terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Avaliação: 4/5
Editora: Companhia das Letras, Cortesia
ISBN: 9788535926293
Gênero: HQ, Ficção Brasileira
Publicação: 2015
Páginas: 280
Skoob

Eu não sabia quase nada de Lourenço Mutarelli antes de solicitar esse livro. A única coisa que eu sabia era que é um autor bem conceituado e que alguns dos seus livros já foram até mesmo adaptados para o cinema. Enfim, solicitei O grifo de Abdera com o intuito de saciar essa curiosidade e conhecer a narrativa do escritor. Tenho minhas dúvidas se comecei pelo livro certo, porque olha… não foi nada fácil acompanhar essa história. Confesso que até agora estou pensando na obra e tentando encaixar as peças. Apesar de ser difícil de compreender (do tipo que nem com muitas releituras você irá entender completamente), o livro é muito interessante e segue uma linha mais experimental. Além de ser misturar o real com a ficção, tornando Lourenço Mutarelli personagem de seu próprio livro, a obra é dividida em três partes e uma delas é dedicada apenas a uma história em quadrinhos, desenvolvida pelo próprio autor.

O fato é que a história já começa dando um nó na cabeça do leitor. Mauro Tule Cornelli é o roteirista dos quadrinhos desenhados por Paulo Schiavino. Os dois publicam sob o nome Lourenço Mutarelli. Para dar corpo ao autor criado por eles, Paulo e Mauro contratam Raimundo, Mundinho, um bêbado que topa fingir ser outra pessoa e representá-los em eventos e feiras literárias. Um dia, Paulo morre e Mauro tenta carreira solo de escritor. Em determinado momento, sua vida passa a ser confundida com a de Oliver Mulato, um professor de educação física. A conexão entre os dois acontece após o surgimento de uma misteriosa moeda, de centenas de anos – o Grifo de Abdera.

Foto: Camila Tebet/Viagens de Papel

A partir desse momento passamos a acompanhar a vida de nossos protagonistas – Mauro e Oliver -, e como se confundem o tempo todo. Mauro parece acompanhar de camarote tudo o que Oliver vive, seus anseios, adaptações, relações interpessoais. Enquanto isso, Oliver nem desconfia dessa tal conexão e vive sua vida tentando se reestabelecer após receber o diagnóstico da Síndrome de Tourette – que faz com que ele profira, nas mais impróprias situações, frases obscenas em espanhol. Esse diagnóstico, entretanto, também tem relação com a ligação de Oliver com Mauro.

As coisas ficam ainda mais interessantes quando os dois se encontram e quando Mauro tem a oportunidade de ler o quadrinho escrito e ilustrado por Oliver, XXX, em um momento em que estava com dificuldades em sua vida. São quase cem páginas dedicadas à HQ, que traz traços imprecisos, uma letra um tanto difícil de entender, lapsos de diversas situações, mas que enriquece a obra de maneira sem igual, sendo o seu grande diferencial. A HQ não está inserida na obra sem um propósito. Na verdade, ela traz mais sentido para a obra, entrelaçando-se perfeitamente à história. O fato de integrar o romance aos quadrinhos, mostrar que é possível trabalhá-los juntos, é um dos destaques do livro.

Foto: Camila Tebet/Viagens de Papel

Foto: Camila Tebet/Viagens de Papel

O grifo de Abdera é um pouco confuso, complicado, mas que tem entre seus pontos positivos a narrativa do escritor. É simplesmente viciante. Eu não achei que fosse ler tão rápido, ficar tão curiosa para saber o fim da história, já que estava tentando entender muitas coisas. Acho que o fato do leitor se entregar à obra já demonstra o quanto ela é bem escrita e cumpre o seu papel. Ainda quero reler esse livro muitas vezes, pois é o tipo de história que sempre trará algo novo, uma interpretação diferente.

Apesar de ainda achar a história bem maluca, foi uma experiência de leitura incrível, algo bem diferente do que estou acostumada. Sair da zona de conforto traz novas sensações e descobertas e é sempre bom quando isso acontece. Se você quer ler uma obra bem diferente, essa é uma ótima opção. As coisas acontecem da maneira que você menos espera e sempre tem algo para te confundir e fazer refletir sobre se aquilo está realmente acontecendo ou não. Inclusive, em uma das passagens do livro, o personagem Mauro se questiona se aquilo é realidade ou se tudo é fruto de sua esquizofrenia, como no livro/filme Clube da Luta. Ainda estou refletindo sobre a obra, mas uma certeza eu já tenho: quero conhecer outros títulos do autor e desejo que ele me instigue ainda mais como leitora.

Foto: Camila Tebet/Viagens de Papel

Sobre o autor
Camila Tebet
Camila Tebet Camila Tebet, 24 anos (05/06) – Paraná Jornalista, tem a literatura como uma de suas paixões. Acredita que os livros têm o poder de transformar e falar sobre essa arte é um de seus passatempos favoritos. Entre os seus livros favoritos estão "Harry Potter" (é claro), "Na Natureza Selvagem", "Orgulho e Preconceito" e "A Menina Que Roubava Livros". Também é apaixonada por séries, cinema e fotografia. Escreve também para o site www.expressocultural.com.


Deixe sua opinião

Seu email não será publicado.



*

  1. terça-feira, 9 de fevereiro de 2016.

    Acho que não me ariscaria nessa leitura, sinto que não faz parte do meu gosto literário.
    Mas é interessante essa premissa de inserir os HQ, fazendo um mix dos estilos e até ampliando o envolvimento do leitor já que o HQ a parte do enredo e não um mudança de como é feita a narrativa.

    Bjs,
    Garotas de Papel

  2. terça-feira, 9 de fevereiro de 2016.

    Olá
    Confesso que nunca li um livro tão grande em quadrinhos. E acho que também não leria esse daí. Vários motivos te incomodou e acho que me incomodaria também, achei a capa bem comum até um pouco feinha rsrs. Mas as imagens de dentro são bem feitas e elaboradas.
    Abçs

  3. terça-feira, 9 de fevereiro de 2016.

    O maior livro em quadrinhos que li foi retalhos, com mais de 300 páginas e amei…
    Esse não conhecia, e acredito que não faz muito meu estilo… Mas um ponto bem recorrente que tenho percebido em quase todas as resenhas que leio é a fluidez na escrita dos autores, parece que a maioria dos escritores encontraram a fórmula para prender o o leitor em suas histórias. Isso é ótimo, amo ler livros envolventes que fluem bem.

    Bjos
    Sou bibliófila

  4. terça-feira, 9 de fevereiro de 2016.

    Infelizmente uma leitura que não chama minha atenção, embora possua uma linda diagramação! Mesmo assim obrigada por nós apresentar a obra e esse mix de idéias. Um grande abraço!
    http://www.lostgirlygirl.com

  5. terça-feira, 9 de fevereiro de 2016.

    Realmente me interessei pela premissa deste livro , mais não é o tipo de leitura que estou procurando no momento estou em meio a uma ressaca literária e tudo que mais quero é uma leitura mais leve e não tão complexa . Anotarei a dica mesmo assim, para lê-lo futuramente

  6. quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016.

    Oi Camila, olha, eu não curti a capa e achei a história muito confusa mesmo, só que a sua resenha está tão boa que eu fiquei curiosa para ler =D saber que você quer reler pois pode trazer pontos de vista diferente foi uma das coisas que mais me deixou curiosa. Gostei de ver uma HQ e quero entender essa história

  7. quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016.

    Olá.
    Sabe eu acho que nunca li um HQ, sério.
    Sei que preciso ler e na verdade eu sou mega curiosa para conferir kkkkkk
    Nunca tinha ouvido falar nesse livro e nem no Lourenço, e vou ser sincera, esse lance de livro que dá nó na cabeça do leitor, que é complicado de entender não é para mim kkkkkk eu já me confundo com qualquer coisa kkkkk Mas quem sabe mais para frente eu arrisco.
    Ótima resenha e a diagramação está TOP.

  8. quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016.

    Não tenho costume de ler HQ, mas sempre vejo quem aprecia o gênero, cada vez mais envolvido em livros elançamentos. Achei bacana você curtir sair da zona de conforto e apreciar a leitura. A arte gráfica está bem legal né? Gostei muito!!!
    Meu Amor Pelos Livros
    Beijos

  9. quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016.

    Uau! Esse livro parece ser incrível e inovador! Misturar personagens reais e ficcionais, narrativa e Hq numa mesma história é um trabalho e tanto. Nunca li nada desse autor, mas tenho vontade de ler O cheiro do ralo.
    Os livros que mexem com a gente são os melhores 🙂 E livros nacionais de qualidade me deixam muito feliz.
    Beijos!
    http://caindonacultura.com

  10. quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016.

    Oie!
    Confesso que essa HQ não me chamou a atenção. Não conhecia a publicação assim como do autor, e quando li sobre o que se trata, ela não me fisgou. Vou deixar para ler em uma outra oportunidade, quando sentir vontade de conhecer mais o trabalho do autor o/
    Bjks!
    http://www.historias-semfim.com/

  11. quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016.

    Oii, tudo bem?
    Eu gosto muito d HQs pois a leitura é bem rapida, e confesso que achei a historia dessa bem maluca e um pouco confusa, tenho certeza que iria gostar da historia rsrs

  12. quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016.

    Oi Camila!
    Eu ainda não conhecia o livro, mas fiquei curiosa por ser uma obra tão diferente, tanto pela história confusa, quanto pela mistura de romance e HQ. Seria mesmo uma experiência de sair da zona de conforto e como isso é sempre bom vou deixar a dica anotada.
    Beijos!
    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2016/02/resenha-orgulho-e-preconceito.html

  13. quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016.

    Oi, Thiana! Realmente, o mix de estilos é o grande diferencial do livro, ficou super interessante e enriqueceu a obra. Beijos!

  14. quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016.

    Manoel, o livro não é só em quadrinhos. É uma mistura de romance e HQ. Algumas coisas me incomodaram sim, mas a leitura me tirou da zona de conforto e isso é extremamente válido! Beijos

  15. quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016.

    Então, Delmara, o livro é uma mistura de romance e HQ, o que torna a obra bem interessante. Não é uma leitura fácil, mas tira da zona de conforto e propicia novas experiências para o leitor!

  16. quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016.

    Oi, Beatriz! Que bom que gostou da indicação e que está disposta a conhecer a história, fugir da zona de conforto 🙂 Isso nos transforma como leitores! Beijos

  17. quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016.

    Olá! O legal desse livro é que ele é uma mistura de romance com HQ. A HQ está ali por um motivo, para complementar a história. Aconselho você a dar uma chance, pois fugir da zona de conforto nos transforma como leitores e nos deixa cada vez mais críticos 😉 Beijos!

  18. quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016.

    Oi, Ivi. O mais bacana do livro é que é uma mistura de HQ com romance, o que torna a obra muito rica. Foi muito bom sair da zona de conforto, ler algo que não estou tão acostumada. Estou pensando na leitura até agora! Beijos

  19. quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016.

    Oi, Cassia! Concordo =) Esse tipo de livro nos transforma. Estou pensando na obra até agora. Fiquei com muita vontade de ler outras coisas do autor e O cheiro do ralo já está na minha lista! Inclusive, ele é citado em algumas partes de O grifo de Abdera. A metalinguagem do livro é sensacional. Beijos e espero que goste!

  20. quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016.

    Oi, Carla. O livro é uma mistura de romance com HQ. Uma pena que não tenha chamado a sua atenção, espero que um dia você mude de ideia. Beijos

  21. quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016.

    Oi, Giovana. O livro é uma mistura de HQ com romance, o que torna a obra ainda mais rica. Espero que um dia você dê uma chance. Bjs

  22. quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016.

    Oi, Evelise! 🙂 Que bom que gostou da dica. O livro é super interessante, estou refletindo sobre ele até agora. Sair da zona de conforto nos transforma como leitores e como pessoas. Espero que dê mesmo uma chance! Beijos

  23. quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016.

    Olha eu achei a trama bastante interessante e olha que eu nunca tinha visto esse livro resenhado em outro blog. Talvez eu até venha a me aventurar, mas o problema é que não gosto muito de estilo HQ sabe? Mas mesmo assim acho que vale a pena, porque é bom ter experiências novas e com novas leituras né? Eu gostei do desenvolvimento e principalmente do seu ponto de vista que me convenceu, porque parece uma estória muito envolvente. Espero ter a chance de ler assim que puder.

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2016/02/resenha-memorias-de-uma-gueixa.html

  24. quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016.

    Esse livro chamou muito minha atenção, nunca tinha ouvido falar…
    Adoro romance e adoro HQ, vou colocar na minha lista infinita de livros pra ler.. rsrs

    Adorei a resenha!
    http://conchegodasletras.blogspot.com.br/
    http://conchegodasletras.blogspot.com.br/

  25. sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016.

    Não me importaria com essa mistura toda de estilos se fosse um livro, eu até gosto de ler HQ, mas não desse tipo, gosto das mais leves e menos complexas, algo para relaxar mesmo. Mas achei incrível a forma que foi feita essa HQ, os traços me chamaram bastante a atenção.
    beijos
    http://www.apenasumvicio.com

  26. sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016.

    Pra falar a verdade, não gosto muito desse tipo de livro que segue uma linha experimental e que mesmo depois de ler várias vezes nem assim a gente o entende completamente não… Prefiro histórias mais simples e objetivas, que me deixem acompanhar o enredo direitinho e me deem todas as explicações que desejo no final. Que bom que achou a experiência incrível e a narrativa viciante, mas no momento não leria.

    Beijo.

    Ju
    Entre Palcos e Livros

  27. sábado, 13 de fevereiro de 2016.

    Desconhecia o autor e imagino que também desconheço os tais filmes adaptados, só pelo traço da parte das HQs eu não daria chance a obra, porque além de ser bem cheio de informação não é agradável ou bonito a sua maneira, a história também foi algo que não me saltou aos olhos, mas a ambientação é interessante.

    http://deiumjeito.blogspot.com.br/

  28. segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016.

    Olá.
    Tudo bom?
    Infelizmente a história não me atraiu, acho que me perderia lendo e quando vi que ainda o autor insere HQ, to fugindo. Essa não é minha praia.
    Beijos

Comentários no Facebook