Avaliação: 5/5 Editora: Record, Cortesia ISBN: 9788501106643 Gênero: Biografia Páginas: 269 Publicação: 2015

Avaliação: 5/5
Editora: Record, Cortesia
ISBN: 9788501106643
Gênero: Biografia, Memórias
Páginas: 269
Publicação: 2015 Skoob

H Stern – a história do homem e da empresa foi um dos livros que não estava nos meus planos a realização da leitura. Primeiro pelo fato de nunca ter ouvido falar sobre. Segundo por não estar acostumado a ler biografias. Mesmo assim, a curiosidade foi maior, uma vez que continha, pelo que tinha folheado, documentos, cartas e fotografias antigas, mas também pela questão de tentar ser surpreendido. E a surpresa foi mais que satisfatória.

Consuelo Dieguez é formada em Comunicação e desde 2007 é repórter da revista Piauí. Neste livro, ela toma o desafio de contar a trajetória de Hans Stern, judeu que fugiu da Alemanha durante a Segunda Guerra com destino ao Brasil. Ao longo de sua vida, Hans tomou o rumo dos negócios de joias, criando uma poderosa marca que hoje é conhecida em todo mundo: H.Stern.

Como tinha dito primeiramente, não tenho muito o hábito de ler biografias. A prima vista, imaginei que seria um livro com uma narrativa mais lenta e demorada. Pelo contrário, o livro ganha contornos e impulsos que se torna impossível não querer largar dele. A história se inicia na própria Alemanha, quando durante a eminência do nazismo, Hans se vê obrigado a fugir para o Brasil. Aqui, junto de parentes e amigos, irá reconstruir sua vida, dando novo sentido a ela. O bacana que percebi da leitura e que a facilitou foi o fato de Consuelo ter feito relações mais amplas com o grande contexto da época ao qual se referia. Digo isso no sentido, por exemplo, de relacionar a vida de Hans ao governo de Getúlio Vargas, fazendo com que o leitor conseguisse se situar melhor na história.

A partir do momento em que Hans decide seguir a área de joias, a narrativa ganha cada vez mais impulso. Você vê todo o desenvolvimento dele próprio até chegar ao que chegou hoje. As primeiras lojas, as primeiras coleções, as alçadas e desafios. Consuelo consegue transformar tudo isso em uma narrativa fluida, com capítulos curtos. Por mais que a narrativa dela pode ser problemática, ao mesmo tempo ela pode funcionar muito bem como um romance de ficção, onde temos Hans como herói em busca de um lugar ao sol. Digo problemática pelo fato da reconstituição que ela faz acerca da existência de Hans. É como se tudo que ela escrevesse fosse uma verdade absoluta, meio que se colocando no lugar de espectadora enquanto um fato acontecia. Todos os detalhes, toda a descrição acerca dos medos e anseios por pensar que algo não poderia dar certo ou as alegrias diante das vitórias são apenas algumas das questões a serem pontuadas e refletidas se um dia você realizar a leitura do livro. Além disso, a autora parece se utilizar mais ainda dessa estrutura de romance, onde você chega num momento de ápice, criando um sentimento de temor pelo que vai acontecer, para tudo acabar bem.

Aviso de antemão que não estou desmerecendo o trabalho da autora. Pelo contrário. Dei cinco estrelas ao livro pela surpresa que ele me causou, pois eu não esperava que fosse curtir tanto. Me fez rememorar e refletir ainda mais, a partir do caso de Hans, conteúdos da faculdade e processos históricos que o próprio Brasil passou, como por exemplo a questão da industrialização na década de 1950 e 60. Consuelo, como falei anteriormente e falo novamente, consegue muito bem juntar a trajetória e vivência de Stern a isso, dando ao leitor uma fusão e uma melhor compreensão até mesmo da própria história do Brasil.

Por fim, confesso que depois de muito tempo me dei conta de qual loja e qual marca o livro fazia referência. Foi apenas quando estava folheando e vi o logotipo, onde tive a certeza de ter visto antes em revistas. Nesse sentido, fiquei pensando e passei a admirar cada vez mais trabalhos como esse, de criação de joias (p.s: fiquei só pensando quando poderia comprar uma joia da H.Stern e dar de presente a alguém). Para quem gosta da temática, recomendo muitíssimo! Aos que não estão acostumados, não custa dar uma chance, né?


Sobre o autor
Lucas Kammer Orsi
Lucas Kammer Orsi

Estudante de História. Vê nos livros uma maneira de fugir da realidade e encontrar um pouco de aconchego do cotidiano tão corrido. Potterhead, se emociona fácil com romances, mas não deixa de lado um bom suspense, de viver uma aventura e dá gargalhadas com um chick-lit. Está sempre com suas séries atrasadas, mas isso não o impede de sempre começar mais uma. Amante da música pop, é grande fã de Taylor Swift.



Deixe uma resposta

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: