quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Avaliação: 4,5/5 Editora: Companhia das Letras, Cortesia ISBN: 9788535924688 Gênero: Ficção Publicação: 2014 Páginas: 711 Skoob Skoob

Avaliação: 4,5/5
Editora: Companhia das Letras, Cortesia
ISBN: 9788535924688
Gênero: Ficção
Publicação: 2014
Páginas: 721
Skoob

Em O Pintassilgo, o americano Donna Tartt descreve o mundo através da linguagem e da arte, o autor nos proporciona uma narrativa rica, profunda e bela. A obra em sua magnitude amplia nossa visão de mundo e percepção cultural.

O Pintassilgo, originalmente publicado em 2013, é o terceiro romance de Tartt, lançado uma década após seu último título “O amigo de infância”. A obra despertou certa euforia entre o público e a crítica, um livro que diverge opiniões, que em 2014 recebeu o Prêmio Pulitzer de ficção.

Em suas 721 páginas, a obra carrega beleza e esplendor poético. A história é marcada por um evento catastrófico que se divide em dois momentos e que se complementam; inicialmente pelas mortes que sucederam após o atentado na exposição de arte; e,  posteriormente pelo caos que se instaurou no mundo artístico com a perda e o sumiço de pinturas de valores exorbitantes e insubstituíveis.

O Pintassilgo” é uma das poucas pinturas sobreviventes do artista holandês Carel Fabritius, discípulo de Rembrandt e mestre de Jan Vermeer, outro nome de peso no meio artístico. A maioria das obras de Frabritius pereceram numa explosão de pólvora que devastou a maior parte da cidade holandesa de Delft, em 1654.

Frabritius retrata numa tela pequena um pintassilgo num poleiro, o pintor se sobrepõe por retratar objetos escuros em fundos claros. A pintura é simples e detalhista, ele prestava muito atenção ao rigor visual de seu trabalho e o que gostaria de transmitir. Essas características presentes na tela também são encontradas na narrativa de Tartt.

O Pintassilgo é um romance de formação, é o gênero literário que incide o crescimento psicológico e moral do protagonista da juventude à idade adulta. O livro é narrado em primeira pessoa por Theodore Decker, que conta a história de sua vida de modo cronológico.

Theo, um adolescente de 13 anos, perdeu a mãe na explosão no Metropolitan Museum, em Nova York. Theo foi um dos poucos sobreviventes, decidido a salvar uma pequena pintura, ele a leva consigo e a mantém escondida durante anos. Após o desaparecimento de muitas telas da exposição, o fato desencadeia uma grande investigação para localizar seus paradeiros e consequentemente muitas prisões.

Infelizmente, Theo roubou uma tela avaliada em milhões de reais. E, é em torno do paradeiro do quadro que gira a narrativa. Após a tragédia, Theo é levado para morar com a família de uma colega de escola, em Manhattan. Sua nova vida é diferente, o adolescente se vê num ambiente de ostentação e riquezas. Algum tempo depois, Theo é levado para viver com o pai em Las Vegas, o mesmo homem que os abandonou e roubou as economias da mãe. Atualmente é mantido pelo pai ausente que ganha seu provento do submundo das jogatinas e das drogas.

Ao se vê num ambiente difícil de sobreviver e nas armadilhas do pai interessado na pequena soma que a mãe lhe deixou para os estudos, Theo foge. Em Amsterdã, após uma sucessão de delitos deixados pelo caminho, inclusive a morte de um gângster em legitima-defesa. Theo é atormentado pela culpa de seus atos e com as falsificações da tela que ganharam proporções alarmantes. Ele deseja se redimir de seus pecados e se conciliar com as pessoas que prejudicou.

É por isso que O Pintassilgo, aclamado e premiado, é uma história ricamente construída, com personagens memoráveis e umq narrativa desconexa e brilhante. O autor demostra como a arte mudou a vida de Theo e o transformou num ser humano melhor. Tartt por meio de sua escrita fez jus à imortalidade da obra-prima de Frabritius, a mensagem por ela transmitida ao longo de tantas gerações.

Sobre o autor
Patrícia Oliveira Patrícia Oliveira, 25 anos (07/01) – São José/SC. Acadêmica de Direito, leitora assídua e blogueira. Lê de tudo um pouco, seus gêneros literários favoritos são romance histórico, época e contemporâneo, thriller psicológico, fantasia épica e clássicos. Sempre cultivou a ideia de criar um blog, onde pudesse compartilhar sua opinião. Quando não está fazendo tarefas cotidianas, geralmente está divertindo-se na companhia de seus bichos de estimação. Curte séries, filmes de comédia romântica e animes, mas sua grande paixão é a literatura.


Deixe uma resposta

  1. sexta-feira, 20 de janeiro de 2017.

    Caramba, que resenha incrível, você escreve muito bem e eu já estava super afim de ler esse livro, agora quero ainda mais. Adorei o tema central do livro e essa capa que parece que está rasgada é muito maravilhosa! Parabéns!

    http://www.memoriasdeumaleitora.com.br

  2. sexta-feira, 20 de janeiro de 2017.

    Muito boa a sua resenha! Livros grandes como este são bastante complicados de resenhar porque a história implica em muita coisa e quase tudo pode acabar virando um spoiler. Gostei de o personagem ter remorso e querer se redimir, isso traz também um tipo de aprendizado para o leitor. Vai para a lista de leituras futuras.

  3. sábado, 21 de janeiro de 2017.

    Belíssima resenha, fiquei com muita vontade de ler, mas acho que esse ano não vou poder ainda, pois pelo que vi, o lindo livro é um “calhamaço” de mais de 700 páginas e esse ano tenho dois nesse nível… kkkk… Mas, a história é incrível! Anotado!
    Abraços,
    Drica.

  4. domingo, 22 de janeiro de 2017.

    Olá! Não conhecia o livro e achei a história bem interessante! Parece ser uma trama que prende o leitor com bastante ação. Essa capa é diferente e instigante, acho que deve ser bem adequada para a história, beijos!

  5. domingo, 22 de janeiro de 2017.

    Olá
    Adorei sua resenha, você escreve muito bem , e esses detalhes sobre a história do quadro enriqueceu muito o relato e me deixou ainda mais curiosa com o livro, gosto muito de histórias com detalhes históricos

  6. domingo, 22 de janeiro de 2017.

    Oie!
    Eu já tive a oportunidade de ler esse livro, e a história é linda.
    Um livro que me surpreendeu muito com a trama, inclusive sempre estou indicando esse livro para quem gosta do gênero.
    Bjks!
    Histórias sem Fim

  7. domingo, 22 de janeiro de 2017.

    Oiii!!

    Eu não conhecia essa obra! Fiquei animada para conhecer o livro e a escrita
    Parabéns pela resenha que está bem escrita e sem spoiler!

    Beijinhos

  8. domingo, 22 de janeiro de 2017.

    Olá, sua resenha foi muito clara em mostrar os méritos do livro. Creio que passei por ele na livraria, mas não tinha prestado atenção. Obrigada por apontar as possibilidades que ele pode trazer para mim. Obrigada!

  9. segunda-feira, 23 de janeiro de 2017.

    Oiii Patty, tudo bem?
    Fiquei apaixonada pela sua resenha e você realmente escreve bem, super anotei a dica e achei enorme a quantidade de páginas né ahuahauahaua Dica super anotada.
    Beijinhos da Morgs!

  10. segunda-feira, 23 de janeiro de 2017.

    Olá!

    Não conhecia, mas só pela capa já dá pra ver que é uma linda história! Vou anotar na minha lista, porque estou precisando ler algo mais forte. Obrigada pela dica!

  11. terça-feira, 24 de janeiro de 2017.

    Conheço o livro já faz algum tempinho, mas não sabia sobre o que era a história. Agora que soube fiquei intrigada e estou com bastante vontade de ler, então já adicionei no skoob para não esquecer depois.

    Beijos e até logo! 😉
    Resenha maravilhosa! <3
    Ass: Amanda Mello.

  12. quarta-feira, 25 de janeiro de 2017.

    Olá,
    Fiquei boquiaberta com a sua resenha e com a obra!
    Desconhecia o livro, mas achei a premissa bem interessante e pelo que vi é uma trama muito bem construída que gira em torno da busca pelas obras roubadas e especificamente a que Theo salvou!
    Estou intrigada para conferir o desenrolar dessa trama e anotei a dica.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

  13. quinta-feira, 26 de janeiro de 2017.

    Olá.
    Que premissa é essa???? MARAVILHOSA.
    Nunca li nada parecido, bom… li um livro que os personagens também roubavam quadros e tal, mas tirando isso ambos são totalmente diferentes.
    Agora 721 páginas é meio desanimador hahahahahhaa, mas acho que valerá a pena… se eu não tivesse lido sua resenha não me interessaria no livro, pois a capa não chamou minha atenção, mas o conteudo parece bom.

  14. sexta-feira, 27 de janeiro de 2017.

    Eu sou louco para ler este livor, gosto de como o autor mostra o crescimento do personagem através da arte. Sua resenha só fez aumentar minha ansiedade pela leitura, que é algo que venho adiando, mas depois de conferir sua opinião não posso mais fazer isso.

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: