quinta-feira, 6 de outubro de 2016

AVALIAÇÃO: 3/5 EDITORA: Vergara & Riba, Cortesia ISBN: 9788576838326 GÊNERO: Suspense, Fantasia, Jovem Adulto PUBLICAÇÃO: 2015 PÁGINAS: 320 SSkoob

AVALIAÇÃO: 3/5
EDITORA: Vergara & Riba, Cortesia
ISBN: 9788576838326
GÊNERO: Suspense, Fantasia, Jovem Adulto
PUBLICAÇÃO: 2015
PÁGINAS: 320
Skoob

Atenção: essa resenha contém spoilers do volume anterior!

O segundo livro da série Sonâmbulos, Paranoia continua contando a história de Parker. Nele o protagonista descobre muitas coisas e muitas das perguntas do primeiro volume foram sanadas. Como Parker agora está obcecado pelos sonhos de Mia, ela que possui sonhos no quais ele pode descansar.

Agora entra na história Jack, e ele acaba mostrando os “observadores”  – que é como Parker se autodenomina devido a sua habilidade especial -, e claro que no mundo dos Sonâmbulos ainda existes mais dois tipos: os construtores – ajudam os observadores e os apropriadores – os que controlam mente e o corpo.

Parker descobre que Jack conhecia seu pai e que ele não está desaparecido e sim que foi capturado por apropriadores. A principal pergunta que nos ronda é “Como isso é possível?”, a autora nos da à resposta com fatos que aconteceram no passado.

Lembro que o primeiro livro foi um martírio para eu conseguir acabar e confesso que esse também não foi fácil – comecei duas vezes -, mas temos uma evolução na história e na narrativa do livro. A autora também deixa algumas outras perguntas abertas e que deve ser revelado ao final da trilogia.

Essa série não é a das minhas favoritas, mas confesso que ela está melhorando, evoluindo. A narrativa flui melhor que o primeiro volume – às vezes penso que sou louca por não gostar dele já que a classificação do Skoob e Goodreads são tão boas.  Eu ainda me irrito de o fato dele não dormir não causa a morte, eu sei que é ficção, mas não consigo aceitar. Confesso que agora que durante a leitura do segundo livro me fez me conectar um pouco mais com o protagonista.

“- Significa que podemos ver tudo o que as pessoas não conseguem. É um símbolo que usamos para ser reconhecidos por outros como nós. No começo, era só o emblema dos Sonâmbulos, mas de uns dez anos para cá é mais usado como um símbolo da rebelião.”

A capa continua sendo bem trabalhada como era no primeiro livro e parece que as imagens nos mostra algo. Mas dentro o design é bem fraco e pouco desenvolvido, bem simples.


Conheça os outros títulos da trilogia Sonâmbulos:

1. Insônia (2014)

2. Paranoia (2015)

3.  Loucura (2016)


 

Sobre o autor
Stephany Guebur Stephany Guebur, 21 anos (05/01) – Paraná Jornalista. Começou a ler no ensino fundamental, porque quanto mais livros apresentava, mais ganhava pontos na média. A partir daí, descobriu que ler é maravilhoso e que podemos viajar sem sair do lugar. Apesar de ter dado uma parada entre o ensino médio e a faculdade, sempre lia um livro aqui, outro ali. Entre seus livros favoritos estão a série "O Diário da Princesa", "Na Natureza Selvagem", e os de Monteiro Lobato, com os quais entrou no mundo da literatura, como muitas outras crianças. Além disso, é apaixonada por séries e viagens.


Deixe uma resposta

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: