AVALIAÇÃO: 5/5 EDITORA: ROCCO ISBN: 9788532530431
GÊNERO: FANTASIA, JOVEM ADULTO, ROTEIRO
PUBLICAÇÃO: 2016
PÁGINAS: 352
SKOOB

Em 2007 foi lançado o sétimo livro de Harry Potter. Desde então, os fãs de todo o mundo se sentiam órfãos pelas aventuras do bruxinho mais famoso de todos os tempos. De lá para cá, tivemos os outros filmes, a plataforma Pottermore e a inauguração do parque do mundo bruxo em Orlando. Apesar de tudo, isso não era suficiente. No último ano foi anunciado que seria lançada uma nova história, desta vez nos palcos. Os olhos se voltaram para a criadora desse universo tão incrível, J. K. Rowling. No entanto, a peça estava restrita apenas a Londres: e o restante do mundo, como ficava? Pensando nisso é que foi decidido a publicação do roteiro da peça, em nível mundial. A atração teve estreia em junho desse ano, junto do roteiro. No Brasil, foi publicado no Halloween, em uma edição capa dura (e maravilhosa!) e é aqui que venho comentar sobre as impressões gerais.

Dezenove anos se passaram desde a Batalha de Hogwarts e a queda de Lord Voldemort. A cicatriz de Harry nunca mais incomodara, mas ele não imaginava que outras coisas viriam no lugar. Pai de dois filhos e casado com Gina, Harry vai ter que aprender a lidar com algo que nunca imaginou ter de lidar: a relação com seu filho Alvo. E junto disso, o passado volta com tudo e as trevas podem vir de onde você menos espera.

Não vou dar muitos detalhes sobre a sinopse, até porque no próprio livro não há muitas informações e isso foi extremamente importante quando conheci a história. O livro tem início justamente quando acaba o sétimo, com a ida dos filhos de Harry, Rony, Gina e Hermione para seu primeiro ano em Hogwarts. Por se tratar de um roteiro, temos acesso apenas às falas e diálogos, o que pode ser bom por um lado, mas ruim para outro. A leitura se torna fluida, mas há uma certa dificuldade em conseguir se situar na história, pois como são vários atos, em um momento você está em Hogwarts e logo em seguida no Ministério da Magia, a passagem de cena se torna um pouco brusca. Além disso, há um grande salto que se torna constante na primeira parte do livro, onde cada cena é um novo ano em Hogwarts. Fiquei meio perdido, até porque não tinha dimensão do que a autora queria propor e quais seriam os caminhos da história.

Quando o livro realmente dá a entender qual é seu propósito, a opinião muda consideravelmente. É muito bom retornar a Hogwarts e encontrar velhos e bons amigos. Quem acompanha ou acompanhou a saga sabe do que estou dizendo. É extremamente nostálgico. No entanto, ler essa nova história gerou a sensação que tinha algo errado. É estranho pensar que os personagens principais já são pais de famílias e que são seus filhos que protagonizam essa aventura. Ao mesmo tempo, os caminhos pelo qual a história é levada podem forçar um pouco a barra. É como se quebrasse o ciclo que os sete livros anteriores haviam realizado, considerando até que em alguns momentos tive a sensação de estar lendo uma fanfic.

Todavia, lembrei se tratar de uma peça, logo, é outra maneira de se lidar com a ficção. Em um livro literário, o autor pode usar e abusar da imaginação. Em um roteiro, algumas atitudes e tomadas de decisões ficam mais limitadas, pensando no espaço e a estrutura ao qual ela irá ocorrer. A história pode parecer um pouco pobre. No entanto, fiquei imaginando como seria assistir a peça ao vivo e a cores e acredito que a experiência seria totalmente diferente. Eu conseguiria dar mais crédito a história em si. Apesar disso, as aventuras em si são bem desenvolvidas. Não sei se é porque gosto disso, mas há uma grande sacada na relação entre passado-presente-futuro que aparece com frequência na história que me cativou e fez pensar o quão quanto a autora era brilhante.

Brilhantismo também se refere ao desfecho da história. A cena final me pegou de surpresa e me fez ficar refletindo mesmo após o fim da leitura. J. K. Rowling presenteia seus fãs com mais um capítulo de uma saga que cativou e emocionou fãs ao redor do mundo inteiro. Fiquei triste por não ser um livro literário, mas digo uma coisa: dessa mulher eu leria até mesmo sua lista de compras!

Sobre o autor
Lucas Kammer Orsi
Lucas Kammer Orsi Estudante de História. Vê nos livros uma maneira de fugir da realidade e encontrar um pouco de aconchego do cotidiano tão corrido. Potterhead, se emociona fácil com romances, mas não deixa de lado um bom suspense, de viver uma aventura e dá gargalhadas com um chick-lit. Está sempre com suas séries atrasadas, mas isso não o impede de sempre começar mais uma. Amante da música pop, é grande fã de Taylor Swift.


Deixe uma resposta

  1. terça-feira, 20 de dezembro de 2016.

    Huauauau gostei de sua resenha, mas ainda não estou preparada para esse livro.

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: