AVALIAÇÃO: 4/5 EDITORA: ROCCO JOVENS LEITORES, CORTESIA ISBN: 9788579803291 GÊNERO: ROMANCE, JOVEM ADULTO PUBLICAÇÃO: 2017 PÁGINAS: 288 SKOOB

Você acha que boas ações podem mudar o mundo?

É isso que a protagonista Nina, de apenas 13 anos, quer fazer. Isso mesmo, ela não quer achar, só pensar que sim ou não: ela criou a convicção de que se ela se levantar e começar a fazer algo as coisas à sua volta irão mudar. E são coisas simples, são pequenas boas ações.

Quando começa o verão e, consequentemente, as férias escolares, Nina se vê sozinha e perdida. Seus pais vivem para o trabalho, seu irmão está distante, Jorie e Eli, seus amigos de infância, estão agindo de forma muito estranha, e, para completar, a morte de sua avó ainda traz um sentimento doloroso em sua alma.

Toda essa confusão está pairando sobre a cabeça de Nina quando ela repara que sua vizinha, a senhora Chung, está impossibilitada de realizar suas tarefas no jardim de sua casa e triste pois seu falecido esposo teria plantado os cravos. Nina não pede permissão, mas age de forma oculta, plantando os cravos sem que ninguém a veja. Essa ação a deixa tão bem que ela decide que o restante do verão, 65 dias, terá uma boa ação por dia! E tudo de forma anônima.

Não há como não se envolver com as dificuldades que Nina enfrenta para ‘salvar’ esse mundo: seu bairro de 8 casas, sua família, seus amigos e com isso salvar a si mesma. Vocês entenderam certo. Eu disse dificuldades. Afinal, não é fácil salvar o mundo.

Os dias de Nina começam a ficar confusos e turbulentos. Suas aulas de desenho no curso de verão a fazem questionar seus preceitos, como ela vê os outros e como ela se vê. Afinal, ela está se descobrindo e criando lindos valores sobre amizade e companheirismo, o que com certeza fica difícil quando a melhor amiga quer ir no baile com o garoto que Nina gosta.

Compreender o outro é com certeza a mensagem que a autora quer passar nesse livro. E mostrar como o ego e todas as outras coisas da vida nos cegam para algumas SVs (simples verdades, como dizia a vó da Nina).

“Se eu consegui, qualquer um consegue.”

A narrativa em primeira pessoa permite que vejamos os personagem que vão aparecendo na história por meio da percepção da Nina. O envolvimento de cada um parece demonstrar o que você vai enfrentar se quiser salvar o mundo: gente ranzinza e desacreditada (sra. Millman); gente que vive para que seu próprio mundo dê certo (Jorie); gente desiludida, que precisa daquela forcinha pra acreditar (Eli); gente distante (seus pais); gente que precisa do seu voto de confiança (Matt) e gente que vai te passar ‘aquela energia’ para continuar, por que o que tem que ser feito, deve ser feito (Thomas).

E eu não posso terminar essa resenha sem falar da magia fantástica que o Thomas dá para toda a história. Um garotinho de 5 anos! Ele é o irmãozinho de Eli, seus pais se divorciaram e ele vai entrar na pré escola quando começar as aulas. Mas é sua personalidade forte e inocente que marca o personagem e, inclusive, sua importância para a protagonista. Ele é um super herói, vive correndo com sua capa salvando o mundo de bandidos imaginários que estão por toda parte. Pra mim, é a positividade de Thomas que salva Nina, e a fragilidade dele, a necessidade de salvá-lo do que o cerca, a faz seguir em frente.

Um ótimo livro para toda a humanidade ler, porque o mundo precisa ser salvo diariamente. E não precisa muito… só pequenas e boas ações.

Confira a minha trilha sonora para essa leitura:

 

Sobre o autor
Janaína Rodrigues
Janaína Rodrigues

Uma sonhadora nata, encantada com a magia que pode ser encontrada no mundo real. Super apaixonada por livros, quadrinhos e séries… Hum… fanática por animação e amante entusiástica de manifestações artísticas.
Pedagoga, professora de informática, virginiana, Grifinória e, claro, divergente.
Mais ou menos por ai…



Deixe uma resposta

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: