domingo, 5 de fevereiro de 2017

AVALIAÇÃO: 4,5/5 EDITORA: SEGUINTE, CORTESIA ISBN: 9788565765473 GÊNERO: DISTOPIA, FICÇÃO CIENTÍFICA, JOVEM ADULTO PUBLICAÇÃO: 2014 PÁGINAS: 328 SKOOB

AVALIAÇÃO: 4/5
EDITORA: SEGUINTE, CORTESIA
ISBN:9788555340239
GÊNERO: DISTOPIA, FICÇÃO CIENTÍFICA, JOVEM ADULTO
PUBLICAÇÃO: 2016
PÁGINAS: 216
SKOOB

Nova Era é o último volume da trilogia Mundo Novo que nos apresenta um universo onde após uma doença ter dizimado grande parte da população, o mundo é comandado por adolescentes, que curiosamente são imunes a doença e por isso foram os únicos sobreviventes.

A história começa exatamente onde o segundo livro terminou, com Donna retornando à Nova Iorque acompanhada de Rab e outros integrantes da Reconstrução, e Jefferson fugindo após seu plano ter dado errado. As coisas estão indo de mal a pior, e como se já não bastassem todos os problemas, os garotos descobrem que uma arma poderosa capaz de causar uma grande destruição no mundo, acabou indo parar nas mãos erradas quando um aliado do grupo resolveu trair seus parceiros e se uniu a tribo da Uptown.

Agora além de ter que lidar com os inimigos da tribo da Washington Square, os garotos precisam encontrar uma maneira de impedir que a tribo da Uptown ative a arma e cause uma guerra que irá acabar com as esperanças de um novo mundo.

Muita coisa aconteceu nos primeiros volumes dessa trilogia, nós junto com os protagonistas da história, descobrimos que existe uma cura para a doença e que contrariando o que nos foi dito no início, a doença não atingiu o mundo inteiro, portando o mundo lá fora continua o mesmo com os adultos no comando. Essa reviravolta na história apesar de ter sido um pouco chocante para mim acabou sendo um acerto do autor, já que a trama ganhou mais emoção e pode seguir um rumo diferente do que era esperado.

Outro acerto do autor foi a evolução dos nossos protagonistas, pois mesmo com a volta dos adultos, eles não ficaram a mercê de suas ordens e continuaram independentes lutando pela sua sobrevivência e pelos seus amigos. Vê-los lidando com as consequências de seus atos e assumindo a responsabilidade mostrou o quanto eles amadureceram, e isso foi uma grata surpresa.

“Talvez seja assim que funcione. Talvez o caminho para a igualdade não esteja cheio de boas intenções nem possa ser traçado sobre bases legais e de mudança social gradual. Talvez só seja conquistado na base da briga.”

Também gostei muito da maneira com que o autor nos contou a história dividindo os capítulos entre os personagens mais importantes. Além de termos a visão dos nossos protagonistas, também tivemos a oportunidade de estarmos na mente de um dos vilões da história. As partes narradas em primeira pessoa por Evan (líder da Uptown) foram as minhas favoritas, pois finalmente conseguimos conhecer mais sobre o personagem e sendo assim, pudemos entender suas motivações.

No entanto apesar de ter acertado em vários pontos, o autor falhou nas relações. A escolha de transformar uma relação que já estava complicada em um quadrado(?) amoroso foi um fiasco total. Acredito que todo o tempo gasto nisso poderia ter sido melhor utilizado, já que o desfecho para essa trama acabou sendo muito preguiçoso e previsível.

Falando em desfechos preguiçosos e previsíveis, confesso que também achei o desfecho da trilogia bem decepcionante. Não julgo exatamente a maneira como a história acabou, pois não consigo visualizar outro final, mas julgo as pontas soltas que ficaram pelo caminho. O autor deixou tudo para ser resolvido nas últimas páginas fazendo com que tudo ficasse muito corrido e raso demais. Foi uma grande decepção ver uma trilogia que gosto tanto acabar assim.

Foto: Tayara Casemiro / Viagens de Papel

Fora minha decepção com a conclusão da trilogia, não posso negar que adorei ter a oportunidade de conhecer essa história. Sempre deixei claro o quanto achei criativa a proposta do autor e em todas as resenhas fiz questão de elogiar sua originalidade. Vendo no geral e não julgando somente esse último volume, posso dizer que essa trilogia foi uma ótima descoberta e que merece muito ser lida e comentada, portanto se você gosta de distopias dê uma chance, mas já esteja preparado para um final não tão empolgante assim.


Conheça os outros títulos da trilogia Mundo Novo:

1. Mundo Novo (2014)

2. Nova Ordem (2015)

3. Nova Era (2016)


Sobre o autor
Tayara Olmena Estudante que tomou gosto pela leitura aos 12 anos de idade depois que leu "A marca de uma lágrima" do escritor Pedro Bandeira. Costuma ler de tudo, mas ainda torce o nariz para o romance. Além de ler, também é viciada em séries e filmes, e não perde a oportunidade de maratonar sua série favorita.


Deixe uma resposta

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: