Editora: Intrínseca/ Cortesia
ISBN: 9788580577952
Gênero: Fantasia/Juvenil
Publicação: 2015
Páginas: 448
Skoob

Pensando em trazer novas opiniões e apresentar para vocês novos olhares a partir de uma mesma obra, esta resenha seguirá um formato diferente. Logo abaixo, vocês encontrarão duas opiniões a respeito de Magnus Chase e os deus de Asgard: a espada de verão, do Rick Riordan, publicado pela editora Intrínseca. O livro é voltado para o público juvenil, mas nada impede que seja lido e apreciado por leitores mais velhos. Por isso, eu, Camila, de 22 anos, convidei a minha irmã Melissa, de 12, para ler a história junto comigo e compartilhar o que ela achou da obra.

Camila

Avaliação: 3/5

Quando o novo livro do Rick Riordan foi lançado, tanto eu quanto a minha irmã ficamos desesperadas para ler, pois adoramos os livros que já lemos do autor. Solicitamos o livro para a editora e, assim que chegou, já comecei a ler. Diante de tanta expectativa, confesso que me decepcionei bastante com a leitura. Mas acho que isso tem mais a ver com o fato de eu já não ser mais tão jovem (li Percy Jackson com aproximadamente 15 anos, e hoje estou com 22, por exemplo), e também de ter pegado uma pequena birra com o autor, que aproveita suas histórias e personagens para criar novos livros (o que pra mim é mais vontade de lucrar do que qualquer outra coisa…).


Enfim, em Magnus Chase e os deuses de Asgard – A espada de verão, conhecemos o primo de Annabeth Chase. Ele nada sabe de todas as aventuras que a prima já viveu e levava uma vida bem comum, até que invadem a sua casa e sua mãe é morta em condições bem misteriosas. Magnus nunca conheceu o pai, então depois do incidente ele passa a viver nas ruas de Boston, sempre lutando para sobreviver. 

Um dia, Magnus reencontra o tio Randolph, um homem que ele mal conhecia e de quem foi instruído a ficar longe. O problema é que o tio vem com uns papos bem esquisitos pra cima dele: Magnus é filho de um deus nórdico e estão vindo atrás dele, pois ele é peça-chave para impedir o Ragnarök, o Juízo Final. Para que o mundo não acabe, o garoto tem que ir atrás da espada de verão – uma arma que pertenceu ao seu pai e que está perdida à milênios. 

No momento em que embarca na história, há uma reviravolta em sua vida. Maior do que se pode imaginar… Ele conhece um mundo completamente diferente e descobre que tudo em sua vida aconteceu por alguma razão. Agora, aos 16 anos, ele é responsável por salvar o mundo nórdico, e para isso conta com a ajuda de personagens bem peculiares.

Enfim, vamos à minha opinião: pode ser que com o tempo eu tenha ficado mais crítica com os livros do autor (muito provavelmente), ou que então minhas altas expectativas tenham comprometido a experiência de leitura. O fato é que Magnus Chase foi uma leitura bem arrastada para mim pelos seguintes motivos: a história demorou para me convencer – e para acontecer, já que parecia seguir sempre o mesmo ritmo; até a metade do livro eu estava achando uma cópia de Percy Jackson, apenas com elementos diferentes; não consegui me conectar com os personagens; achei algumas passagens bem desnecessárias.


Acho que desses pontos, o que mais me incomodou foi a semelhança com Percy Jackson. Pense: do nada o jovem descobre que é um semideus, é perseguido por monstros e criaturas do mal, perde a sua mãe logo no início do livro por motivos que parecem inexplicáveis, se vê imerso em um mundo completamente diferente e, com toda a sua coragem, ele embarca em uma missão, junto com os amigos, para salvar o mundo nórdico do Juízo Final. Coincidência? Acho que não haha. A fórmula do livro é exatamente a mesma e isso a gente pode até relevar, já que todos os livros do autor são assim. Mas poxa, custava inovar um pouquinho? A impressão que fica é que Rick Riordan criou uma história bem mais ou menos para não ficar tanto tempo sem lançar um novo livro.

Justamente por esse motivo, a história se tornou bem arrastada para mim. Sei lá, parece que o fim não chegava nunca. Não posso negar que há diversas situações de ação, aparecem personagens novos a cada instante, mas nada foi capaz de me despertar a vontade de continuar lendo até terminar a história rapidamente. Deixando os pontos negativos de lado, vou ressaltar algumas coisas que me ajudaram a concluir a leitura.

Apesar de achar o livro, como um todo, bem parecido com a série de maior sucesso do autor, da metade para o final ela vai se distanciando e chega a assumir suas próprias características. É a partir daí que as coisas ficam mais interessantes e conhecemos melhor os personagens. Falando nisso, a personagem de que mais gostei foi a valquíria Samira. Sam chega de mansinho e nos faz pensar duas vezes sobre seu caráter, mas mostra que é fiel e está pronta para ajudar em qualquer situação. Identifiquei-me bastante com ela.

Por fim, o veredito final: Magnus Chase é mais do mesmo, mas tem humor, aventura e explora o universo nórdico, o que é bem interessante. Acredito que os leitores mais jovens vão gostar e aproveitar bastante a leitura, mas não recomendo se você já estiver cansado das fórmulas do autor. 

Melissa
Avaliação: 3,5/5

Quando Magnus Chase lançou eu estava louca pra ler, mas depois que eu tinha começado não curti tanto como gostaria. O livro já começa com ação, mas depois o enredo fica muito parecido com o de Percy Jackson, a base é a mesma só que os fatos mudam, então isso ficou bem chato e poderia ter melhorado ali.

A história também ficou meio enrolada e algumas coisas ficaram repetitivas, Magnus falou algumas vezes a mesma coisa sobre a mãe dele, sobre os lobos e sobre Blitzen e Hearth, seus amigos, e isso também poderia ter sido evitado. 

Têm alguns capítulos com nomes muito engraçados como: “Abra caminho para os patos, senão vai levar um pescotapa”; “Phil, a batata, enfrenta seu destino”; “ Não farás cocô na cabeça da Arte”. Eu ri muito com isso e algumas partes da história são bem legais.

Eu não esperava pelo final como ele foi, foi bem melhor do que eu esperava e salvou um pouco da minha impressão sobre o livro. Ficou surpreendente, eu não mudaria nada nas últimas páginas.

A capa é linda, as páginas não são muito finas e são amareladas, o livro possui orelhas e a cada capítulo tem um lobinho. Acho essa edição maravilhosa!

Por Camila Tebet e Melissa Tebet
Sobre o autor
Camila Tebet Camila Tebet, 22 anos (05/06) – Paraná Jornalista, tem a literatura como uma de suas paixões. Acredita que os livros têm o poder de transformar e falar sobre essa arte é um de seus passatempos favoritos. Lê de tudo um pouco, mas os gêneros de que mais gosta são os romances românticos e chick-lit. Entre os seus livros favoritos estão "Harry Potter" (é claro), "Na Natureza Selvagem", "Orgulho e Preconceito" e "A Menina Que Roubava Livros". Também é apaixonada por séries, cinema e fotografia. Escreve também para o site www.expressocultural.com.


Deixe uma resposta

  1. sexta-feira, 22 de janeiro de 2016.

    Olá meninas,
    Eu nunca li nada do Rick, não posso chamar ele de tio porque com 30 anos também sou tia XD, gosto dele usar mitologia em suas séries e gostaria muito que isso inspirasse aos jovens a procurar as lendas originais para que elas não morram.
    Que pena que o livro seja mais do mesmo, também não curto muito essa história dos autores usarem a exaustão seus personagens famosos, mas acho que isso é uma coisa já antiga e que dificilmente vai morrer.
    Beijos

    http://poyozodance.blogspot.com.br/

  2. sexta-feira, 22 de janeiro de 2016.

    Hello 🙂

    Curti bastante a ideia de uma resenha dupla! Sobre o livro, eu ainda não li justamente por já imaginar que seria basicamente uma cópia de Percy Jackson. Como você disse, mais do mesmo. Mesmo que ele tenha mudado um pouco com Pirâmide Vermelha, me parece que Rick insiste em usar a mesma fórmula por ter feito sucesso, mas esquece-se que as pessoas começam a enjoar quando fica repetitivo. Uma pena que ele não foi muito bem trabalhado, mas segundo a opinião de Melissa sobre o final, ainda há uma chance da continuação tomar um rumo diferente.

    Beijinhos e que a Força esteja com você!
    http://www.cantinhocult.com

  3. sábado, 23 de janeiro de 2016.

    Oiee ^^
    Poxa, é uma pena que o livro não tenha alcançado suas expectativas. Acho que, após conhecer e passar tanto tempo com o Percy e sua turma, nenhum outro personagem ou livro do tio Rick vai me agradar como "Percy Jackson" e "Os heróis do Olimpo", sabe? Então eu estou tentando não criar expectativas muito altas para o Magnus, até porque ele não está sendo 100% elogiado na blogosfera *-* A capa é mesmo linda, mas eu acho que vou aguardar a continuação antes de arriscar a leitura.
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br/2016/01/lancamentos-janeiro-editora-arwen.html

  4. sábado, 23 de janeiro de 2016.

    Só li a série Percy Jackson do autor, e confesso que amei muito, já tinha uns 18/19 anos, então se eu lesse no momento não seria por culpa da idade que eu não gostaria dessa nova série, e sim, por essas semelhanças com histórias que ele já criou. Não gosto disso, e fiquei bem decepcionada só de saber que é tudo muito parecido. Mas, como sou brasileira e não desisto nunca, quero ler todas as outras séries dele ainda. hahaha
    http://www.apenasumvicio.com

  5. sábado, 23 de janeiro de 2016.

    Olá meninas!
    Achei muito legal o autor fazer esse novo livro, abana o coração dos milhares de fãs… Camila, entendo bem sua decepção com a leitura, mas não acho que se deve a sua idade.. eu li quando tinha 11 anos, ano passado, com 18, que terminei de ler a séria do Jason, e foi tão emocionante quanto. E quanto às semelhanças entre o magnus e o percy, bem, muita gente falou disso, pode ter te influenciado talvez, mas uma semelhança que você falou mas que não é certa é a de que ambos perderam as mães no começo do livro….. a mãe do percy não morreu no começo do livro, putz, não é possível que ela morreu e eu não lembro, mas tenho quase certeza.
    Melissa, achei que você foi bem mais otimista, saiu um pouco dos milhares de comentários que vi sobre o livro (pq tb estou querendo ler). E esses nomes engraçadas que você comentou aparecem desde o primeiro livro, sinto muito falta disso, é ótimo kkkk
    bjss
    http://umavidaliteraria1.blogspot.com.br/

  6. domingo, 24 de janeiro de 2016.

    Oi, Isa. Realmente, a mãe do Percy Jackson não morre, mas, assim como a de Magnus, acontece algo com ela logo no início do livro e as situações são bem parecidas. Isso que eu quis dizer, acho que me expressei mal =) Obrigada pelo comentário. Beijos!

  7. domingo, 24 de janeiro de 2016.

    Oi!
    E é por isso que eu não li mais nada depois de Percy Jackson e os Olimpianos. Eu sempre tive um pé atrás com as novas séries e livros que o autor escreverão após Percy, porque pra mim é a mesma história contada de uma forma diferente. Como a Camila disse, parece que ele quer lucrar com os personagens e não porque tem vontade de escrever uma nova história. Isso sempre me incomodou muito e foi por causa disso que eu acabei perdendo todo o interesse por qualquer novo livro do Rick.
    Sobre o livro: Que Percy, o Magnus em? Gente!!! Cadê a criatividade desse autor? Parece demais mesmo com a história do nosso protagonista primogênito. Que coisa triste isso. Eu sei que cada história é bem unica, mas não sei… Tenho preguiça de ler coisas no mesmo universo que são estritamente parecidas.

    Bem legal o teu post.

    ps.: AMEI O BLOG. Beijo!

  8. segunda-feira, 25 de janeiro de 2016.

    Adorei sua ideia de convidar sua irmã pra ler o livro com você e as duas darem sua opinião. 🙂 Nunca li nada do autor. Pretendo começar por Percy Jackson, e não tinha a menor ideia de que nesse novo livro o protagonista era um primo da Annabeth. Também não sou fã dessa mania de aproveitar personagens pra criar séries infinitas não. E não achei nada legal vocês duas terem visto tanta semelhança com Percy Jackson… não sei se um dia vou me animar a ler.

    Beijo.

    Ju
    Entre Palcos e Livros

  9. segunda-feira, 25 de janeiro de 2016.

    Olá Meninas!
    Legal ver duas opiniões sobre o mesmo livro.
    Particularmente, não consigo me empolgar com livros do Riordan.
    Mas achei complicado essa nova história se parecer com Percy. Me pareceu meio a mesma fórmula para outra história sabe.
    Mas legal que pelo menos valeu a leitura. Que o final foi interessante.
    Não é um livro que eu leria, mas gostei de ver duas opiniões tão sinceras.
    Beijinhos
    Rizia – Livroterapias

  10. segunda-feira, 25 de janeiro de 2016.

    Olá; ficou bem bacana essa resenha dupla.
    Ainda não li nada do autor, mas tenho vontade de ler por gostar de histórias que envolvam mitologia. Acho que optaria ou por PJ ou por esse livro novo.

    Participe do sorteio da Trilogia A Caverna Cristalina: petalasdeliberdade.blogspot.com .

  11. segunda-feira, 25 de janeiro de 2016.

    OIii!

    Engraçado como a opinião de vocês acabaram sendo um pouco parecidas. Eu não li nada do autor e confesso não ter tanta curiosidade assim. Mas acredito que como não li nada dele, eu acharia essa formula bem interessante. Eu vou ver se consigo ainda esse ano 🙂

    Beijinhos!

  12. segunda-feira, 25 de janeiro de 2016.

    Oláa
    Ainda não li essa serie (pretendo ler),mas vamos aos fatos de que o autor pegou personagem do "mundo do Percy Jackson" e só mudou a temática,não tinha como inovar,o garoto é filho de um "deus" como inovar isso? Não dá né gente..dai a estória acaba sendo muito parecida com a 1 serie dele,o mesmo acontece com a serie da Pirâmide Vermelha,apesar de gostar muito desses temas abordados pelo autor essa serie não deu muito pra mim é enrolação demais de as cenas finais das batalhas ele dá uma acelerada.
    Acho que irei gostar bastante dessa serie nórdica!! A editora sempre arrasa nessas capas!!!

    http://livroaoavesso.blogspot.com.br/2016/01/resenha-magia-do-sangue-trilogia-primos.html#comment-form

  13. segunda-feira, 25 de janeiro de 2016.

    Acho que o único ponto alto nesse livro é a bela capa inspirada no Kurt Cobain! (rs) Uma pena que vocês duas acharam o livro frágil em tantos aspectos. Eu nunca li nada do autor, mas confesso que tinha curiosidade em ler essa obra porque gosto da mitologia nórdica. Ao que parece, não vale a pena… Saber que parece uma cópia de Percy me desanimou completamente.

    Beijos!
    http://www.myqueenside.blogspot.com

  14. segunda-feira, 25 de janeiro de 2016.

    Olá!

    A única coisa que me veio a mente foi: AWWWWWWWWWWN *—–*. Sério, gostei muito das duas resenhas, mas a da sua irmã, eu adorei! É tão legal conhecer novas opiniões. Achei a ideia de resenha dupla incrível, leia mais livros juntas para que ela possa aparecer por aqui mais vezes.
    Sobre o livro, assim que lançou entrou na minha wishlist, e mesmo que muitas pessoas não tenham gostado, eu quero ler, estou acostumada a essa "fórmula" do Tio Rick e isso funciona para mim, adoro a escrita dele, por ser leve e divertida.

    Beijos,
    http://entreoculoselivros.blogspot.com.br/

  15. terça-feira, 26 de janeiro de 2016.

    Olá… tudo bem?
    Eu adorei a resenha das duas e adorei a sua iniciativa de trazer sua irmã para resenhas, com opiniões de diferentes idades, super legal… traz ela para resenhar no seu blog porque ela manda super bem. Minha filha gosta de ler, ela tem a mesma idade de sua irmã… mas disse que ainda não tem coragem de resenhar rs.. quem sabe um dia. Bom eu estou muito interessada na leitura deste livro, por causa da mitologia proposta… tenho me encantado pelos Nórdicos e saber que esse livro vem com ela me chamou muito atenção… como não li nada do autor, talvez eu possa curtir mais o livro do que vocês que já conhecem e apesar dela ter sido arrastada em algumas partes, a leitura foi satisfatória… graça ao final… xero!!

    http://minhasescriturasdih.blogspot.com.br/

  16. quarta-feira, 27 de janeiro de 2016.

    Ola meninas, pode ser que a alta expectativa tenha atrapalhado, lendo as resenhas de vocês percebi assim como vocês diversos pontos semelhante a Percy que amo, amei essa capa, e pretendo ler, estou esperando baixar um pouco o preço para comprar. beijos

    Joyce
    http://www.livrosencantos.com

  17. quarta-feira, 27 de janeiro de 2016.

    Somente li um livro desse autor que foi O ladrão de Raios no qual não gostei muito. Por esse motivo não pretendo dar sequência a nenhum livro dele. Acabei desanimando!! E nesse livro acabei vendo na resenha que algumas partes da história ficou meio repetitiva. Isso não me agradou também :/
    Mas sua resenha ficou muito boa.
    Bjss

    http://livrosemarshmallows.blogspot.com.br/

  18. sexta-feira, 29 de janeiro de 2016.

    Eu peguei o gosto pela leitura com Percy, mas desanimei com o Rick depois dos próximos lançamentos. Todos dizem o mesmo que você, a base é a mesma… fica tão repetitivo ;/ Também deu risada com os nomes dos capítulos xD achei divertido.
    -Mari

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: