Atenção: esta resenha contém spoiler do primeiro volume – Destino, você pode a resenha aqui.

Avaliação: 4/5 Editora: Suma de Letras/ Cortesia Gênero: Distopia/ Jovem Adulto ISBN: 9788581050744 Publicação: 2012 Páginas: 280 Skoob

Avaliação: 4/5
Editora: Suma de Letras/ Cortesia
Gênero: Distopia/ Jovem Adulto
ISBN: 9788581050744
Publicação: 2012
Páginas: 280
Skoob

Travessia é o segundo livro da série distópica escrita por Ally Condie. Neste livro, iremos nos juntar à Cassia em sua jornada pelas Províncias Exteriores em busca de Ky.

Ky foi enviado às Províncias e seu destino é a morte. Ele foge para as Esculturas para encontrar os rebeldes, como o seu pai foi um dia. Já Cassia, que no primeiro livro foi mandada para trabalhar nas Províncias Exteriores, acaba quebrando o protocolo e segue em busca de Ky,  mesmo que isso signifique sair da zona de conforto da sua vida na Sociedade, além de também não ser bem-vinda.

Durante a procura de Cassia, ela chega onde Ky estava, porém ele já tinha partido. Então ela conhece Indie, que tem informações sobre Ky, e eles vão partir para as Esculturas juntos. A Escultura não é nada mais do que um conjunto de cânions afastado da Sociedade.

Porém, antes de Cassia sair em sua busca por Ky, Xander vai visitá-la e lhe fornece vários comprimidos azuis. Lembrando que cada comprimido tem uma cor e uma função, mas Cassia desconhece a do azul e do vermelho. Xander avisa que eles podem ser úteis em trocas ou se o estado físico estiver fraco.

Em um dos frascos que Xander entrega à Cassia, existe tiras de papel com informações sobre ele que se encontravam no seu microcartão, com o intuito que ela saiba mais sobre ele. Mas é em uma delas que existe um segredo que precisa ser revelado. Cassia começa então a entender como a Sociedade funciona e descobre que existem pessoas que não concordam com as ordens impostas pela Sociedade e formam um grupo chamando Insurreição.

Falando um pouco da narrativa, ela é de fácil entendimento e alternada entre o ponto de vista de Ky e Cassia, isso mostra muita coisas sobre a personalidade dos dois. O livro não tem tanta ação como uma distopia merece ou como o primeiro livro, esse volume focou muito no amor entre Ky e Cassia, e também não encontramos o triângulo amoroso entre Ky-Cassia-Xander.  Porém, nesse volume encontramos novos personagens, que acredito que serão importantes para o fechamento da história.

Lembro que antes de ler eu me perguntava sobre as capas, porque não eram diferenciadas, e parecia que faziam uma sequência entre si. Comecei a perceber que não só os elementos das capas estão ligados, como também as cores escolhidas. Estou esperando para ler o último e curiosa para saber o desfecho da história.

Se você ama alguém, se alguém ama você, se essa pessoa te ensionou a escrever para que você pudesse falar, como é que você poderia ficar de braços cruzados, sem fazer nada? O melhor é tirar suas palavras da terra e roubá-las do vento.

Sobre o autor
Stephany Guebur

Stephany Guebur, 21 anos (05/01) – Paraná
Jornalista. Começou a ler no ensino fundamental, porque quanto mais livros apresentava, mais ganhava pontos na média. A partir daí, descobriu que ler é maravilhoso e que podemos viajar sem sair do lugar. Apesar de ter dado uma parada entre o ensino médio e a faculdade, sempre lia um livro aqui, outro ali. Entre seus livros favoritos estão a série “O Diário da Princesa”, “Na Natureza Selvagem”, e os de Monteiro Lobato, com os quais entrou no mundo da literatura, como muitas outras crianças. Além disso, é apaixonada por séries e viagens.



Deixe uma resposta

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: