AVALIAÇÃO: 4/5 EDITORA: PAZ & TERRA, CORTESIA ISBN: 9788581052779 GÊNERO: HISTÓRIA, NÃO FICÇÃO PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 332 SKOOB

Operários, mulheres, prisioneiros

Os excluídos da história é um clássico em termos de historiografia. Publicado no Brasil inicialmente em 1988, a obra de Michelle Perrot apresenta uma proposta pouco usual no período, ao tratar de setores da sociedade ditos menores, logo, sem o direito de serem considerados parte da história. São eles as mulheres, os operários e prisioneiros. Antes mesmo da publicação do mesmo, Michelle Perrot já escrevera artigos acadêmicos sobre tais personagens, demonstrando assim, um grande interesse na temática.

Não quer dizer que operários, mulheres e prisioneiros já não fizessem parte da história. Pelo contrário, até faziam. O problema é você dar protagonismo a eles. Uma coisa é você escrever uma história de uma fábrica sobre o ponto de vista do patrão e da produção. Outra coisa é você propor a mesma história, mas dando voz aos operários e as relações destes com o patrão e o sistema imposto. Da mesma forma com os outros dois grupos. E é essa a proposta do livro de Perrot.

O livro é dividido em três partes, respectivamente a cada grupo, sendo elas constituídas por artigos. De maneira geral, a autora aborda os personagens na França do século XIX, detendo-se em pontos específicos, que possibilitam ter uma dimensão mais ampla. Procura trazer práticas do cotidiano, possíveis pensamentos correntes e visões de mundo. Por exemplo, a parte destinada as mulheres faz uma retrospectiva de todo um imaginário em torno da figura feminina e como o mesmo foi construído ao longo do tempo. Pontos como a questão da exclusão delas na sociedade, o papel das mesmas numa relação matrimonial são abordados no livro.

Algo que fiquei pensando durante a leitura foi a construção narrativa do texto diante das fontes disponíveis. Afinal, trazer tais personagens para um protagonismo é grande esforço, ainda mais quando as fontes podem ter uma visão diferente do que se quer propor. Por exemplo, retomando a questão feminina, durante muito tempo via-se a mulher como a devastadora das rotinas familiares e da ordem burguesa, em alguns casos como louca e histérica. Isso era tido como verdade uma vez que havia material que comprovava aquilo. Mas como perceber que tudo isso era uma construção? Aí entra o esforço da historiadora em fazer uma leitura crítica, tentando enquadrar tais pensamentos em determinado período e mostrar outro lado da história. Michelle Perrot narra, numa das partes mais legais do livro, a questão das mulheres lavradeiras e a sociabilidade ali presente. É algo que provavelmente não se tem fonte falando sobre, mas a partir de um esforço maior, acaba trazendo isso a tona.

Para quem tem interesse na temática, Os excluídos da história é um livro bastante interessante. No entanto, arrisco dizer que mesmo assim o leitor possa ter alguma dificuldade em conseguir compreender a leitura. Isso se deve ao contexto histórico envolvido, o que pode causar estranhamento, além do espaço temporal que se passa a história, algo que talvez não faça parte do seu cotidiano.  Apesar de tudo, a narrativa da autora é envolvente e fluida, o que torna a leitura mais tranquila de ser realizada.

Sobre o autor
Lucas Kammer Orsi
Lucas Kammer Orsi Estudante de História. Vê nos livros uma maneira de fugir da realidade e encontrar um pouco de aconchego do cotidiano tão corrido. Potterhead, se emociona fácil com romances, mas não deixa de lado um bom suspense, de viver uma aventura e dá gargalhadas com um chick-lit. Está sempre com suas séries atrasadas, mas isso não o impede de sempre começar mais uma. Amante da música pop, é grande fã de Taylor Swift.


Deixe uma resposta

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: