AVALIAÇÃO: 4/5 EDITORA: BIBLIOTECA AZUL , CORTESIA ISBN: 9788525062529GÊNERO: ROMANCE, FICÇÃO PORTUGUESA PUBLICAÇÃO: 20126 PÁGINAS: 264 SKOOB

AVALIAÇÃO: 4/5 EDITORA: BIBLIOTECA AZUL , CORTESIA ISBN: 9788525062529 GÊNERO: ROMANCE, FICÇÃO PORTUGUESA
PUBLICAÇÃO: 20126 PÁGINAS: 264
SKOOB

A máquina de fazer espanhóis é do autor português Valter Hugo Mãe e recebeu esse ano uma nova edição pela Editora Globo. A diagramação do livro é um destaque a parte, com a capa em amarelo e a lombada do livro em rosa, o que gera uma relação de cores bem contrastante. Não conhecia o livro nem o autor, mas por indicação acabei solicitando e confesso que não me arrependi.

O livro conta a história do barbeiro António Jorge da Silva, que após perder a mulher passa a viver num lar de idosos. Os quartos da ala direita dão para um jardim onde crianças brincam. Os da esquerda, reservados aos acamados, têm vista para o cemitério. Que alegrias pode a vida oferecer a alguém tão próximo de seguir esse caminho? A convivência com funcionários e pacientes do asilo, entre eles o centenário Esteves “sem metafísica”, do poema “Tabacaria”, de Fernando Pessoa, revela a António uma nova possibilidade de existência.

A narrativa de Mãe mostra-se logo no início totalmente diferente do que estava acostumado a ler. A um estilo meio José Saramago, o livro não possui uma pontuação e separação costumeira. Não temos dimensão do que é fala, diálogo ou apenas narrativa. Para quem nunca leu algo do tipo, como eu, pode estranhar um pouco no começo. No entanto, a história que o autor propõe acaba se tornando muito mais interessante, então basta um pouco de esforço para ir em frente.

O livro tem um ar meio melancólico e reflexivo. Não é uma leitura que você fará numa tarde, pelo contrário, precisa de tempo para compreender melhor o que está sendo proposto. O autor aborda de maneira delicada a questão da velhice e das possibilidades que a vida oferece quando se chega nesse estágio. Ao mesmo tempo, tem um pano de fundo maior, que seriam as reminiscências do governo ditatorial salazarista, presente em Portugal durante um bom período. Além disso, o próprio título do romance diz respeito à relação entre Espanha e Portugal, onde afirma que o segundo ainda produz espanhóis. Para quem gosta da temática e do estilo de leitura, o livro é uma ótima pedida. Não possui um ápice grandioso como qualquer outro, mas mesmo assim é uma leitura que deve ser realizada.

Sobre o autor
Lucas Kammer Orsi
Lucas Kammer Orsi

Estudante de História. Vê nos livros uma maneira de fugir da realidade e encontrar um pouco de aconchego do cotidiano tão corrido. Potterhead, se emociona fácil com romances, mas não deixa de lado um bom suspense, de viver uma aventura e dá gargalhadas com um chick-lit. Está sempre com suas séries atrasadas, mas isso não o impede de sempre começar mais uma. Amante da música pop, é grande fã de Taylor Swift.



Deixe uma resposta

  1. terça-feira, 20 de dezembro de 2016.

    Não conhecia o título, nem o autor, mas fiquei muito interessada!

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: