terça-feira, 26 de abril de 2016

AVALIAÇÃO: 5/5 EDITORA: BERTRAND BRASIL, CORTESIA ISBN: 9788528620535 GÊNERO: NÃO FICÇÃO PÁGINAS: 350 PUBLICAÇÃO: 2016 SKOOB

 Os soldados secretos de Benghazi

O livro 13 horas  foi escrito pelo autor Mitchell Zuckoff com a Equipe de Segurança do Anexo.  Nesta obra podemos acompanhar os acontecimentos da madrugada do dia 11 de setembro de 2012, quando terroristas atacaram o Complexo da Missão Especial do Departamento de Estado do EUA e o anexo, base da CIA, localizado na cidade de Benghazi, na Líbia.

O livro começa quando o soldado Jack chega a Benghazi e nos conta um pouco da rotina de trabalhar com isso num país em que a guerra está passando por uma reorganização após a queda do ditador Muamar Kadhafi, em 2011. Devido a isso a presença dos americanos não é bem-vinda.

Todo 11 de setembro é uma data conturbada para os EUA, desde 2001 com o Ataque das Torres Gêmeas. Por isso, na noite do dia 11 de setembro de 2012 a Equipe de Segurança do Anexo estava em alerta. Então, nesse dia, o Completo e o Anexo são atacados e os soldados querem cumprir apenas um objetivo: salvar o embaixador americano Christopher Stevens e outros americanos que podem ser mortos pelos inimigos. Foram 13 horas de combate, em um terreno hostil e sem saber quem era o inimigo. Em alguns momentos o livro também mostra o que o presidente Barack Obama e Hilary Clinton estão fazendo para ajudar os soldados que estão sofrendo o ataque.

É uma leitura que nos deixa agoniados, vemos a lutas dos seis soldados presentes para salvar seus companheiros e como queriam que todos fossem resgatados com vida. Mitchell se mostra um autor que descreve os detalhes do que aconteceu, tanto antes quanto o depois, e também vemos mapas para que a localização dos acontecimentos seja mais nítida ao leitor. Como o autor teve relatos dos soldados que estavam na linha de frente da batalha, acredito que isso ajudou muito para a construção detalhada do livro, além de dar a voz a quem esteve presente, sendo mais do que apenas uma análise de longe baseada em recortes de jornais.

“Uma cidade sem lei em que não havia ninguém no controle, onde as fronteiras entre os aliados dos americanos e seus inimigos mudavam e borravam, onde só podiam confiar um no outro […].”

Nunca tinha lido um livro sobre guerra ou ataque terrorista. Foi uma temática diferenciada que resolvi me aventurar. Gostei muito e fiquei muito feliz com livro que me foi enviado de parceria pelo Catálogo Literário (que abrange determinados selos do Grupo Editorial Record), não vejo a hora de pedir outros com a mesma temática. Eu tinha uma expectativa boa pois tinha vista o trailer do filme e me chamou muita atenção, mas, como dizem, o livro e o filme podem ser bem diferentes. Ainda não tive a oportunidade de assistir ao longa metragem. Nesse livro chorei, vibrei, fiquei angustiada. Foi um mix de emoções.

Sobre o autor
Stephany Guebur Stephany Guebur, 21 anos (05/01) – Paraná Jornalista. Começou a ler no ensino fundamental, porque quanto mais livros apresentava, mais ganhava pontos na média. A partir daí, descobriu que ler é maravilhoso e que podemos viajar sem sair do lugar. Apesar de ter dado uma parada entre o ensino médio e a faculdade, sempre lia um livro aqui, outro ali. Entre seus livros favoritos estão a série "O Diário da Princesa", "Na Natureza Selvagem", e os de Monteiro Lobato, com os quais entrou no mundo da literatura, como muitas outras crianças. Além disso, é apaixonada por séries e viagens.


Deixe uma resposta

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: