EDITORA: PLATAFORMA21, CORTESIA ISBN: 9788576839828 GÊNERO: DISTOPIA, FICÇÃO CIENTÍFICA JOVEM ADULTO PUBLICAÇÃO: 2016 PÁGINAS: 328 SKOOB

EDITORA: PLATAFORMA21, CORTESIA
ISBN: 9788576839828
GÊNERO: DISTOPIA, FICÇÃO CIENTÍFICA JOVEM ADULTO
PUBLICAÇÃO: 2016
PÁGINAS: 328
SKOOB

Atenção: Essa resenha contém spoilers dos volumes anteriores!

Pensando em trazer novas opiniões e apresentar para vocês novos olhares a partir de uma mesma obra, esta resenha seguirá um formato diferente. Logo abaixo, vocês encontrarão duas opiniões a respeito de A última fase, terceiro volume da trilogia “A Doutrina da Morte“, escrita por James Dashner, o mesmo autor da série “Maze Runner“, ambos lançados pela V&R Editoras. O livro é voltado para o público juvenil, mas nada impede que seja lido e apreciado por leitores mais velhos. Por isso, eu, Camila, de 23 anos, convidei a minha irmã Melissa, de 13, para ler a história junto comigo e compartilhar o que ela achou da obra.

Camila

Quem estava ansioso pela conclusão da trilogia A Doutrina da Morte, do autor James Dashner, pode ficar tranquilo, pois A última fase finalmente foi lançado pela editora V&R. O último livro narra a continuação da aventura de Michael, que ainda está tentando entender os últimos acontecimentos e o fato de ser um código de computador ocupando o corpo de um ser humano real. Ele também não sabe direito quais são as motivações de Kaine e até mesmo da SSV, o órgão regulador da VirtNet – o mundo virtual.

Ao lado dos inseparáveis amigos Bryson e Sarah, ele reencontra sua antiga babá, Helga, que parece estar a seu lado e saber de coisas novas, fundamentais para destruir a Doutrina da Morte e tudo voltar a ser como antes. Neste terceiro livro da série, Michael está determinado a buscar as respostas que ficaram faltando e acabar com a guerra que está indo do mundo virtual para o real, em que os tangentes (pessoas criadas para ocupar o VirtNet) estão ocupando corpos de humanos.

Sem saber direito por onde começar, Michael terá outra dificuldade: a de saber quem é seu inimigo e saber quem está a seu lado. Antes, Kaine parecia assumir o posto de principal vilão. Mas agora tudo está fora de seu lugar e algo muito mais grandioso parece estar por trás de tudo.  Michael e seus amigos terão que descobrir seus aliados e uma forma de destruir a Doutrina da Morte e devolver aos humanos suas mentes.

Por mais que a premissa pareça confusa, tudo se encaixa neste terceiro livro. O ritmo é ainda mais ágil nesse volume, já que há muitas respostas para serem dadas. Os capítulos curtos contribuem para a rápida leitura, assim como as muitas cenas de ação que existem na história. A cada momento ocorre alguma reviravolta.

É notável a evolução de Michael nesses três volumes. Agora, ele está menos ingênuo, mais disposto a ir em busca de seus objetivos e finalmente encaixar as peças do quebra-cabeça. Além das diversas cenas de ação, há também a busca pela identidade de Michael, o reforço dos valores da amizade e também muitas pitadas de humor, protagonizadas, principalmente, por Bryson.

O fim da história foi bem desenvolvido e não deixou pontas soltas. Nas últimas páginas, há uma reviravolta que traz uma importante reflexão. A última fase é um livro de ficção científica com muita aventura e ação, uma série que deixa qualquer leitor ávido por respostas e por saber o que acontece no final da história.


Melissa

Desde que li o primeiro livro da trilogia de A Doutrina da Morte, “O jogo infinito”, escrita pelo James Dashner fiquei apaixonada e se tornou um dos meus livros preferidos. Quanto mais eu ia lendo mais me surpreendia e me apaixonava pela escrita e pelo universo que o autor criou. O segundo livro é Regras do jogo, que eu fiquei louca quando vi na livraria, foi tão bom quanto o primeiro, e da mesma forma como este, teve um final que “meu deus o que foi aquilo?”.

Agora vamos falar do último, mas não menos importante: A última fase. Não foi tão bom quanto os dois primeiro, mas acredito que tenha sido o mais importante. Ele possui informações que esclarecem fatos que ocorreram durante os outros livros que considero de grande valor. Porém, alguns momentos não tiveram muita conexão com o resto da história.

Além disso, há o final. Não ficou tão surpreendente e emocionante como eu esperava. Parte dele ficou legal e criativo, com coerência. Mas a outra parte faltou coerência, não combinou com o resto e ficou estranha. Acredito que poderia ter sido melhor, claro. Contudo não sei qual seria o meu final perfeito se eu pudesse mudá-lo.

Continuo amando a série e só porque o fim não foi tão bom não vou deixar de gostar. Indicaria? Com certeza, é ótima! Minha única tristeza é saber que não é tão conhecida e sei de apenas duas pessoas que eu conheço que já leram. Como amei os livros, pretendo ler mais obras de Dashner, e posso dizer que não vai demorar muito para que isso aconteça.


Conheça os outros títulos da trilogia A Doutrina da Morte:

1. O jogo do infinito (2014)

2. Regras do jogo (2015)

3. A última fase (2016)

Sobre o autor
Camila Tebet
Camila Tebet Camila Tebet, 24 anos (05/06) – Paraná Jornalista, tem a literatura como uma de suas paixões. Acredita que os livros têm o poder de transformar e falar sobre essa arte é um de seus passatempos favoritos. Entre os seus livros favoritos estão "Harry Potter" (é claro), "Na Natureza Selvagem", "Orgulho e Preconceito" e "A Menina Que Roubava Livros". Também é apaixonada por séries, cinema e fotografia. Escreve também para o site www.expressocultural.com.


Deixe uma resposta

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: