eu-sou-o-peregrino-capa-viagens-de-papel

AVALIAÇÃO: 4/5 EDITORA: INTRÍNSECA, CORTESIA ISBN: 9788580578782 GÊNERO: Thriller, Suspense, Policial PUBLICAÇÃO: 2016 PÁGINAS: 688 SKOOB

Eu sou o Peregrino, originalmente lançado em 2013, é o livro de estreia do britânico Terry Hayes, além de escritor, Hayes é roteirista e produtor de cinema. O livro, publicado no primeiro semestre pela Editora Intrínseca, recebeu em 2014 o Nacional Book Awards do Reino Unido como melhor Thriller.

A história segue os passos de dois personagens distintos, mas igualmente geniais. No primeiro momento, conhecemos um ex-agente da divisão secreta do governo norte-americano, atualmente aposentado – codinome, o “Navegante” e, posteriormente o “Peregrino” –, em paralelo acompanhamos um terrorista muçulmano que odeia a todos (ou quase) – o “Sarraceno”.

Após o misterioso assassinato de uma mulher, cuja a identidade é desconhecida para polícia, no quarto 89 do Eastside Inn em Nova York. Segundo Ben Bradley, o responsável pelo caso, o crime é perfeito e o (a) assassino (a) não deixou rastros. Seu amigo, o ex-agente, consegue encontrar pequenas pistas, mas não o suficiente para elucidar o caso.

Em contrapartida, do outro lado do globo, o Sarraceno dá início aos seus planos, um atento que promete dizimar boa parte da população. O terrorista desenvolveu um agente biológico de grandes proporções e propagação violenta. O 11 de Setembro, será nada comparado ao atual perigo. Um ataque que se iniciaria nos EUA e se propagaria para os demais continentes, dando origem a um genocídio em massa.

Quando um bilionário norte-americano morre sob circunstâncias suspeitas na Turquia. O Peregrino tem a desculpa ideal para investigar, em nome do governo americano, a localização do Sarraceno, enquanto assume a identidade de um agente da CIA. O Peregrino também faz a conexão com o crime cometido em Nova York. Hayes interliga com maestria todas as subtramas a principal, sem que haja pontas soltas.

O Sarraceno, o vilão da história, teve uma vida difícil na Arábia Saudita, desde que presenciou a decapitação do pai, devido a uma afronta à família real. Ele planejou sua vingança por anos, alimentando seu ódio pelo Oriente e Ocidente. Lutou ao lado de grupos terroristas e se tornou uma lenda, depois optou por trilhar seu caminho sozinho, estudou medicina e assumiu uma nova identidade.

Hayes descreve situações, paisagens e procedimentos dando autenticidade a história, instigando a curiosidade e a imaginação do leitor. O livro é bem descritivo, o autor não se prende aos pequenos detalhes, mas aborda o suficiente para que possamos compreender o contexto geral. Os personagens secundários não possuem tanta importância, estão ali para darem suporte e sustentabilidade a narrativa.

Eu sou o Peregrino com suas 688 páginas, assusta a princípio. No entanto, a leitura passa voando. O livro possui todos os ingredientes necessários para prender a atenção do leitor, traz uma narrativa eletrizante do início ao fim, uma corrida contra o relógio e que definirá o futuro de muitos.

A estrutura da obra é dividida em quatro partes, posteriormente subdivididas em capítulos curtos e ágeis. A parte gráfica segue a versão original, apesar de simples, é bastante atrativa. Narrado em 1ª e 3ª pessoa, a narrativa segue três momentos distintos: as investigações, a trajetória do Sarraceno e as multifaces do Peregrino.

“Algumas pessoas dizem que o amor é fraco, mas estão erradas: o amor é forte. Para quase todo o ser humano, supera todo o resto: patriotismo e ambição, religião e educação. E de todos os tipos de amor – do épico ao pequeno, do nobre ao básico -, aquele que um pai sente por um filho é o maior de todos.”

De modo geral, temos um thriller investigativo que capta a atenção do leitor e agrada na maior parte da narrativa. O desfecho da história deu uma desacelerada, o que me deixou um pouco descontente. Mas, temos a presença de um gatilho que dá margens a uma continuação. Quando solicitei o livro para resenha, pensei que fosse volume único, no entanto, trata-se de uma trilogia. Recomendo a leitura!

Sobre o autor
Patrícia Oliveira Patrícia Oliveira, 25 anos (07/01) – São José/SC. Acadêmica de Direito, leitora assídua e blogueira. Lê de tudo um pouco, seus gêneros literários favoritos são romance histórico, época e contemporâneo, thriller psicológico, fantasia épica e clássicos. Sempre cultivou a ideia de criar um blog, onde pudesse compartilhar sua opinião. Quando não está fazendo tarefas cotidianas, geralmente está divertindo-se na companhia de seus bichos de estimação. Curte séries, filmes de comédia romântica e animes, mas sua grande paixão é a literatura.


Deixe uma resposta

  1. quarta-feira, 14 de setembro de 2016.

    Sim, me assustei ao ver que são tantas páginas. Mas parece interessante…..

  2. quinta-feira, 19 de janeiro de 2017.

    Oi!
    Eu vi o lançamento desse livro na turnê da Intrínseca e achei a estória bem interessante. Mas ainda não li.
    Mas parece uma daquelas estórias que vão te prendendo cada vez mais..

    Beijos

    ooutroladodaraposa.com.br

  3. quinta-feira, 19 de janeiro de 2017.

    Pelo título não imaginava uma história totalmente diferente, e por isso nem dei muita bola…
    Mas se tratando de um thriller já mudei totalmente de opinião =D Parece ser bem interessante, e a quantidade de páginas nem me assustou muito (talvez um pouco rsrs)
    Adorei a resenha!
    Beijo :*

    • quinta-feira, 19 de janeiro de 2017.

      Pelo título não imaginava uma história totalmente diferente, e por isso nem dei muita bola…
      Mas se tratando de um thriller já mudei totalmente de opinião =D Parece ser bem interessante, e a quantidade de páginas nem me assustou muito (talvez um pouco rsrs)
      Adorei a resenha!
      Beijo :*

  4. sexta-feira, 20 de janeiro de 2017.

    Olá! Apesar de sua resenha estar muito interessante, não consegui me interessar pelo livro…
    Deixo a dica passar dessa vez.

    Beijos

  5. sexta-feira, 20 de janeiro de 2017.

    Pelo título não imaginava uma história totalmente diferente, e por isso nem dei muita bola…
    Mas se tratando de um thriller já mudei totalmente de opinião =D Parece ser bem interessante, e a quantidade de páginas nem me assustou muito (talvez um pouco rsrs)
    Adorei a resenha!
    Beijo :*

  6. quinta-feira, 26 de janeiro de 2017.

    Oi Patrícia,
    Já li várias resenhas desse livro e fiquei bem curiosa para ler. Adoro histórias de investigação e mistérios.
    😀

  7. sexta-feira, 27 de janeiro de 2017.

    Olá, tudo bem por aí?

    Eu adoro thrillers e essa história parece ser do tipo que prende a minha atenção do início ao fim. Obrigado pela dica e parabéns pela resenha!

    Abraços.
    http://www.acampamentodaleitura.com

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: