sexta-feira, 13 de maio de 2016

Avaliação: 5/5
Editora: Companhia das Letras, Cortesia
ISBN: 9788535914849
Gênero: Romance, Distopia, Clássico
Páginas: 416
Publicação: 2009
Skoob

A obra 1984, do autor George Orwell, representa de forma literal a Guerra Fria, conflito territorial e ideológico entre as potências Estados Unidos da América e Rússia, que marcou profundamente a história mundial. Super indicado para estudantes de jornalismo e profissionais que atuam na área, este clássico moderno ilustra a opressão política sob a qual viviam os cidadãos na época e colabora para a imersão do leitor na angústia de parte da população que era contrária ao regime, mas que era receosa de se rebelar publicamente contra o comunismo/socialismo.

Nosso protagonista é Winston, um homem de meia-idade e solitário. Ele vive na distópica cidade de Oceânia, onde trabalha para o “Partido”.  Na casa dele, assim como na de todos os moradores, há um grande telão, através do qual o “Big Brother”, ou “Grande Irmão”, vigia a sociedade, para que toda e qualquer possibilidade de revolta fosse suprimida.

Winston não tem grandes dificuldades em sua vida. Tem o seu trabalho, moradia e nada lhe falta. Mas algo sempre lhe incomodou e o deixa inquieto. Se sente sem perspectiva, oprimido, de certa forma. Percebe que por trás da vida de felicidade, poder e orgulho que o Partido prega, há algo mais. Nunca antes havia pensado em se voltar contra o Big Brother, mas o controle exercido sobre ele e sobre a sociedade começa a incomodá-lo. Isto o preocupa, pois sabe que as pessoas que ousaram protestar contra a opressão, desapareceram sem deixar pistas. Até mesmo expressões faciais e pensamentos contra o sistema eram perigosos. A Polícia das Ideias estava sempre à postos para coibir qualquer início de revolta. Durante as sessões de admiração do partido, todos deviam se mostrar satisfeitos e felizes. Um mínimo gesto de contrariedade significaria o fim do indivíduo.

Tudo muda quando Winston se apaixona por Júlia, outra integrante do Partido. Ao contrário dele, ela é jovem e decidida, o que a princípio o intriga e irrita. Depois de alguns encontros, Winston e Júlia se tornam grandes amigos e passam a trocar confidências perigosas contra o governo totalitário. Vivendo um amor maduro e revolucionário, nossos heróis embarcam em uma jornada sem muita luz no caminho.

Para compreender bem nas entrelinhas o que autor quis dizer com cada nome, é necessário que você leitor, tenha alguns conhecimentos sobre a Guerra Fria e sobre as potências envolvidas. Entendendo o papel de cada um, fica mais fácil compreender as voltas que o autor nos proporciona. O que mais me chamou atenção nesta publicação foi a perspicácia do autor. Com textos bem amarrados e narrativa linear, nos conduz à ideia principal do livro: a história perversa por detrás do discurso igualitário e fraternal do socialismo de elite praticado pela União Soviética.

Sobre o autor
Anne Caroline Anderson
Anne Caroline Anderson Catarinense. 24 anos. Leitora por amor e futura jornalista. A melhor parte do dia? Aquela em que eu abro um livro e passo um bom tempo mergulhada em sua estória <3


Deixe sua opinião

Seu email não será publicado.



*

  1. domingo, 5 de junho de 2016.

    Desculpe-me discordar, mas sua conclusão limita um pouco a mensagem da obra a uma única leitura. O modelo stalinista (que não é socialismo pleno) é criticado sim, mas a obra não o coloca como única referência histórica, uma vez que opta por não dizer com todas as letras isso. Orwell havia acabado de presenciar o totalitarismo nazista (e suas derivações) e isso é muito forte no livro, ou seja, mais do que criticar o “comunismo”, o livro condena as práticas totalitárias. E com o passar do tempo é possível aplicar a metáfora que a ficção constrói a outros contextos (o Brasil atual, por exemplo). Essa é uma das forças da literatura (sua universalidade e atemporalidade) e que a distingue do discurso histórico e jornalístico, por exemplo, uma vez que esses têm um compromisso maior com o referente “real”.

  2. segunda-feira, 6 de junho de 2016.

    O livro foi escrito para denunciar o que foi exposto acima.
    Mas o LIVRO é ATUALÍSSIMO para o momento histórico brasileiro.
    Hoje, a Grande Mídia é o Grande Irmão. Ela faz as vezes do Direcionamento Ideológico
    pregado no livro.
    No mundo existe uma establishment mundial controla toda a informação.
    Por isso deram um golpe na Brasil.

Comentários no Facebook