AVALIAÇÃO: 4/5
EDITORA: GERAÇÃO EDITORIAL, CORTESIA
ISBN: 9788581302270
GÊNERO: FANTASIA, JOVEM ADULTO
PUBLICAÇÃO: 2014
PÁGINAS: 368
SKOOB

Atenção: essa resenha contém spoilers do volume anterior!

Chamado às armas começa exatamente onde As crianças trocadas terminou, no meio de um diálogo em que Tony decide não se juntar aos Fae para voltar à sua antiga vida. Claro que Jayne não lida bem com a notícia, pois ela acabou de ver sua vida mudar completamente e ainda terá que lidar com a ausência de seu melhor amigo. Tudo parece desmoronar mais uma vez para Jayne, mas ela não pode fraquejar agora, pois ainda tem muito que aprender sobre sua nova condição.

No final do primeiro livro, descobrimos que Jayne, Spike, Becky, Finn e Chase não são garotos comuns, eles na verdade são crianças que foram trocadas e pertencem ao mundo dos Fae. Esse mundo é repleto de magia, onde existem elfos, íncubus, ninfas, anões, duendes verdes etc. Cada um deles possui uma afinidade com um desses grupos, e a partir de agora aprenderão a controlar e a usar seus poderes, além de aprender mais sobre a história dos Fae.

Há uma guerra prestes a estourar, pois existem os Fae da luz e os Fae das trevas. Felizmente, Jayne e seus amigos se encontram ao lado dos Fae da luz. Eles iniciam um treinamento para explorar suas habilidades e para serem preparados para a guerra. Mas Jayne descobre que não é uma Fae comum, ela possui habilidades bem mais poderosas do que os outros Fae, e essas habilidades serão extremamente importantes para proteger o seu grupo.

Grande parte da história se passa em uma espécie de complexo onde os Fae da luz vivem e treinam. É muito interessante conhecer mais sobre esse universo criado pela autora, existem seres mágicos de todos os tipos e cada um possui uma grande importância para o mundo dos Fae. Mesmo um anão, que a princípio pode ser julgado como um ser fraco, na verdade é um ser extremamente forte e respeitável, achei isso muito bacana, pois nos mostra que não devemos julgar pela aparência.

Outro ponto positivo na história foi a chegada de novos personagens, somos apresentados a personagens muito interessantes e que acrescentam demais à história. Além disso, a autora deu mais destaque aos outros integrantes do grupo que pouco apareciam no livro anterior, o que nos faz conhecer um pouco mais sobre a personalidade de cada um.

A narração continua em primeira pessoa, o que me deixou um pouco irritada, pois a Jayne está inspirada demais neste segundo livro. Ela continua sendo um pouco insuportável e chata, eu já tinha me acostumado com ela, mas nesse ela extrapola, em alguns momentos eu perdi a paciência com ela e implorei aos céus para que a narração fosse em terceira pessoa.

Deixando de lado minha rixa pessoal com a protagonista, eu gostei demais da obra, e olha que eu tinha me decepcionado um pouco o livro anterior, como vocês puderam ver em minha resenha. Mas, neste segundo volume, a autora finalmente conseguiu desenvolver a história, e responder todas as perguntas que ficaram pendentes.

Muitas perguntas são levantadas nessa continuação, mas isso não me incomodou, pelo contrário, me deixou com mais vontade de ler a continuação da série. Eu realmente fiquei muito feliz com esse volume, essa história tem um potencial enorme e a autora finalmente conseguiu desenvolvê-la de uma maneira muito boa.

Chamado às armas é um livro sobre descobertas e possui todos os elementos para se tornar uma ótima história de fantasia. Gostei muito dessa leitura e indico para quem curte um universo repleto de seres mágicos!


Conheça os outros títulos da série A guerra dos Fae :

1. As crianças trocadas (2013)

2. Chamado às armas (2014)

Sobre o autor
Tayara Olmena Estudante que tomou gosto pela leitura aos 12 anos de idade depois que leu "A marca de uma lágrima" do escritor Pedro Bandeira. Costuma ler de tudo, mas ainda torce o nariz para o romance. Além de ler, também é viciada em séries e filmes, e não perde a oportunidade de maratonar sua série favorita.


Deixe sua opinião

Seu email não será publicado.



*

Comentários no Facebook