AVALIAÇÃO: 2,5/5 EDITORA: GLOBAL, CORTESIA ISBN: 9788526022034 GÊNERO: Fantasia, INFANTOJUVENIL PUBLICAÇÃO: 2016 PÁGINAS: 128 SKOOB

AVALIAÇÃO: 3/5
EDITORA: GLOBAL, CORTESIA
ISBN: 9788526022034
GÊNERO: Fantasia, Infantojuvenil, Clássico
PUBLICAÇÃO: 2016
PÁGINAS: 128
SKOOB

“As histórias divertidas e fabulosas do Barão de Munchhausen alcançaram popularidade incomparável desde o seu lançamento há mais de dois séculos. O texto atualizado em português deste famoso clássico infantojuvenil, considerado a mais hilariante coleção de histórias inacreditáveis até hoje publicada, não poderia encontrar melhor autor do que Orígenes Lessa. Um livro que se lê rindo da primeira à última página.”

Ao ler a contracapa do livro, apresentada logo acima, incluí o título na lista para minha próxima leitura. Ler um clássico sempre é bem-vindo, ainda mais ao considerar uma história divertida, escrita há mais de dois séculos.

Um outro ponto atraente foi saber que o barão de Munchhausen não é um simples personagem fictício. Karl Friedrich Hieronymous realmente existiu no século XVIII e ao se aposentar em sua casa rural recebia amigos, convidados e até mesmo curiosos, para os quais contava histórias miraculosas sobre os tempos em que serviu no exército, suas caçadas e viagens. Rudolf Erich Raspe, que o teria conhecido dessa forma, passou para o papel algumas dessas histórias e publicou o livro. A partir desse primeiro escrito, muitas outras obras surgiram, reescrevendo esses contos fabulosos, recebendo diferentes títulos, como é o caso desse recontado pelo brasileiro Orígenes Lessa.

Ao iniciar a leitura, percebi que o livro seria apenas para uma rápida distração, nada de contos marcantes para uma profunda reflexão. As histórias mostram fatos impossíveis de serem verdadeiros, o que não me empolgou, impedindo que a leitura fluísse rapidamente, apesar de suas poucas páginas. No entanto, o livro foi muito bem editado. Cada uma das dezenove noites de histórias foi separada em capítulos e recebeu uma ilustração em preto e branco do também brasileiro Lelis. A capa retrata a história que o barão contou na quinta noite. Depois de desbaratar o inimigo ao invadir sua fortaleza, monta em seu cavalo e dirige-se a uma fonte para dar-lhe de beber. Ao perceber que seu animal não pára de beber, percebe que ele está sem a metade traseira. Depois de algumas explicações por parte de seu cavalariço, encontra a metade faltante do cavalo e com o trabalho habilidoso de um veterinário, que costura o animal com brotos de louro, esse fica totalmente restabelecido.

Dentre tantas aventuras que habilmente o barão conta com falsa veracidade, a que mais gostei sem dúvida foi a mostrada na primeira noite. Afundando com seu cavalo Ajax em areia movediça, cravou as esporas no bicho e, puxando seu próprio cabelo, pôs-se para cima.

A narrativa é em terceira pessoa, mas as falas do barão são tantas que muitas vezes aparenta estar em primeira pessoa. Como professora, avalio que o livro será uma excelente ferramenta de estímulo para turmas de 10 a 12 anos, podendo ser trabalhado de diversas formas dentro de uma sala de aula, ou apenas como leitura individual. Tenho certeza que adorarão as loucas histórias desse habilidoso orador.

20160522_223740

“Não vou dizer que foi agradável permanecer na caverna da goela daquele bicho monstruosos. Eu estaria mentindo, e odeio a mentira. Na minha família,o ódio à mentira é tão grande que ,se alguém sente a tentação de mentir, tem cãibras na língua. Se vejo ou ouço alguém exagerar alguma coisa, tenho até ânsias de vômito. Mas voltemos ao monstro.”

Sobre o autor
Nara Dias 31 anos (22/12) – São Paulo Pós graduada na USP em Ética, valores e cidadania na escola, atua como professora de informática e robótica para crianças de 4 a 11 anos. Também com especialização em Libras - Língua Brasileira de Sinais, participa da comunidade surda da região onde mora, na Baixada Santista. Seu perfil no Skoob com mais de mil livros lidos, mostra sua paixão pelo gênero infanto-juvenil, onde capa, ilustração e tipo de impressão interferem muito em suas escolhas.


Deixe uma resposta

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: