terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

AVALIAÇÃO: 3/5 EDITORA: RECORD, CORTESIA ISBN: 9788501104526 GÊNERO: ROMANCE HISTÓRICO
PUBLICAÇÃO: 2016 PÁGINAS: 350
SKOOB

Eu tenho lido muitos livros que são ambientados na Segunda Guerra Mundial, desta vez a narrativa se passa na Estônia após a ocupação dos russos, posteriormente dos alemães e novamente da URSS. Em Quando as pombas desaparecem, da finlandesa Sofi Oksanen, conhecemos a trajetória de três personagens, dois homens e uma mulher, e sua visão do país devastado pela guerra e sob domínio nazista e comunista.

Em 1941, os estonianos lutam pela libertação do país, é neste cenário que acompanhamos a história de dois soldados que fogem do exército vermelho. Após desertarem, os primos Roland e Edgar seguem por caminhos distintos, enquanto que o primeiro busca a liberdade da Estônia e seu povo, o segundo deseja estar longe do conflito armado e almeja uma vida mais confortável. Neste primeiro momento da história, além dos primos, temos as esposas. Roland é casado com Rosalie, porém, durante a ocupação nazista, na ausência do esposo ela é violentada e morta. Já Edgar é casado com Juudit, o relacionamento deles é bem complicado, a esposa inicialmente cumpre com seu papel, mas é difícil quando Edgar não a deseja e acaba a abandonando.

Juudit acredita que Edgar seja prisioneiro de guerra e possivelmente esteja morto, assim ela segue com sua vida. Mas, logo após a tragédia que acometeu Roland, Juudit ficou encarregada de ajudá-lo a descobrir qual o alemão responsável pelo ataque à Rosalie. No entanto, o plano vai ladeira abaixo, já que Juudit confunde o alvo e acaba conhecendo um belo espécime alemão por quem se apaixona e tem um caso.

Não tarda e as coincidências se topam, Edgar assume uma nova identidade e torna-se um colaborador para os nazistas e, por infortúnio do destino, ele acaba virando subordinado do amante da esposa. Com o desenrolar dos acontecimentos, Juudit se obriga a ajudar Roland e acaba tendo uma aventura com ele também (eita mulher fogosa). Edgar, como não é nem um pouco bobo, aproveita a deixa e entrega o esquema de ajuda aos refugiados de Roland e Juudit aos alemães de mão beijada. É aí que tudo se complica.

Já num segundo momento, aquele que se passa a partir de 1963, quando a Estônia está sob o domínio da URSS, Edgar assume outra identidade para preservar sua vida e também da esposa. Aqui Juudit é uma personagem secundária e pacta, ela retomou o casamento com Edgar e vive às custas de medicamentos. Enquanto Edgar usa de suas artimanhas e mentiras para sobreviver, Roland é alvo do primo, ninguém sabe seu paradeiro, já que é um ex-prisioneiro de guerra e também um fugitivo. Edgar pretende entregar sua cabeça numa bandeja de prata aos seus aliados.

Quando as pombas desaparecem é um livro composto por seis partes intercaladas entre dois principais momentos, os anos que compreendem a ocupação nazista (1941) e posteriormente a ocupação comunista (1963). O livro não segue um ordem cronológica, a narrativa se desenvolve entre as décadas de 40 e 60. Embora os três personagens já mencionados sejam os que mais se destacam, é Edgar quem aparece com maior intensidade na história.

O romance na trama é bem raso, Sofi Oksanen não desenvolve o lado sentimental dos personagens e seus vínculos afetivos. Pelo contrário, a autora tece a história e o desenrolar da guerra com maestria e junto às mudanças que acomete os personagens.

O desfecho foi um pouco confuso, embora houve uma pequena reviravolta nos acontecimentos e aí finalmente pude entender o que até então não compreendia. Por fim, posso dizer que a leitura é pouco difícil e vagarosa, mas a recomendo mesmo assim! Como dizem os sábios, “conhecimento nunca é demais”, é possível aprender bastante com os romances históricos.


 

Sobre o autor
Patrícia Oliveira Patrícia Oliveira, 25 anos (07/01) – São José/SC. Acadêmica de Direito, leitora assídua e blogueira. Lê de tudo um pouco, seus gêneros literários favoritos são romance histórico, época e contemporâneo, thriller psicológico, fantasia épica e clássicos. Sempre cultivou a ideia de criar um blog, onde pudesse compartilhar sua opinião. Quando não está fazendo tarefas cotidianas, geralmente está divertindo-se na companhia de seus bichos de estimação. Curte séries, filmes de comédia romântica e animes, mas sua grande paixão é a literatura.


Deixe uma resposta

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: