Ambas estão passando por momentos difíceis em suas vidas amorosas e familiares, além de terem que provar seu valor profissional diariamente trabalhando em ambientes machistas.

Ao longo das páginas, percebemos que esses assassinatos envolvem um problema social muito maior. A comparação entre “Millennium” e “A garota-corvo” é inevitável: ambas as histórias tratam de temas bastante complexos e pesados, de pedofilia à corrupção. Além disso, as principais personagens femininas têm vidas marcadas por muito sofrimento, mas possuem personalidades extremamente fortes e são muito inteligentes. Outro ponto em comum é o estilo da narrativa. Estamos falando de obras longas, com mais de 500 páginas, que possuem muitos personagens e é necessária muita atenção do leitor nos pequenos detalhes.

É preciso ser sincera, entretanto, e dizer que A garota-corvo tem diversos méritos, mas está abaixo dos livros de Stieg Larsson. É duro competir com uma personagem como Lisbeth Salander, que encantou muita gente também no cinema. Por isso, vá com calma na expectativa.

É muito difícil compreender como o ser humano é capaz de fazer tantas atrocidades, em especial quando falamos sobre abuso de crianças e adolescentes. Aqui fica um aviso de gatilho, já que algumas pessoas podem não gostar de enredos tão pesados e sombrios. O destino final do livro acaba sendo bem diferente daquele que imaginamos no início da leitura, o que mantém a curiosidade do leitor até o fim. Se você gosta de histórias complicadas e suspense, pode colocar A garota-corvo na sua lista.

Sobre o autor
Maria Luiza de Paula Maria Luiza de Paula (Mallu), 22 anos (01/05) – Paraná Jornalista. Começou a gostar de ler por meio de biografias, mas hoje em dia gosta de quase todos os estilos literários. Entre seus livros preferidos estão “A Menina que Roubava Livros” (Markus Zusak), “1984” (George Orwell) e “Auto da Compadecida” (Ariano Suassuna). Além de seu amor por livros, também é apaixonada por música, cinema, seriados, fotografia e arte de rua. Escreve também para o site www.expressocultural.com.


Deixe sua opinião

Seu email não será publicado.



*

Comentários no Facebook