terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Avaliação: 3,5/5 Editora: Schoba, Cortesia ISBN: 9788580134636 Gênero: Crônicas, Literatura Brasileira Publicação: 2016 Páginas: 158 Skoob

Avaliação: 3,5/5
Editora: Schoba, Cortesia
ISBN: 9788580134636
Gênero: Crônicas, Literatura Brasileira
Publicação: 2016
Páginas: 158
Skoob

Recebi o livro Não quero um amor meia-boca da Editora Schoba e até então não conhecia os textos do autor brasileiro Ricardo Coiro. Ele escreve para sites como “Casal Sem Vergonha” e “Superela“. O blog recebeu o título de surpresa, ai fiz a solicitação da obra sem muito o que esperar, mas me interessei pelo título. Quando comecei a ler, deparei-me com crônicas sobre amor e relacionamentos. A leitura foi descontraída e satisfatória, cumprindo com as minhas expectativas.

Em 162 páginas, o autor utiliza sua experiência para falar sobre um assunto comum a todos, por isso é fácil se identificar com seus textos. Ele destaca, principalmente, que quer viver um amor arrebatador, mas diferente do que se vê nas novelas, geralmente ele chega sem se esperar e quase nunca é à primeira vista – cada relacionamento se constrói aos poucos.

Às vezes divagando sobre os sentimentos, às vezes narrando acontecimentos de sua própria vida, Coiro fala sobre o assunto com naturalidade e de forma bastante romântica. Mas ao mesmo tempo em que é romântico, ele foge do brega, trazendo humor e sensualidade para as páginas. Em qualquer fase que esteja, o leitor vai gostar de acompanhar as crônicas, pois são envolventes e de fácil identificação.

Gostei desse primeiro contato com a narrativa do autor, mas algumas coisas me incomodaram no livro. Como fui devorando várias crônicas ao mesmo tempo, depois de algumas páginas é possível perceber que Coiro repete muitos elementos em seus textos – todos seguem basicamente o mesmo estilo. As que eu mais gostei foram as que fugiram um pouco do padrão e trouxeram relatos de suas experiências pessoais – como quando ele fez uma surpresa para a namorada e a levou para o Chile depois de um longo dia de trabalho.

Outro ponto negativo da obra é que algumas crônicas são narradas do ponto de vista feminino. Essa mudança não funcionou no livro, pois segue o estilo característico de escrita do autor e soou muito forçada, como se ele tentasse abordar a mente feminina, mas passando bem longe.

Apesar de algumas falhas, o livro está bem legal, com textos divertidos, leves, e que falam sobre um assunto essencial à todos, o amor.


Sobre o autor
Camila Tebet
Camila Tebet Camila Tebet, 24 anos (05/06) – Paraná Jornalista, tem a literatura como uma de suas paixões. Acredita que os livros têm o poder de transformar e falar sobre essa arte é um de seus passatempos favoritos. Entre os seus livros favoritos estão "Harry Potter" (é claro), "Na Natureza Selvagem", "Orgulho e Preconceito" e "A Menina Que Roubava Livros". Também é apaixonada por séries, cinema e fotografia. Escreve também para o site www.expressocultural.com.


Deixe uma resposta

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: