domingo, 9 de outubro de 2016

achados-e-perdidos-capa-viagens-de-papel

AVALIAÇÃO: 4/5 EDITORA: RECORD, CORTESIA ISBN: 9788501106926 GÊNERO: ROMANCE PUBLICAÇÃO: 2016 PÁGINAS: 252 SKOOB

Millie Bird é uma garotinha de 7 anos. Apesar de ser tão nova, ela já sabe muita coisa. Como por exemplo, sabe que todos nós vamos morrer um dia. Inclusive ela tem Livro das Coisas Mortas, no qual registram tudo que não existe mais. Certo dia, está em uma loja com sua mãe, e esta a deixa dizendo “Volto daqui a pouquinho”, mas não retorna mais. Millie Bird, nesse interim, acaba conhecendo Karl, o Digitador, que escreve palavras no ar enquanto as pronuncia. O idoso perdeu o amor de sua vida e está morando num asilo, quando um belo dia, decide sair dali. E Millie não vai contar isso a ninguém, nem mesmo a Manny, o manequim da loja e o mais novo amigo deles. E junto nessa aventura, temos Agatha, que passou muito tempo falando sozinha. Após a morte do marido, a senhora se trancou dentro de casa e passou a viver num mundinho só dela. Mas agora ela vai sair porque quer ajudar Millie a encontrar a mãe.

Achados e perdidos foi um livro que caiu no meu colo por acaso. Não conhecia a autora, tampouco o livro. Apesar disso, a sinopse prometia uma história tranquila, divertida e emocionante. E foi exatamente isso que encontrei. Brooke apresenta uma narrativa leve, descontraída, mas que traz uma série de reflexões bacanas sobre a vida.

O livro é escrito em terceira pessoa, mas é dividido pelo ponto de vista de cada um dos personagens. Um ponto que chamou a atenção foi justamente os capítulos que são dedicados a Millie. Por ser uma menina de sete anos, sua narrativa se mostra tal qual deveria ser. Isso, de certa maneira, proporciona ao leitor a dimensão muitas vezes inocente, mas não menos importante, de uma criança. Do mesmo modo ocorre com os outros dois personagens, que estão do outro lado da moeda, por serem idosos. A história de vida de ambos toca o leitor, em especial a de Karl. E acredito que essa dualidade entre infância e velhice ficou bem compreensível no desenrolar da história.

Talvez uma das mensagens principais do livro seja a importância de ser criança, mas também de ser velho. A autora trabalha tais questões com muita sensibilidade e mostrando situações um tanto improváveis. Há uma cena, bem mais para o final da história, que é marcante e isso fica bem evidente (sem spoilers!). Foi escrita de maneira tão delicada que não tem como não se envolver com aquilo. Achados e perdidos não se tornou meu livro favorito, mas mostrou muito mais do que eu esperava. É um passatempo leve e que vale a pena ser conhecido!


 

Sobre o autor
Lucas Kammer Orsi
Lucas Kammer Orsi Estudante de História. Vê nos livros uma maneira de fugir da realidade e encontrar um pouco de aconchego do cotidiano tão corrido. Potterhead, se emociona fácil com romances, mas não deixa de lado um bom suspense, de viver uma aventura e dá gargalhadas com um chick-lit. Está sempre com suas séries atrasadas, mas isso não o impede de sempre começar mais uma. Amante da música pop, é grande fã de Taylor Swift.


Deixe uma resposta

  1. quinta-feira, 20 de outubro de 2016.

    Adoro livros que nos fazem refletir sobre a vida…. Quando o personagem é ainda criança, a narrativa fica ainda mais interessante quando aborda esses assuntos tão profundos. Gostei da resenha.

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: