quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

AVALIAÇÃO: 5/5 EDITORA: GALERA RECORD, CORTESIA ISBN: 9788501105790 GÊNERO: HQ, CLÁSSICO, JUVENIL PUBLICAÇÃO: 2016 PÁGINAS: 216 SKOOB

Foi com muito receio e empolgação que recebi o livro da Galera Record para avaliação. Sempre tive vontade de ler Shakespeare, mas faltava colocar essa vontade em prática. Porém minhas preocupações tinham fundamento, como fazer uma boa avaliação de uma adaptação para mangá de um clássico de peso como Macbeth sem antes conhecer a história original? Nas bibliotecas que tenho acesso, encontrei apenas adaptações, mesmo assim não deixei de ler.

A edição da Galera Record está excelente e faz parte da “Coleção Mangá Shakespeare“, lançada em 2011, essa é a sexta obra adaptada. Acredito que em breve teremos outras adaptações, já que a coleção original lançada em inglês possui mais oito outros títulos, todas escritas por Richard Appignanesi, que manteve o texto praticamente original, porém abreviado, ou seja, em alto nível, bastante pomposo e rebuscado, permitindo assim o destaque em cenas chaves. Damos os créditos também para o tradutor Alexei Bueno.

É impactante ver uma história tão antiga, mostrada em quadrinhos numa versão moderna e extremamente atraente não só para a galerinha adolescente. Ninguém poderia imaginar, transformar um ambicioso rei medieval num guerreiro samurai que vive num mundo pós atômico dominado por mutantes. As ilustrações são de Robert Deas.

O único ponto parcialmente negativo foi que apenas a capa e os personagens que são apresentados nas páginas iniciais são coloridos, o restante da história é em preto e branco.

Ao final da história, ainda é possível ler um breve texto sobre Macbeth e a biografia de Shakespeare.

Cada vez se faz mais necessário esse tipo de trabalho, para introduzir os textos clássicos, tornando-os acessíveis a todos. Mais que recomendado!

“Vinde, espíritos, e extirpai-me o sexo! Enchei-me da cabeça aos pés, inteira, da pior crueldade. Sugai, nos seios meus, bílis, não leite, assessores do crime! Vem, noite espessa, e meu punhal não deixes ver os cortes que faz.”

COLEÇÃO MANGÁ SHAKESPEARE


Confira outras dicas de leituras!


AVALIAÇÃO: 5/5 EDITORA: SCIPIONE ISBN: 9788526246614 GÊNERO: HQ, INFANTOJUVENIL PUBLICAÇÃO: 2002 PÁGINAS: 96 SKOOB

Tive o prazer de ler o excelente texto do paulistano Hildegard Feist, responsável pela adaptação dessa obra. Essa edição pertence à “Coleção Reencontro”  da Editora Scipione, com mais de 20 títulos de grandes autores. O livro inicia com um texto falando sobre Shakespeare, já a narrativa da história, sempre em terceira pessoa, é dividida em 17 capítulos, cada um com um título e algumas ilustrações em preto e branco feitas por Jótah.

Alguns elementos diferenciam essa adaptação, o que é bastante natural. No texto original por exemplo, Lady Macbeth recebe uma carta de seu esposo contando a profecia das bruxas, no Mangá a mensagem é enviada através de um holograma, na versão de Hildegard, apenas mostra a chegada apressada de Macbeth e a conversa de ambos.

Apenas no finalzinho me senti um pouco confusa porque não ficou claro quem era o conde de Northumberland que perdeu seu filho na batalha final. Fora isso tudo foi muito bem contado.

Foto: Nara Dias / Viagens de Papel

Foto: Nara Dias / Viagens de Papel

“…Lady Macbeth juntou as mãos e, com os olhos fechados, pronunciou ma oração aterradora: – Vinde, espíritos das trevas, atendei minha súplica! Fazei todo o meu ser transbordar com a mais absoluta crueldade, tornai meu sangue espesso como chumbo derretido, transformai meu coração num bloco de pedra, arrancai de mim qualquer coisa que se pareça com piedade, bloqueai todos os caminhos que possam levar ao remorso! Encobri este castelo com a mais densa fumaça do inferno, para que o céu não veja a mão que segura o punhal e não a mande parar antes de atingir o alvo! Ajudai-me a conquistar o trono!”

“Enquanto ela se afastava, resoluta, Macbeth deixou as costas deslizarem parede abaixo até que se sentou no chão. Contemplando tristemente as mãos ensanguentadas, o general murmurou: – Nem toda a água do oceano bastaria para limpar este sangue… Ao contrário, minhas mãos é que tingiriam o mar de vermelho…”


AVALIAÇÃO: 5/5 EDITORA: CORTEZ ISBN: 9788524913310 GÊNERO: INFANTOJUVENIL, CORDEL PUBLICAÇÃO: 2008 PÁGINAS: 38 SKOOB

Pois é, Macbeth misturou-se à riqueza brasileira da literatura de cordel. Cada estrofe possui seis versos, verso sim, verso não, temos a rima cuidadosamente elaborada, formando a história de ambição, inveja e busca desenfreada pelo poder.

As xilogravuras em preto e branco que tradicionalmente acompanham o cordel, nesse caso foram desenhadas e coloridas, palmas ao pernambucano Jô Oliveira, magnífico trabalho.

De fácil leitura, compreensão e de uma leveza sem igual.

Das três obras, foi a única que não mencionou que a maldosa Lady Macbeth não assassinou ela própria o rei Duncan, porque este se parecia com seu pai.

No decorrer da história, com medo de perder o poder que tomou à força, Macbeth faz uma nova consulta às três bruxas, no cordel, essas profecias são ditas em ordem diferente. São apenas observações e não críticas.

O destino final de Lady Macbeth é o suicídio, no mangá ela pula da sacada, no Reencontro apenas diz que ela tirou a vida com as próprias mãos, no cordel ela toma veneno. Independente da forma o desfecho é trágico, não só para ela como para seu esposo.

Para um menino cearense, alfabetizado pela avó com o auxílio da literatura de cordel, imagino que o fato de Arievaldo Viana ter crescido imerso nessa cultura contribuiu imensamente para que obtivéssemos acesso a essa obra excepcional.

Foto: Nara Dias / Viagens de Papel

Foto: Nara Dias / Viagens de Papel

Sobre o autor
Nara Dias 31 anos (22/12) – São Paulo Pós graduada na USP em Ética, valores e cidadania na escola, atua como professora de informática e robótica para crianças de 4 a 11 anos. Também com especialização em Libras - Língua Brasileira de Sinais, participa da comunidade surda da região onde mora, na Baixada Santista. Seu perfil no Skoob com mais de mil livros lidos, mostra sua paixão pelo gênero infanto-juvenil, onde capa, ilustração e tipo de impressão interferem muito em suas escolhas.


Deixe sua opinião

Seu email não será publicado.



*

  1. terça-feira, 17 de janeiro de 2017.

    Shakespeare foi o autor de minha adolescência, grande autor, diga-se de passagem, concordo com você, para ler a adaptação é importante, às vezes, conhecer o original. Agora, vou ser bem honesta, não consegui achar a versão atraente, pra mim é outra história, outra coisa.

  2. terça-feira, 17 de janeiro de 2017.

    Nossa, que interessante eu nunca pensei em ver um mangá do shakesperare e achei bem legal.

  3. terça-feira, 17 de janeiro de 2017.

    Nunca li nada do Shakespeare, e essa ideia de publicação é muito legal. Acredito que essa ideia de lançar um livro tão clássico e tão conhecido mundialmente em forma de HQ seja levar de forma mais leve e descontraída uma história que é tida (para os mais jovens) como chata. Uma boa sacada para alcançar o público jovem. Eu gosto de HQ’s mas não leria essa, prefiro a história de forma tradicional mesmo. Eu amei o nome do seu blog!!! Beijos!!!

  4. quarta-feira, 18 de janeiro de 2017.

    Oiii, tudo bem?
    Que postagem mais encantadora menina, fiquei querendo ler quando soube da existência do HQ e agora que vi sua resenha só me deixou mais animada a querer ler.
    Beijinhos da Morgs!

  5. quarta-feira, 18 de janeiro de 2017.

    adorei os mangás!!! eu amo Shakespeare, independente da forma que nos é apresentada! vou procurar meu favorito, Como Gostais. tomara que eu encontre. muito legal essas outras edições! ❤️

  6. quarta-feira, 18 de janeiro de 2017.

    Oi, tudo bem?
    Shakespeare em mangá! Está aí algo que eu não esperava!!
    Parece bem interessante!!
    Bjs

  7. quinta-feira, 19 de janeiro de 2017.

    Amo Shakespeare e é um escritor que eu admiro muito. Achei a ideia bem legal, mas não sou muito fã de mangá.

  8. sexta-feira, 20 de janeiro de 2017.

    Olá!
    Eu adoro Shakespeare e li quase todas as suas obras no formato normal mesmo, mas achei muito interessante essa nova edição, com certeza irá despertar a atenção dos jovens para esses clássicos, nessa maneira mais gostosa de ser lida.
    Beijos.

  9. sexta-feira, 20 de janeiro de 2017.

    Uau! Não conhecia essa coleção! Quando vi a capa já achei que tinha alguma cosia de diferente com a história original… Agora samurais e mutantes? Nossa, surpreendente mesmo! Infelizmente também não li a obra original ainda, mas pretendo! =)

  10. sábado, 21 de janeiro de 2017.

    Oi, tudo bem?

    Nossa, Shakespeare é algo que nunca me seduziu. O único livro que li dele foi Sonhos de uma noite de verão e achei sem emoção nenhuma (acho que porque não gosto de narrativas em forma teatral). Mas, de amigo secreto, ganhei uma compilação de poesias dele que pretendo ler por gostar do gênero. Devo dizer que conhecia a coleção de HQ’s dele, no entanto, não quis ler. A-d-o-r-o HQ’s, mas leio poucas – se fosse outro autor, com certeza, leria. Acho que a mídia é tão rica, tão encantadora, deviam adaptar mais romances para quadrinhos! *-*
    As outras dicas não conhecia.

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

  11. sábado, 21 de janeiro de 2017.

    Oi, tudo bem?
    Macbeth ilustrado? Que máximo, achei genial! Linda as gravuras! Encantada e já adicionado na lista! Parabéns pelo post!

  12. segunda-feira, 23 de janeiro de 2017.

    Uma leitura super interessante para os fãs do gênero! Uma ótima maneira de apresentar os clássicos da literatura aos adolescentes. As ilustrações estão de parabéns!

  13. sexta-feira, 27 de janeiro de 2017.

    Olha eu já li algumas obras de Shakespeare na adolescência, hoje em dia nao sei se leria, afinal os gostos literários mudam muito com o tempo, e a proposta não me agradou tanto a ponto de me dar aquela vontade de ler.

Comentários no Facebook