terça-feira, 5 de julho de 2016

AVALIAÇÃO: /5 EDITORA: RECORD, CORTESIA ISBN: 9788528620511 GÊNERO: ROMANCE PUBLICAÇÃO: 2016 PÁGINAS: 476 SKOOB

AVALIAÇÃO: 5/5
EDITORA: BERTRAND BRASIL, CORTESIA
ISBN: 9788528620511
GÊNERO: ROMANCE
PUBLICAÇÃO: 2016
PÁGINAS: 476
SKOOB

Quando escolhi A casa da praia para ser a minha próxima leitura, confesso que o título me deu uma impressão um pouco diferente do que o livro realmente seria. Então, quando li a sinopse, li sem muitas expectativas e, como aconteceu com outros livros da Nora Roberts, me surpreendi bastante.

O advogado criminalista Eli Landon vive uma vida repleta de conforto e prestígio, muito por causa de seu sobrenome. Ele é parte de uma família bastante tradicional na região e não imaginava o que estava por vir. O jovem foi acusado de assassinar sua ex-mulher, mas acabou sendo solto por falta de provas. Ainda assim, sua vida sofreu um enorme impacto, levando-o a entrar em depressão.

Um ano depois, sua avó sofre um acidente e precisa ficar internada. Ela então pediu para que o neto ficasse em sua casa, a Bluff House, até que pudesse retornar. Eli saiu de Boston, onde morava, e rumou para Whiskey Beach em busca de um local tranquilo e que o ajudasse a esquecer os problemas que enfrentou. Lá ele conhece Abra Walsh, uma jovem mulher que auxiliava sua avó nos serviços domésticos.

Abra é inquieta e cheia de energia. Além de limpar a Bluff House, ela também dava aulas de yoga e trabalhava com diversas coisas ao mesmo tempo. Se estava afim de fazer, ela ia lá e fazia. A jovem tinha muito carinho pala avó de Eli e, por isso, sentia-se na obrigação de garantir que o neto estivesse confortável e saudável. Ele não costuma comer muito e não faz muita coisa além de ficar o dia inteiro escrevendo seu livro. Ela acredita na inocência de Eli, mas precisa descobrir o que aconteceu e assim os dois acabam se envolvendo.

Nora Roberts possui um estilo muito gostoso de escrever suas histórias. Sempre muito detalhista, ela sabe misturar bem doses de mistério e romance, sem deixar a narrativa cansativa ou arrastada. As partes de suspense sempre acabam me agradando mais, mas a autora consegue criar histórias de amor que não caem no clichê ou no “brega”.

Seus personagens são muito humanos e personalidades fortes, fazendo com que os leitores se identifiquem com eles. Gosto quando eles vão amadurecendo, conforme a narrativa é desenvolvida. Outro ponto forte da autora é saber construir bem os cenários onde seus livros se passam. Você consegue se imaginar dentro do local. A Bluff House é quase um personagem em si, devido à sua importância dentro da construção da obra. Ótima leitura para quem gosta de livros de mistério e romances.


Sobre o autor
Maria Luiza de Paula Maria Luiza de Paula (Mallu), 22 anos (01/05) – Paraná Jornalista. Começou a gostar de ler por meio de biografias, mas hoje em dia gosta de quase todos os estilos literários. Entre seus livros preferidos estão “A Menina que Roubava Livros” (Markus Zusak), “1984” (George Orwell) e “Auto da Compadecida” (Ariano Suassuna). Além de seu amor por livros, também é apaixonada por música, cinema, seriados, fotografia e arte de rua. Escreve também para o site www.expressocultural.com.


Deixe sua opinião

Seu email não será publicado.



*

Comentários no Facebook