quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Avaliação: 3/5
Editora: Companhia das Letras, Cortesia
ISBN: 9788535926583
Gênero: HQ, Humor
Publicação: 2015
Páginas: 112
Skoob

Tudo o que faço quando não sei o que fazer

Quem acompanha o blog bem sabe que eu gosto muito do Gregorio Duvivier pelo artista plural que ele é. Já conheci diversas de suas facetas e assim que vi que ele lançaria, pela Companhia das Letras, uma coletânea de ilustrações, logo fiquei curiosa, afinal eu nem sabia que ele (também!) desenhava. Percatempos é um livro fininho, que dá para ler em uns cinco minutos. Traz diversas ilustrações que o autor conta que fez em seu tempo de ócio, enquanto passava horas em aviões, ou para se distrair. É uma obra divertida, tem boas sacadas, mas nada muito além. Confesso que foi interessante conhecer esse novo lado do autor, mas perto de seus textos, roteiros e poesias geniais, fica bem abaixo das expectativas.

Duvivier transpõe o cotidiano em suas ilustrações, o que faz com que seja muito fácil se identificar. Ele também imprime nos desenhos o sarcasmo e o tom de crítica, também muito presentes em seus outros trabalhos. Além de uma brincadeira com os dias da semana, com os meses do ano, e com as expressões regionais, ele utiliza a figura de personalidades como Eike Batista, Arnaldo Antunes e até mesmo Deus para demonstrar as preocupações da sociedade nos dias de hoje, muito mais voltadas para o materialismo e exposição.

Foto: Camila Tebet/Viagens de Papel

Ele também brinca com o negrito, o CAPS LOCK, o itálico e o Comic Sans, que muitas vezes irritam quando mal utilizados e foram até mesmo personificados. Além das ilustrações mais descontraídas, o livro traz aquelas que são crítica pura. Uma das que eu mais gostei traz um Jesus Cristo em formato de paper doll – bonequinhos que podem ser vestidos de maneiras diferentes. Logo na próxima página há diversas opções de vestuário.

Foto: Camila Tebet/Viagens de Papel

Ao virar a página, é difícil parar de ler até finalizar. Apesar de passar muito rápido, é uma leitura divertida, uma boa companhia para quando se quer algo mais descontraído. Gostei de conhecer as ilustrações do autor e espero agora que ele explore melhor essa vertente – quem sabe em um futuro livro mesclando poesias, crônicas ou até mesmo se aventurando no romance (espero ansiosa).

Sobre o autor
Camila Tebet
Camila Tebet Camila Tebet, 24 anos (05/06) – Paraná Jornalista, tem a literatura como uma de suas paixões. Acredita que os livros têm o poder de transformar e falar sobre essa arte é um de seus passatempos favoritos. Entre os seus livros favoritos estão "Harry Potter" (é claro), "Na Natureza Selvagem", "Orgulho e Preconceito" e "A Menina Que Roubava Livros". Também é apaixonada por séries, cinema e fotografia. Escreve também para o site www.expressocultural.com.


Deixe uma resposta

  1. quinta-feira, 7 de janeiro de 2016.

    Eu também gosto bastante do Gregorio e dos textos, mas não sabia que ele tinha lançado esse outro livro. Que pena não ser tão bacana como o que ele escreve, mas acho que como ilustrações do cotidiano, que no momento devem ter sido feitas sem pretensão, cumpre o papel!

    Beeijo
    Resenhando Sonhos

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: