segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

AVALIAÇÃO: 5/5 EDITORA: ZIT EDITORA, CORTESIA ISBN:9788579331053 GÊNERO: INFANTOJUVENIL, HQ, COMÉDIA PUBLICAÇÃO: 2016 PÁGINAS: 32 SKOOB

AVALIAÇÃO: 4/5 EDITORA: CIA DAS LETRINHAS, CORTESIA ISBN:9788574067407 GÊNERO: BIOGRAFIA, MEMÓRIAS, INFANTOJUVENIL, DIÁRIO PUBLICAÇÃO: 2016 PÁGINAS: 80 SKOOB

Em Imigrantes e Mascates, as memórias do autor Bernardo Kucinski são expostas de modo bastante interessante. Apesar dele ter nascido no Brasil, seus familiares paternos – pai, mãe e irmão mais velho, imigraram da Polônia e Alemanha. Kucinski inicia seu relato contando suas primeiras lembranças morando no bairro de Água Fria, em São Paulo, e já impressiona por suas declarações sobre a família:

“… só percebi o peso do Holocausto na minha infância depois de adulto. Era algo tão terrível que meus pais não falavam disso. Hoje atribuo ao Holocausto as crises de melancolia de minha mãe, que nele perdeu seus pais, seus irmãos e quase todos os tios e primos.”

Seu relato menciona muito o pai e toda sua trajetória como orador, influenciador político, sapateiro não tão bem sucedido, mascate andarilho, mascate de charrete e lojista.

“…uma família de respeito, embora muito pobre”

“Aos poucos meu pai foi dando certo como mascate. Os ambulantes judeus vendiam com facilidade  porque dividiam o pagamento em prestações mensais. Foram os inventores do crediário.”

A parte política é bastante relevante. Ler a percepção  de um jornalista como Kucinski, com o olhar de quem viveu a história, é fantástico. Se o livro for usado dentro da escola, como ferramenta para complementar o ensino de história, será excelente.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Foi divertido ler sobre as banalidades do cotidiano do garoto aqui no Brasil, que para nós que vivemos no século XXI se tornam ainda mais fascinantes. Muito interessante ver o documento do pai de cocheiro profissional, hábil para um animal, entre outras:

“A cada dia da semana um vendedor percorria nossa rua tocando um sininho ou apregoando sua mercadoria. Um dia era o peixeiro, e nesse dia comíamos sardinha; outro dia, o homem tocando os cabritos, e nesse dia bebíamos leite de cabra; depois o entregador de gelo, e assim por diante.”

Para se deliciar, há um capítulo intitulado “A descoberta dos livros”. Ao contrário do irmão mais velho, Bernardo gostava de ir mais cedo para cama só para ler os livros que buscava na biblioteca municipal Monteiro Lobato,  já os quadrinhos ele lia escondido, já que o pai acreditava que idiotizava as crianças.

Como pontos que não chegam a ser de todo negativos, o fato de ter apenas duas fotos de Bernardo, uma de bebê, ao longe no colo da mãe e outra já um pouco maior, talvez com uns dez anos, junto com a mãe e a irmã mais nova. Fez falta fotos do autor adolescente e adulto, bem como uma foto atual. Outro ponto foi que a história é apenas contada, sem estar em ordem cronológica. Apenas uma ou outra informação é apresentada com data, mas isso não chega a atrapalhar, apenas parece que o autor está ao nosso lado nos falando de sua infância e isso é até bastante reconfortante.

O livro faz parte da Coleção Memória e História e mescla fotos, documentos e as ilustrações de Maria Eugênia. O primeiro livro da coleção foi lançado em 1998, esse é o 10º título. Depois dessa leitura, fiquei curiosa para ler os anteriores.

Kucinski é jornalista, professor universitário aposentado da USP, além de ter sido assessor da Presidência da República. Esse foi seu primeiro livro voltado para o público infantojuvenil, mais uma ótima leitura oferecida pela Companhia das Letrinhas.


Sobre o autor
Nara Dias 31 anos (22/12) – São Paulo Pós graduada na USP em Ética, valores e cidadania na escola, atua como professora de informática e robótica para crianças de 4 a 11 anos. Também com especialização em Libras - Língua Brasileira de Sinais, participa da comunidade surda da região onde mora, na Baixada Santista. Seu perfil no Skoob com mais de mil livros lidos, mostra sua paixão pelo gênero infanto-juvenil, onde capa, ilustração e tipo de impressão interferem muito em suas escolhas.


Deixe uma resposta

  1. terça-feira, 7 de fevereiro de 2017.

    Olá, tudo bem? Adoro livros com essas temáticas e confesso que não conhecia o livro nem a coleção. Já fiquei interessa, por isso dica anotada <3 Ótima resenha!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

  2. terça-feira, 7 de fevereiro de 2017.

    Oi, tudo bem?
    Olha que interessante! Capa linda e diagramação perfeita! E por ser memórias, fiquei super curiosa! Dica anotada!

  3. sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017.

    Eu adoro livros históricos!
    Adorei sua resenha e os trechos que você destacou nela.
    Dica anotada.

  4. sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017.

    Oiii Nara, tudo bem?
    Fiquei apaixonada pela sua resenha e com toda certeza adoraria ler e resenhar em meu blog, por mais que não conhecesse! Ótima resenha.
    Beijinhos da Morgs!

  5. quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017.

    Leio biografias de vez em quando, mas essa parece ser uma daquelas que você lê e não esquece. Vou dar uma conferida, pois sei que é o tipo de livro que meu EU criança teria adorado! kk

  6. sábado, 25 de fevereiro de 2017.

    Oiee
    Não conhecia o livro e nem a coleção, mas achei bem interessante. Essa parte de ele só ter percebido quando cresceu o que de fato era o holocausto e de como isso era ruim foi a que mais me tocou. Não só por esse tema mas por qualquer outro, quando você é pequeno e vê seus pais tristes você não entende, eles querem te proteger ao máximo. Então você cresce e as coisas começam a fazer sentido…
    Abraços

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: