terça-feira, 9 de maio de 2017

AVALIAÇÃO: 5/5 EDITORA: SEGUINTE, CORTESIA ISBN: 9788555340116 GÊNERO: ROMANCE, JOVEM ADULTO PUBLICAÇÃO: 2016 PÁGINAS: 352 SKOOB

Sarah Dessen é uma autora querida no meu coração que sei que quando irei ler um livro dela, é pouco provável que deixarei de gostar. Tive a oportunidade de ler “Os bons segredos”, meu primeiro contato com suas obras, a qual superou todas as minhas expectativas. Recentemente chegou para mim o último livro dela publicado no Brasil, pela Editora Seguinte, Uma canção de ninar. Não esperei muito até que iniciasse a leitura. E foi uma montanha russa que só consegui parar quando cheguei ao último capítulo.

Remy não acredita no amor. Sempre que um cara com quem se envolve aproxima-se demais, ela se afasta, antes que fique sério ou ela se machuque. Não é por menos: a garota passara a vida toda vendo os fracassos de relacionamentos de sua mãe, que naquelas alturas já ia para o quinto casamento. No entanto, Dexter aparece em sua vida, o que torna a situação ainda pior. Afinal, ele é tudo o que ela não gosta num rapaz: impulsivo, desajeitado e, o pior de tudo, músico. Não é por menos: o pai dela também era músico e a abandonou antes de seu nascimento, deixando apenas uma canção de sucesso sobre ela (que dá nome ao livro). Remy queria apenas um verão tranquilo antes de ir para a faculdade. Só que, às vezes, a vida dá voltas. Dexter se torna alguém recorrente nela, fazendo surgir sentimentos nem um pouco esperados.

Sabe aqueles personagens que você se aproxima, tornando-se íntimos a eles e até sentindo falta quando é obrigado a se despedir? Apresento-lhes os criados por Sarah Dessen. A autora constrói uma história leve, divertida e descontraída, com uma narrativa que flui sem nem mesmo você perceber. Quando li “Os bons segredos” isso ficou evidente e torna-se a repetir em Uma canção de ninar. Remy é a típica adolescente que já conhecemos de outros romances, mas que por mais que seja clichê, acabamos nos aperfeiçoando a ela, principalmente pela sua determinação e pela própria maneira de compreender a vida. Desiludida no amor, ela busca refúgio em outros lugares. Porém, quando conhece Dexter, vê todos os seus padrões e regras irem por água abaixo. E isso, de certo modo, é a vida. É quando estamos nos acostumando a ela e de repente nos vemos em meio a um turbilhão de acontecimentos que não estávamos preparados. E é aí que amadurecemos e tiramos aprendizados e lições.

O livro tem um desenvolvimento que condiz com a trama, a qual as histórias paralelas contribuem muito e são tão importantes quanto. Se em “Os bons segredos” o amadurecimento da protagonista me chamara a atenção, aqui foram as relações familiares. Achei válido o enfoque dado à mãe da Remy – que é escritora de romances, mas que na vida real só tem fracasso no amor – e o desenvolvimento realizado por Sarah. Na minha opinião, ela acabou se tornando, de certa maneira, quase que uma protagonista, tanto quanto a filha. Tanto que me surpreendeu muito com seu final.

Aprendemos e rimos com Remy que ao final ficamos com uma pontinha de saudade. O romance entre os protagonistas é algo fofo, mas que passa por alguns obstáculos. Sarah ganhou mais alguns pontinhos comigo, por tratar de um universo às vezes tão repleto de dúvidas e questionamentos, que é o do adolescente, de maneira tão leve e ainda foi capaz de me deixar com um sorriso de lado toda vez que pega o livro para ler. A vida tem suas surpresas, mas é com elas que nos tornamos mais seguros de si e maduros. Terminei a história com uma sensação de conforto e com um gostinho de quero mais!

Algumas coisas não duravam para sempre, mas outras, sim. Como uma boa música, ou um bom livro, ou uma boa lembrança que se pode pegar e desdobrar nos piores momentos, segurando pelos cantos e olhando bem de perto, esperando reconhecer a pessoa que se vê ali.” (p. 352)

Sobre o autor
Lucas Kammer Orsi
Lucas Kammer Orsi Estudante de História. Vê nos livros uma maneira de fugir da realidade e encontrar um pouco de aconchego do cotidiano tão corrido. Potterhead, se emociona fácil com romances, mas não deixa de lado um bom suspense, de viver uma aventura e dá gargalhadas com um chick-lit. Está sempre com suas séries atrasadas, mas isso não o impede de sempre começar mais uma. Amante da música pop, é grande fã de Taylor Swift.


Deixe uma resposta

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: