Avaliação: 4/5 Editora: Rocco, Cortesia ISBN: 9788532530479 Gênero: Romance Publicação: 2017 Páginas: 320 Skoob

O clube de leitura de Jane Austen me ganhou já em sua primeira frase: “Cada um de nós tem uma Austen particular”. A britânica escreveu seis romances durante sua vida e, com certeza, eles trazem variadas percepções a quem os lê. A minha Austen, por exemplo, era uma mulher à frente de seu tempo, que via na escrita uma forma de se libertar dos costumes da época, enchendo seus livros de ironias e críticas à sociedade, sem deixar o romance de lado. Neste livro, nós acompanhamos quem era Austen para seis pessoas diferentes: Jocelyn, Bernadette, Prudie, Allegra, Sylvia e Grigg.

Passando por diferentes momentos em suas vidas, eles uniram um interesse em comum e criaram o Clube de Leitura de Jane Austen. A cada mês, um dos livros de Austen seria discutido na casa de alguém e, lá, eles poderiam falar sobre as variadas questões levantadas pela autora em suas obras.

Em março, eles discutiram “Emma” na casa de Jocelyn, uma mulher de cerca de cinquenta anos, criadora de cães, que teve a ideia de criar o clube. Em abril, todos leram “Razão e Sensibilidade” com Allegra, a filha de Sylvia, que com 30 anos passava por uma crise no relacionamento com a parceira Corinne. “Mansfield Park” foi lido em maio, com Prudie. A mais nova do grupo, com 28 anos, teve que enfrentar um grande desafio nesse mês.

No mês seguinte, junho, todos leram “A abadia de Northanger” na casa de Grigg, o único homem do grupo, que ninguém sabia direito o que estava fazendo no clube mas nunca deixava de surpreender. Em julho, Bernadette, de quase 70 anos, conta sua história  e como foi casada tantas vezes enquanto é feita a leitura de “Orgulho e Preconceito”, o livro mais famoso de Austen. Por fim, em agosto é realizada a leitura de “Persuasão” na casa de Sylvia, que foi deixada pelo marido após 30 anos de casamento.

Todos os membros do clube possuem histórias únicas. Apesar de Jocelyn ser o elo do grupo, todos os personagens são bem desenvolvidos e aos poucos conhecemos os anseios de cada um. Em meio a tudo isso, a autora Karen Joy Fowler faz paralelos com os livros de Austen, demonstrando o quanto eles são atemporais e importantes. Um dos pontos positivos da obra é decifrar como cada personagem se conecta com as obras discutidas, e os questionamentos a respeito de cada livro levantados pelo grupo.

O livro possui um capítulo para cada mês, além de prólogo e epílogo, e aos poucos vamos conhecendo cada personagem. A narrativa da autora é envolvente e prende a atenção do leitor, que também se vê envolto na atmosfera das obras de Austen. É muito interessante ver como os personagens de Fowler amadurecem ao longo da história. Enquanto realizam a leitura dos livros de Austen, cada um vai se transformando de alguma forma. Além disso, o clube de Austen também promove muita união no grupo, transformando todos em grandes amigos, dispostos a ajudar um ao outro de todas as formas.

O clube de leitura de Jane Austen conecta seis histórias diferentes, todas incríveis a sua maneira, com o universo criado pela autora. É uma ótima leitura para quem gosta dos livros dela ou então para quem quer conhecer. Eu li apenas três de suas obras: “Persuasão”, “Orgulho e Preconceito” e “A abadia de Northanger”, mas já pude vislumbrar que ela é realmente incrível. Fowler faz uma linda homenagem à autora e constrói uma ótima história.

No fim do livro, há um especial que enriquece ainda mais a história, perfeito para qualquer fã de Austen. Além de falar um pouco sobre cada livro, Fowler reuniu comentários dos familiares de Austen sobre algumas obras e trouxe trechos de críticas de diversos anos e personalidades:

1913 – Virginia Woolf

Lá estava uma mulher, por volta do ano 1800, escrevendo sem ódio, sem amargura, sem medo, sem protestar, sem pregar. Era como Shakespeare escrevia, eu pensava […] e quando as pessoas comparam Shakespeare e Jane Austen, talvez queiram dizer que a mente de ambos havia esgotado todos os impedimentos; e por esse motivo não conhecemos Jane Austen e não conhecemos Shakespeare, e por esse motivo Jane Austen permeia todas as palavras que escreveu, assim como Shakespeare.

1925 – Edit Wharton

Jane Austen, naturalmente, exímia em sua clareza, bem equipada de serenidade; ela nunca falha, mas existem poucos ou nenhum como ela.

 

Sobre o autor
Camila Tebet
Camila Tebet Camila Tebet, 24 anos (05/06) – Paraná Jornalista, tem a literatura como uma de suas paixões. Acredita que os livros têm o poder de transformar e falar sobre essa arte é um de seus passatempos favoritos. Entre os seus livros favoritos estão "Harry Potter" (é claro), "Na Natureza Selvagem", "Orgulho e Preconceito" e "A Menina Que Roubava Livros". Também é apaixonada por séries, cinema e fotografia. Escreve também para o site www.expressocultural.com.


Deixe uma resposta

  1. quinta-feira, 9 de março de 2017.

    Na mesma noite que fiquei boquiaberta assistindo o filme ORGULHO E PRECONCEITO, precisei reassisti-lo, amei imagens, trilha sonora, personagens e corri para ler o livro de Jane Austen, desde então já assisti o filme umas outras 3 vezes, amo!

    Resolvi fazer o caminho inverno e ler primeiro o livro, li então RAZÃO E SENSIBILIDADE. Porém, ao assistir o filme, fiquei decepcionada porque a atriz protagonista Emma Thompson) não era bela como imaginei, até um pouco feia, mas de qualquer forma achei muito bonito, apesar de um pouco parado.

    Agora faltam todos os outros e essa deliciosa indicação. Louca para ler! Poxa! Quero muito!

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: