AVALIAÇÃO: 3,5/5
EDITORA: SEGUINTE, CORTESIA
ISBN: 9788555340277
GÊNERO: DISTOPIA, FANTASIA, JOVEM ADULTO
PUBLICAÇÃO: 2017
PÁGINAS: 544
SKOOB

No terceiro volume da série A Rainha Vermelha intitulado como A prisão do rei, a autora Victoria Aveyard continua contando a história de Mare Barrow, uma poderosa garota vermelha que pode ser a salvação de seu povo na guerra contra os prateados.

Iniciando onde A espada de vidro terminou, neste terceiro volume acompanhamos o sofrimento de Mare ao ser mantida como prisioneira do rei Maven, que continua nutrindo um amor doentio pela garota e a cada dia se mostra mais perigoso do que a falecida rainha, que o matinha sobre seu domínio.

Enquanto Mare está presa e incapaz de usar seus poderes, a Guarda Escarlate continua na ativa planejando ataques, e tentando encontrar uma maneira de resgatar Mare de sua prisão. Mas esta tarefa é ainda mais difícil do que eles imaginavam, pois o rei está fazendo de tudo para manter sua valiosa prisioneira ao seu lado.

Com um ritmo mais lento e com uma escrita mais detalhada, a autora segue com os mesmos problemas dos livros anteriores, muita enrolação e pouca ação. Já estamos no terceiro volume e eu realmente esperava muito mais desse livro, ele tem sim ação, mas é tanta enrolação que quando a ação começa já estamos cansados e implorando por uma pausa na leitura.

Essa enrolação me incomodou muito, mas não desagradou por completo, apesar das minhas reclamações eu gostei do livro no geral, principalmente por notar que a autora amadureceu sua escrita e trouxe um novo fôlego para a história, dando mais espaço para personagens secundários que se mostraram muito interessantes.

Com os capítulos sendo divididos e narrados em primeira pessoa por alguns personagens além de Mare, podemos conhecer mais sobre Cameron e Evangeline, e isso é um acerto enorme, já que ambas são extremamente interessantes. Principalmente Evangeline, foi ótimo poder conhecer mais sobre ela e entender o que se passa em sua mente, a garota que até então era uma vilã se mostrou mais do que isso. Gostei muito de poder conhecer outro lado dela.

Já Mare continua presa em sua culpa e em sua eterna dúvida entre os dois garotos da realeza, mas, apesar de todo o drama, gostei do rumo que a história dela está tomando. Em meio a todos os sentimentos e dúvidas, a garota está cada vez mais forte e mais interessante, já consegui deixar de compará-la a outras heroínas de outras histórias, e esse é um passo muito importante, já que era um dos problemas mais graves para mim nos livros anteriores.

“É isso que sou aqui. Estou enjaulada, amarrada, encoleirada. Tudo o que tenho é a minha voz e pedaços de Maven que torço para serem reais.”

No geral, A prisão do rei conseguiu me cativar e se mostrou mais interessante do que os livros anteriores por avançar mais na história, e por nos entregar um universo mais completo. A história, apesar de toda a enrolação, engrenou e já consigo imaginar vários ótimos rumos que a autora pode seguir. O final nos prende e nos deixa curiosos sobre o que está por vir. Por esse e por outros motivos que já citei, vou continuar acompanhando a saga e torcendo para que o futuro dela seja tão bom quanto ela merece.


Conheça os outros títulos da série A Rainha Vermelha:

1. A rainha vermelha (2015)

2. Espada de vidro (2016)

3. A prisão do rei (2017)

0.1, 0.2 Coroa cruel (2015)

Sobre o autor
Tayara Olmena Estudante que tomou gosto pela leitura aos 12 anos de idade depois que leu "A marca de uma lágrima" do escritor Pedro Bandeira. Costuma ler de tudo, mas ainda torce o nariz para o romance. Além de ler, também é viciada em séries e filmes, e não perde a oportunidade de maratonar sua série favorita.


Deixe uma resposta

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: