Avaliação: 4/5
Editora: Fontanar, Cortesia
ISBN: 9788584390588
Gênero: Cartas, Não Ficção
Publicação: 2017
Páginas: 248
Skoob

O livro Querido mundo, como vai você?, escrito pelo pequeno Toby Little, de nove anos, chegou em uma hora boa. Eu estava enfrentando uma bela ressaca literária quando comecei a ler e logo me encantei pelo projeto. Em 2013, aos cinco anos, Toby descobriu que poderia enviar uma carta para um país diferente do seu. Então, ele perguntou para a mãe se poderia escrever para todos os países do mundo. Sua mãe, então, embarcou na jornada junto com o garoto e começou a busca por diferentes correspondentes ao redor do planeta.

As primeiras cartas foram endereçadas à França, Austrália e Estados Unidos, sempre com a ajuda de amigos, que auxiliavam na busca pelos correspondentes. Quatro meses depois de iniciar seu projeto, Toby atingiu seu objetivo. Por mais que tenha se correspondido com todos os países, ele não parou mais de escrever e está sempre aprendendo coisas novas. No livro publicado pela Fontanar, há um compilado de 150 cartas, em que podemos descobrir, junto com o garoto, toda a variedade de nosso mundo.

O livro é dividido por continentes e traz a transcrição das cartas escritas por Toby e as respostas de seus correspondentes. Traz também algumas imagens referentes às cartas, situando o leitor ainda mais no projeto. O mais legal é que ele escreveu para pessoas e lugares muito diferentes e, com isso, é possível aprender uma porção de coisas a respeito de novas culturas e profissões. Toby se correspondeu com crianças ao redor de todo mundo e até mesmo cientistas e especialistas nas mais diversas áreas. Além disso, há uma parte reservada apenas para situações especiais, como as cartas enviadas ao Papa Francisco, palácio de Buckingham e a Nelson Mandela.

É muito legal acompanhar a trajetória de Toby através das páginas. A cada carta lida eu ficava com ainda mais curiosidade de prosseguir na leitura. Claro que a primeira que procurei foi a carta endereçada ao Brasil, em que ele se correspondeu com uma moça que mora em São Paulo e falou um pouco da cultura de nosso país. Também é incrível ler a respeito dos outros lugares, realmente é possível se sentir parte da aventura de Toby.

Uma das coisas que mais marcam no livro é que, como ele escreveu para diferentes países, é realmente surpreendente ver como cada um possui sua peculiaridade e como nosso mundo é vasto e cheio de diferenças culturais. A mãe de Toby faz um breve comentário antes de cada carta e conta, durante a obra, que antes de escrever suas cartas, eles sempre faziam pesquisas no Google sobre cada local. Muitas vezes, as fotos que encontravam mostravam uma realidade muito triste e, a partir disso, era realmente complicado explicar para o menino a situação de cada país e o que perguntar para aquelas pessoas. A partir disso, as correspondências de Toby ensinaram ao menino, e ensinam também aos leitores, a praticar a empatia e a se colocar no lugar do outro, a aprender sobre as dificuldades de cada local.

Inclusive, ao conhecer a realidade desses países, o menino descobriu também formas de ajudá-los. Ele passou a arrecadar dinheiro para o projeto ShelterBox, que envia caixas de ferramentas e equipamentos de sobrevivência para quem necessita. Além do livro, quem quiser pode acompanhar o projeto de Toby atravé do seu site (acesse aqui), que reúne as fotos das inúmeras correspondências trocadas pelo menino com pessoas de todos os lugares do mundo. É um projeto muito bacana, que merece ser conhecido!

Sobre o autor
Camila Tebet
Camila Tebet Camila Tebet, 24 anos (05/06) – Paraná Jornalista, tem a literatura como uma de suas paixões. Acredita que os livros têm o poder de transformar e falar sobre essa arte é um de seus passatempos favoritos. Entre os seus livros favoritos estão "Harry Potter" (é claro), "Na Natureza Selvagem", "Orgulho e Preconceito" e "A Menina Que Roubava Livros". Também é apaixonada por séries, cinema e fotografia. Escreve também para o site www.expressocultural.com.


Deixe sua opinião

Seu email não será publicado.



*

Comentários no Facebook