segunda-feira, 17 de abril de 2017

AVALIAÇÃO: 5/5 EDITORA: INTRÍNSECA, CORTESIA ISBN: 9788580579024 GÊNERO: HQ, FANTASIA, JOVEM ADULTO                                   PUBLICAÇÃO: 2016 PÁGINAS: 272 SKOOB

Meu encanto por Nimona veio muito antes de eu ter o livro em mãos, na verdade, veio antes do lançamento no Brasil. Nunca fui dada a ler muitas HQs, mas talvez pela capa ou pela arte da autora, ou ainda por comentários gringos de se tratar de uma obra muito bem trabalhada e inusitada, eu me vi ansiando pela leitura, curiosa com seu conteúdo e seu estilo diferente ao que estou acostumada. E não deu outra, me apaixonei.

Nimona é uma metamorfa fascinada com o trabalho do vilão Ballister Coração-Negro, conhecido por suas manipulações e tramóias contra o Reino, defendido por Ouropelvis, seu arqui-inimigo. O fato é que Ballister acaba por aceitar Nimona como sua comparsa (por livre e espontânea pressão), e os dois juntos começam a arquitetar planos para derrotar Ouropelvis e o Reino.

Essa aventura, porém, é diferente do que Nimona esperava. Ballister se mostra na verdade um vilão muito justo, que segue suas próprias regras e seus princípios e não aceita mortes e violência desnecessária, quando tudo que Nimona quer é passar por cima de todos e destruir Ouropelvis. Sim, o vilão está atrás de vingança contra aqueles que destruíram sua vida, mas sem fazer mais do que o necessário pra isso. Ansiando por sangue e destruição, Nimona ainda vai aprender muito sobre o que é ser vilão e o que é ser mocinho nessa jornada com Ballister Coração-Negro.

Não sei o que me encantou mais nesse livro. Talvez os personagens fantásticos, completamente diferente dos estereótipos criados nesse tipo de livro (fantasia medieval), talvez a arte com um belo traço, talvez o enredo surpreendente, talvez o modo sutil como a autora inseriu a “moral da história”. Não sei dizer ao certo, o fato é que me apaixonei por simplesmente tudo nessa história!

Foto: Divulgação / Viagens de Papel

Como mencionei acima, um dos pontos mais interessantes do livro é o fato de a autora ter criado personagens “às avessas”. O vilão não é totalmente vilão e se mostra capaz de atos de heroísmo mais do que o próprio herói, que na verdade cometeu muitos erros em sua trajetória também. Eles representam o que nós mesmos somos: pessoas que são imperfeitas e cometem erros. O fato é que as aparências enganam e não podemos basear nosso julgamento nelas, sem nem mesmo conhecer todos os fatos, e é isso que a autora mostra com a história de Nimona, Ouropelvis e Ballister Coração-Negro.

 

Esse é o tipo de obra completa, com um enredo envolvente, bem amarrado, criativo, regado à aventura, fantasia e bom-humor. Nimona tem umas tiradas ácidas e irônicas que nos divertem, e sua própria trajetória com Ballister é uma aventura. Mas além de tudo isso, mesmo que apenas sutilmente, a autora nos traz uma reflexão também sobre preconceito e pré-julgamento. Há também uma leve exploração (não sei se foi só eu que percebi) sobre opção sexual e a questão de gênero, algo que foi feito tão sutilmente, tão harmônico com a história que não fica algo pesado, e só se percebe mesmo se for um leitor muito atento.

De uma maneira geral a HQ oferece uma leitura rápida, com uma cadência no ritmo que te mantém preso à história até o final. A trama é bem estruturada e surpreende, e os personagens são extremamente reais e cativantes, são daqueles que fazem o leitor se identificar por se ver representado na história. É impossível não se apaixonar pelos protagonistas e por essa história tão divertida e cheia de aventura.

Sobre o autor
Larissa Gaigher Larissa Gaigher, 19 anos (12/06) – Rio de Janeiro Estudante de administração e química, leitora ávida e blogueira por paixão. Embarcou no mundo da literatura quando tinha 10 anos e nunca mais saiu de lá. Apaixonada também por música, séries e filmes. É uma geminiana típica, sempre faz muitas coisas ao mesmo tempo e muda de ideia várias vezes, tanto que não consegue definir um gênero favorito. Carioca da gema, tem 19 anos, adora uma boa praia, muita comida e diversão.


Deixe uma resposta

  1. quarta-feira, 19 de abril de 2017.

    Ai Lari! Também me senti muito atraída por esse HQ, mas ao contrário de você, curto algumas Graphic Novel. Já estava na minha lista, depois de sua resenha intensificou a vontade que sentia de ler Nimona! Beijos

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: