sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Avaliação: 4,5/5 Editora: Record, Cortesia ISBN: 9788501107626 Gênero: Romance italiano, Drama, Não Ficçao

AVALIAÇÃO: 4,5/5 EDITORA: RECORD, CORTESIA ISBN: 9788501107626 GÊNERO: ROMANCE, NÃO FICÇÃOPUBLICAÇÃO: 2016 PÁGINAS: 224 SKOOB

Quando solicitei o livro A pequena guerreira ainda estava passando a Olimpíada Rio 2016. A sinopse da obra me chamou a atenção, já que o romance é baseado na vida de Samia Omar, uma menina que cresceu numa Somália devastada pela guerra e sonhava em se tornar uma grande corredora. O livro, escrito pelo italiano Giuseppe Catozzella, foi lançado na época certa, em que olhos de todos os países estavam voltados à maior competição de esportes do mundo, com competidores de todos os cantos do planeta. Quando peguei o livro para ler, não sabia direito o que esperar, mas quando cheguei ao fim me dei conta que a história é muito mais do que aparenta ser. Triste, emocionante e um importante relato de uma realidade bem diferente da nossa.

O livro traz uma história real e conta em primeira pessoa a história da pequena Samia. Nos primeiros capítulos, somos apresentados a uma Samia criança, uma pequena menina nascida na Somália, bem na época em que a guerra estava estourando. Sua família dividia a casa com outro grupo e seu melhor amigo, Alí, fazia parte dele. As duas famílias faziam parte de clãs diferentes. Samia era abgal, e Alì um darod. Os clãs estavam em guerra desde oito semanas antes do nascimento das crianças, em 1991.

Enquanto acompanhamos o crescimento de Samia, vimos que, sempre incentivada pelo amigo Alì, ela gostava muito de correr e era uma criança muito rápida. Na época, seu principal objetivo era vencer a competição de corrida da cidade, e após algumas tentativas, ela sagrou-se vencedora. Alì, então, tornou-se seu treinador e ajudou a construir o sonho da menina de se tornar a corredora mais rápida da Somália, e ajudar a libertar as mulheres de seu país.

Ao mesmo tempo em que Samia constrói seu sonho, ela nos conta que a guerra no país está cada vez mais violenta e o grupo radical islâmico Al Shabab está ganhando cada vez mais poder e recrutando muitos jovens da Somália. O livro apresenta um cenário hostil, dominado pela guerra e pela violência, em contraste com o sonho de uma pequena somali, que tinha como objetivo dar visibilidade à sua terra, às mulheres de seu país e tentar ajudar a acabar com aquela situação.

É muito triste a maneira como o país é retratado, ver que nem tão distante está uma terra com leis absurdas, em constante conflito. Além disso, o livro mostra como é ser mulher naquele país, viver em uma sociedade machista, em que a violência contra a mulher está muito presente. Samia, por exemplo, tinha que treinar suas corridas vestidas de burca, e muitas vezes ia à noite ao estádio, quando ninguém lhe via.

Em meio a tudo isso, todos os obstáculos, ela estava decidida a seguir seu sonho e prometeu ao pai que chegaria à Olimpíada e que um dia seria uma campeã mundial. Depois de muito lutar, ela conseguiu. Aos 17 anos, integrou a seleção somali e participou dos Jogos de Pequim-2008. Ela foi a última a cruzar a linha de chegada, mas ganhou muitos fãs e virou um símbolo de luta para as mulheres de seu país. Sem desistir, ela se determinou a melhorar e disputar os Jogos de Londres-2012. Para isso, teve que tomar muitas decisões e, uma delas, a mais perigosa de todas, foi se arriscar na “Viagem”, colocar sua vida na mão de traficantes, e embarcar em uma travessia clandestina para a Europa, para se juntar à irmã.

Como o próprio título da obra diz, Samia é uma pequena guerreira. Ela desafiou a tudo e a todos e mostrou a história da Somália e de suas mulheres para o mundo. É um relato emocionante e muito triste, mas que conta a história de uma menina que lutou para ter uma vida melhor, apesar de viver em um cenário hostil.  A história é muito rápida de ler e, ao mesmo tempo em que deixa um aperto no peito por pensar em quantas pessoas vivem naquela situação degradante e sem nenhuma perspectiva de melhora, traz uma pontinha de esperança ao apresentar a história de uma garota tão forte, tão guerreira, tão certa de seus ideais e marcada pela vontade de melhorar a vida de todos a sua volta.

Samia é uma menina inspiradora. Apesar do livro ser escrito por Giuseppe, o relato em primeira pessoa nos aproxima muito da pequena somali e parece muito real, como se ela de fato estivesse contando sua história. Este é um livro comovente e muito necessário, por apresentar uma realidade diferente da nossa, nos colocar no lugar dos milhares de refugiados que acabam indo para diversos países, inclusive o Brasil, e também uma história de esperança. Vale muito a pena conhecer a história real dessa pequena guerreira.


Sobre o autor
Camila Tebet
Camila Tebet Camila Tebet, 24 anos (05/06) – Paraná Jornalista, tem a literatura como uma de suas paixões. Acredita que os livros têm o poder de transformar e falar sobre essa arte é um de seus passatempos favoritos. Entre os seus livros favoritos estão "Harry Potter" (é claro), "Na Natureza Selvagem", "Orgulho e Preconceito" e "A Menina Que Roubava Livros". Também é apaixonada por séries, cinema e fotografia. Escreve também para o site www.expressocultural.com.


Deixe sua opinião

Seu email não será publicado.



*

  1. domingo, 11 de setembro de 2016.

    Poxa, já fiquei com o coração apertado só de ler a resenha…

Comentários no Facebook