quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

AVALIAÇÃO: 3/5
EDITORA: RECORD,CORTESIA
ISBN: 9788501106933
GÊNERO: Fantasia, thriller
PUBLICAÇÃO: 2016
PÁGINAS: 238
SKOOB

A nona vida de Louis Drax, escrito pela autora Liz Jensen e publicado no Brasil pela editora Record, vai nos contar a história do pequeno Louis, um garoto de 9 anos que possui um histórico de acidentes alarmante e é conhecido como o menino maluco.

Louis não é um garotinho comum, com uma mente extremamente criativa e cheia de ideias obscuras, ele não se encaixa no meio dos garotos de sua idade. Sua inteligência e sua maneira de agir sempre foram vistas como algo estranho, e como se já não bastasse ser tratado como o “diferente” por esses motivos, Louis também sofre acidentes constantes e já esteve várias vezes entre a vida e a morte, o que faz com que sua pobre mãe seja uma mulher extremamente preocupada e paranoica com tudo o que diz respeito ao seu filho.

No nono aniversário de Louis, um terrível acidente acontece, o garoto acaba caindo de um penhasco e é dado como morto, só que milagrosamente após algum tempo Louis volta à vida e entra em estado de coma, o que impossibilita a polícia de descobrir a verdade por trás desse estranho acidente. Com seu pai desaparecido e sua mãe em estado de choque, a única pessoa que pode ajudar na recuperação do garoto é o Doutor Pascal Dannachet, que entra de cabeça no caso e acaba se envolvendo mais do que deveria e descobre que o caso de Louis é muito mais complexo do que ele poderia imaginar.

Com um ritmo mais lento e uma narração em primeira pessoa que se divide entre Louis e o Dr. Pascal, a autora nos lança em uma história repleta de mistério e que nos enche de agonia conforme vamos avançando na leitura. As relações desenvolvidas na história beiram a loucura e são tão doentias que me causaram repulsa em diversos momentos, a autora soube trabalhá-las com maestria e as usou de uma maneira muito inteligente para nos contar a história.

“Porque você pode amar uma pessoa, mesmo que esteja morta, e ela pode amar você também, foi isso que acabei de descobrir.”

Os personagens possuem personalidades muito marcantes e todos carregam um pouco de loucura dentro de si, até mesmo o Dr. Pascal que em sua narração demonstra ser uma pessoa um tanto quanto deslumbrada e que perde o controle muito fácil. Outro personagem muito interessante e complexo é o nosso protagonista, Louis. O garoto é muito diferente e pensa de uma maneira muito adulta para sua idade, os capítulos narrados por ele, apesar de serem um pouco mais sombrios, foram os meus favoritos, pois eles me fizeram compreender melhor a história e entender tudo o que se passava na cabeça do garoto.

“Meninos não devem fazer suas mães chorarem. E, se suas mães chorarem, os meninos devem estar por perto para consolar elas e dizer sinto muito que tenha dado tudo errado, mamãe, sinto muito que você esteja com o coração na boca o tempo todo, sinto muito que o perigo tenha me pegado e que eu esteja num lugar onde você não pode me alcançar. Sei que tentou impedir isso. Sei que pensou “Tenho que protege-lo, tenho que protegê-lo”. Sei que disse isso. Não é sua culpa se não adiantou.”

Mas apesar de eu ter gostado de muitas coisas nesse livro, confesso que ele não me agradou por completo. Ele não é um livro fácil de ser lido, possui um ritmo lento e definitivamente não é uma leitura indicada para quem gosta de ler livros rápidos. Demorei bastante para me acostumar com a escrita e entrar de fato na história, só fui me empolgar realmente na metade do livro, então a partir daí a leitura fluiu melhor e eu me empolguei mais com a trama.

Outro ponto que não me agradou muito foi o mistério em si, já que logo no início eu já suspeitava o que havia acontecido e quem era o culpado. Acredito que foi meio previsível, mas felizmente a autora soube recuperar esse ponto na maneira como tudo aconteceu, pois apesar de eu já ter sacado algumas coisas, acabei me surpreendendo muito no final com as motivações e as explicações dos pontos que ficaram soltos no decorrer da história.

Foto: Tayara Casemiro / Viagens de Papel

Enfim, no geral A nona vida de Louis Drax é um bom livro e cumpre com o que prometeu. Pode não ter sido o melhor livro de mistério que já li, mas foi um ótimo entretenimento. Recomendo sim a leitura, mas já aviso: se for ler, tenha um pouquinho de paciência no início, eu prometo que depois ele fica melhor!


 

Sobre o autor
Tayara Olmena Estudante que tomou gosto pela leitura aos 12 anos de idade depois que leu "A marca de uma lágrima" do escritor Pedro Bandeira. Costuma ler de tudo, mas ainda torce o nariz para o romance. Além de ler, também é viciada em séries e filmes, e não perde a oportunidade de maratonar sua série favorita.


Deixe uma resposta

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: