sábado, 6 de agosto de 2016

AVALIAÇÃO: 4,5/5 EDITORA: COMPANHIA DAS LETRAS, CORTESIA ISBN: 9788535923780 GÊNERO: FICÇÃO HISTÓRICA, FANTASIA PUBLICAÇÃO: 2014 PÁGINAS: 568 SKOOB

AVALIAÇÃO: 4,5/5
EDITORA: COMPANHIA DAS LETRAS, CORTESIA
ISBN: 9788535923780
GÊNERO: FICÇÃO HISTÓRICA, FANTASIA
PUBLICAÇÃO: 2014
PÁGINAS: 568
SKOOB

John Boyne é um autor conceituado, desde o sucesso do livro “O menino do pijama listrado”, que esteve na lista do mais vendidos do país, a editora Companhia das Letras vem lançando diversos títulos escritos pelo irlandês. No entanto, a primeira obra escrita por Boyne é exatamente esta que vos apresento, O Ladrão do Tempo, minha primeira experiência com o autor.

Em 1785, após presenciar o assassinato da mãe e deixar o passado para trás, aos 15 anos Matthieu sai de Paris rumo à Inglaterra. Na esperança de um novo começo, ele e o meio-irmão partem em busca do desconhecido. Inicialmente, para sobreviverem, Matthieu se torna um batedor de carteiras e, cerca de dois séculos depois, é um rico proprietário de uma estação de televisão via satélite.

Matthieu não sabe explicar sua situação, envelheceu até determinada idade, por volta dos 50 anos, desde então vive enquanto seus entes amados morrem. Viu Tomas morrer jovem e consequentemente seus descendentes. Apesar de tudo, sua mente continua intacta.

Viver além dos tempos permitiu a Matthieu recomeçar muitas vezes, possuir infinitas experiências, presenciar as transformações do mundo, vivenciar importantes momentos da história mundial, adquirir sabedoria sem precedentes, lidar com todos os tipos de situações e pessoas.

A longevidade não é tida pelo protagonista como uma maldição ou dádiva, é algo que se tornou comum. O único ponto negativo é que continua a atravessar os séculos sozinho. Nesses anos todos, muitos Tomas nasceram, enquanto outros morreram. Matthieu deseja ao menos salvar seu atual sobrinho – Tommy.

A história é um tanto inusitada, podemos dizer excêntrica. Boyne fala sobre as várias vidas de Matthieu, as diferentes identidades que assumiu ao longo dos anos, seus acertos e seus erros. A narrativa nos permite vislumbrar os diferentes períodos vividos pelo protagonista, desde a infância pobre e sofrida à vida adulta após as vidas (já que Matthieu aparentemente não morre).

Um fator estranho na história é que antes de um Tomas de fato nascer, seu antecessor morre. Durante a leitura não consegui compreender essa parte, mas o que pude extrair é que os Tomas eram dados a se envolverem em situações de perigo, o atual (sobrinho) é um viciado em drogas e se envolve com os tipos de companhias erradas. Dá para imaginar que a remissão de Matthieu é fazer o impossível para acabar com esse ciclo vicioso de mortes prematuras e sofrimento para ele.

O autor narra a história em primeira pessoa. Sob a perspectiva de Matthieu, o livro tem início no tempo presente, situado em 1999. Paralelamente, acompanhamos as vidas anteriores do protagonista de modo aleatório. O livro é divido em 26 capítulos,  intercalados entre passado e presente, o que nos permite entender as multifaces do protagonista.

De modo geral, O Ladrão do Tempo traz uma narrativa intrigante e curiosa, a leitura é fluída e dinâmica. O importante é que o leitor não se questione muito, pois como mencionado acima, tem algumas situações que não conseguimos compreender, aconteceu de tal modo porque o autor assim quis, ele é um mestre que conduz os fios de sua história.

Sobre o autor
Patrícia Oliveira

Patrícia Oliveira, 25 anos (07/01) – São José/SC. Acadêmica de Direito, leitora assídua e blogueira. Lê de tudo um pouco, seus gêneros literários favoritos são romance histórico, época e contemporâneo, thriller psicológico, fantasia épica e clássicos. Sempre cultivou a ideia de criar um blog, onde pudesse compartilhar sua opinião. Quando não está fazendo tarefas cotidianas, geralmente está divertindo-se na companhia de seus bichos de estimação. Curte séries, filmes de comédia romântica e animes, mas sua grande paixão é a literatura.



Deixe uma resposta

  1. sexta-feira, 20 de Janeiro de 2017.

    Oi, Patricia!
    O primeiro livro que li do autor foi “O menino do pijama listrado”, que eu adorei, apesar de ter ficado com o coração partido. Desde então, tudo do autor entra para a minha lista de desejados, “O ladrão do tempo” está lá. Achei tudo um pouco confuso, mas ainda assim quero ler. Eu fico muito encucada quando não entendo bem alguma coisa, espero que isso não atrapalhe minha leitura.

    Beijos, Entre Aspas

  2. sexta-feira, 20 de Janeiro de 2017.

    Olá! Interessante que narrativa permita ver diferentes períodos vividos pelo protagonista. Realmente esse fato que você falou é estranho, além de confuso, embora não compreendi. Que bom que a narrativa é intrigante e curiosa e tem uma leitura fluída. Porém não gosto de situações sem respostas, pois gosto de questionar os fatos. Beijos’

  3. sábado, 21 de Janeiro de 2017.

    Olá!
    Só conhecia esse autor pelo O menino do pijama listrado e, na verdade, só assisti ao filme, não li o livro ainda… Mas, menina, O ladrão do Tempo parece ser demais!! Adoro histórias inusitadas como essa, quando você disse: e dois séculos depois… eu fiquei, oi? como assim?! Adoro!! *___*

  4. sábado, 21 de Janeiro de 2017.

    Olá, Ótima Resenha!
    Ainda não li nenhuma obra do autor, mas achei a temática interessante, ficção histórica e fantasia. Me parece uma mistura bacana de gêneros!

    Att,

  5. domingo, 22 de Janeiro de 2017.

    uau! tirando “O Menino do Pijama Listrado” eu nunca tinha lido nada do autor. vou mudar isso começando com esse! adoro histórias assim, com uma pegada meio The Flash! vou comprar já!!

  6. domingo, 22 de Janeiro de 2017.

    Olá tudo bem?
    Nossa esse livro me parece maravilhoso. Eu ainda não li O menino do pijama listrado, mas já ouvi maravilhas sobre ele. O Ladrão do Tempo é a primeira resenha que ouço falar sobre, os dois irão para a minha lista de leitura. Parabéns pela resenha.

  7. domingo, 22 de Janeiro de 2017.

    Gostei a história, bom sempre aprecio a escrita de John, e com certeza irei gostar dessa também.

    Beijos

  8. segunda-feira, 23 de Janeiro de 2017.

    Oiii Patty, como vai querida?
    Infelizmente dessa vez a obra não despertou meu interesse quanto eu querida que me desse vontade de ler, sua resenha ficou demais e vou indicar para alguns amigos com toda certeza.
    Beijinhos da Morgs!

  9. segunda-feira, 23 de Janeiro de 2017.

    Boyne tem esse talento para deixar a gente intrigado, né? Eu preciso ler mais livros dele. Já ouvi elogios sobre esse livro antes. Pena que eu tenha tantos já para ler haha

  10. segunda-feira, 23 de Janeiro de 2017.

    Oi, Patrícia ^^
    Ainda não tive a oportunidade de leitura de um escrito do Boyne mas percebo que se tornou um escritor querido e aclamado após a adaptação de O Menino do Pijama Listrado. É bom ver o primeiro escrito de um autor pois ficamos com aquilo de que ele sempre foi bom desde o início, apagamos o seu passado e não paramos para analisar a sua evolução pois todo autor evoluí.
    Boyne parece ter evoluído antes mesmo de começar a publicar as suas obras, deve ter tido muitos anos numa preparação minuciosa para não haver defeitos em seus escritos.
    O Ladrão do Tempo tem um enredo bem interessante que me instiga, me lembra bastante a outros enredos semelhantes como Dorian Grey ou o filme A Incrível História de Adaline. <3
    Fico admirado em ver que o Matthieu não se afunda numa possa de solidão pois geralmente os personagens que se tornam "imortais" sofrem desse efeito inerente ao humano quando se perde os entes queridos e amigos.
    Fiquei bem interessado com essa leitura e vou adicionar aos meus desejados graças a sua resenha, Patrícia. Parabéns por ela e por expor a sua sinceridade a cerca da obra. ^^
    Bjs

  11. terça-feira, 24 de Janeiro de 2017.

    Olá Patricia, tudo bem?

    Eu já li “O Menino do Pijama Listrado” que é do mesmo autor e adorei. Sobre “O Ladrão do Tempo” eu nunca li, mas fiquei muito interessado e intrigado, desejoso de ler após a sua maravilhosa resenha. Gosto quando as obras são fluídas e dinâmicas, parece ser ótimo o livro!
    Bjuss

  12. terça-feira, 24 de Janeiro de 2017.

    Oi, tudo bem?
    Nunca li nada do autor e pra falar a verdade nem tenho vontade, mas é interessante a história ser inusitada assim!
    Bjs

  13. quarta-feira, 25 de Janeiro de 2017.

    Olá, tudo bem? Ainda não li nada do autor mas quero muito iniciar por O Menino do Pijama Listrado. Achei a premissa boa, junto com a resenha mas confesso que ainda fica confuso na minha cabeça como ele irá encaixar a fantasia.
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

  14. quinta-feira, 26 de Janeiro de 2017.

    Gosto muito do John Boyne e as histórias que ele cria, esse livro está na minha lista de leitura a anos e eu vivo enrolando para ler, eu nem sabia sobre o que era na verdade, mas agora fiquei ansiosa pela leitura.

  15. sexta-feira, 27 de Janeiro de 2017.

    Oi.
    Eu amei O Menino Do Pijama Listrado. Usei em sala de aula, me emocionei tanto com a leitura, nossa. Não sabia desse livro do autor, gostei do enredo e amei a capa.

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: