quarta-feira, 14 de setembro de 2016

AVALIAÇÃO: 5/5 EDITORA: COMPANHIA DAS LETRAS, CORTESIA ISBN: 9788535926552 GÊNERO: FICÇÃO CIENTÍFICA, FICÇÃO PUBLICAÇÃO: 2016 PÁGINAS: 344 SKOOB

AVALIAÇÃO: 5/5
EDITORA: COMPANHIA DAS LETRAS, CORTESIA
ISBN: 9788535926552
GÊNERO: FICÇÃO CIENTÍFICA, FICÇÃO
PUBLICAÇÃO: 2016
PÁGINAS: 344
SKOOB

Kathy H. tem 31 anos e há onze é “cuidadora”, quando decide assumir o imenso fascínio que sente por Hailsham, o colégio no interior da Inglaterra onde viveu seus melhores anos, onde começou a amar Tommy e onde, ao lado de Ruth, sua futura rival, cavalgou corcéis imaginários, integrou guardas secretas, confabulou, riu, chorou e sentiu medo – como qualquer criança. Mas há algo de estranho nas crianças daquele local. São todas “doadoras”. Mas o que significa isso? Já às vésperas de se tornar ela própria uma “doadora”, Kathy faz um balanço e tenta nos explicar como chegou aonde está. Mas seu relato nem sempre é isento e muitas vezes acarreta ainda mais dúvidas.

Conheci a história de Kazuo assistindo ao filme baseado no livro estrelado por Keira Knightley e Andrew Garfield. Na época, achei a história ao máximo e diferente de tudo que tinha visto até o momento. A curiosidade aumentou quando assisti ao vídeo “O que te torna humano?” no canal do Luan Felipe. Quando surgiu a oportunidade de solicitar o livro, não pensei duas vezes.

Aviso de antemão que a edição da Companhia das Letras é linda e vale cada centavo. A capa é extremamente chamativa e a lombar dele é toda em prata. A escrita do autor logo no início se mostra um tanto devagar, mas ao mesmo tempo despertando no leitor uma certa curiosidade, fazendo com que a leitura siga em frente. Como a narrativa segue o movimento do presente para o passado, o sentimento aumenta ainda mais, pois sabemos onde está Kathy H., mas queremos saber o percurso pela qual ela passou. Além disso, há o mistério pelo qual o que significava ser um doador e porque Hailsham era tão especial como diziam.

O livro seria como flashbacks e reflexões da protagonista sobre a sua vida e toda a sua existência. Primeiro amor, dúvidas, cotidiano de uma jovem estudante, descobertas sobre a vida e até mesmo sobre sua sexualidade.  Não lembrava muito do filme, então houve surpresas no decorrer da leitura. Digo que não são grandes reviravoltas. Não me abandone jamais é o tipo de livro que talvez não agrade a todos, pelo seu estilo narrativo. Tive dificuldades de consegui me concentrar na história devido a isso e o próprio ritmo de leitura foi mais lento. Não é um livro que tenha ápices como outro romance. Apesar disso, Kazuo consegue manter um ritmo constante na história fazendo com o que o leitor queira seguir em frente.

A partir do momento que se descobre o mistério, a escrita e a história se mostram um tanto melancólicas e tristes. As cenas finais são extremamente reflexivas, despertando no leitor sensações nem um pouco positivas. Apesar disso, traz discussões que por mais que sejam no mundo da ficção, poderiam muito bem se adequar ao mundo real. Fiquei curioso para ler os outros livros do autor ou até mesmo reler este, mas em outro momento, talvez nas férias ou algo do tipo. De qualquer maneira, fica a dica para quem quiser conhecer o trabalho dele.

Sobre o autor
Lucas Kammer Orsi
Lucas Kammer Orsi Estudante de História. Vê nos livros uma maneira de fugir da realidade e encontrar um pouco de aconchego do cotidiano tão corrido. Potterhead, se emociona fácil com romances, mas não deixa de lado um bom suspense, de viver uma aventura e dá gargalhadas com um chick-lit. Está sempre com suas séries atrasadas, mas isso não o impede de sempre começar mais uma. Amante da música pop, é grande fã de Taylor Swift.


Deixe uma resposta

  1. quinta-feira, 6 de outubro de 2016.

    Quando assisti o trailer desse filme, fiquei extremamente interessada, mas acabei esquecendo… Agora sabendo do livro, coloquei na minha lista literária e cinematográfica. Gostei da dica!!!

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: