Avaliação: 5/5
Editora: Galera Record/Cortesia
Gênero: Fantasia/Jovem Adulto
ISBN: 9788501401403
Publicação: 2015
Páginas:
 518
 Skoob
Atenção: Essa resenha contém spoilers do livro anterior!

Depois dos eventos de Coroa da meia-noite, Celaena viaja a Wendelyn com a missão de matar o rei e seus descendentes a fim de dar o domínio desse território a Adarlan. Porém, ao chegar lá, ela entra em uma maré de apatia e se deixa levar por esse desânimo até ser buscada por Rowan, que a leva à fortaleza para encontrar com a tia féerica Maeve. Celaena sabe que se quiser cumprir a promessa feita a Nehemia deve cair nas graças da tia a fim de ter suas perguntas sobe as chaves de Wyrd respondidas, então quando a tia propõe que ela treine com Rowan a fim de controlar a magia de seu lado féerico ela aceita.
 
Ao mesmo tempo, em Adarlan chega Aedion, primo de Celaena – ou melhor dizendo, Aelin – que é também o general do exército de Adarlan, e que ambos, Chaol e Dorian detestam. Chaol, desconfiado de Aedion – principalmente após as revelações de Celaena – passa a segui-lo e investigar seus passos. Ao mesmo tempo, começa a pesquisar todas as informações que Celaena deixou pra trás e fica cada vez mais abalado com o que descobre sobre a magia, os portais de Wyrd, os rebeldes e o Rei. Já Dorian, agora com sua amizade com Chaol abalado, se sente perdido, ainda mais tendo que lidar com uma magia imprevisível. Decidido a arrumar alguma maneira de controlá-la, ele começa a pesquisar sobre o assunto, até conhecer Sorscha, curandeira do palácio que o ajuda nessa empreitada.
 
Além disso, ainda conhecemos uma nova personagem que seguimos os passos: Manon, uma bruxa cruel Dentes de ferro que, junto com seu clã, aceitam ajudar ao rei formando um exército com feras aladas. Para isso ela precisa escolher e treinar com uma delas no Desfiladeiro Ferian. 

É nesse cenário que embarcamos em Herdeira do Fogo, terceiro livro da série Trono de Vidro. Aqui, temos uma evolução muito maior no curso principais das coisas. Finalmente conhecemos mais sobre a magia há tanto morta em Adarlan. Eu estava ansiosa pra ver Sarah desenvolver mais sobre o assunto e não fiquei decepcionada. É fascinante acompanhar os passos de Celaena enquanto treina com Rowan e ele a faz enfrentar seus próprios medos, seu passado e seus traumas. É aqui que conhecemos Celaena mais a fundo, que descobrimos novas facetas dela e vemos ela desabrochar, aceitar seu outro lado, amadurecer. É aqui também que nos apaixonamos por Rowan, o féerico de 200 anos que é uma Celaena masculina, só que com muito mais força (músculos e magia féerica) e uma personalidade mais turrona. 
 
Amei ver Dorian seguindo em frente e finalmente conhecendo quem o pai realmente é. Esperava que ele ao invés de suprimir aprendesse a usar e controlar a magia dele, mas ainda tenho esperanças de que nos próximos livros isso acontecerá. Outro que me surpreendeu muito foi Chaol – não exatamente no bom sentido. O homem é tão leal que mesmo sabendo tudo que ele sabe – e fazendo o que ele faz (não posso falar é spoiler!) ainda fica receoso de tomar parte em alguma coisa e decidir de que lado está. Não que ele apoie o Rei, mas tem medo por Dorian, e toma suas atitudes pensando em protegê-lo. Só que essa indecisão dele acaba comigo e quero muito que ele decida logo de que lado está! Há também Aedion que surpreende demais, e pega todo mundo de surpresa! E Manon que é cruel, sem escrúpulos, mas fascinante!
 
Sarah ainda não perdeu a mão na escrita e está melhor do que nunca. A história continua envolvente, cheia de reviravoltas e revelações surpreendentes e o livro ainda nos deixa de queixo caído. Porém, o livro perde um pouco da fluidez por termos quatro núcleos diferentes nele – ainda mais em lugares e situações diferentes. Acompanhar Celaena, Dorian, Chaol e Manon, pode ser um pouco confuso para algumas pessoas, porém pra mim foi gratificante já que pude conhecer mais de perto os personagens e acompanhar seu desenvolvimento. Acredito que esse seja o motivo de tantas pessoas não terem gostado deste volume da série. Outro fator que pode ter causado isso é o fato de esse ser um livro pra preparar o terreno para os próximos acontecimentos – que com certeza serão bombásticos. Aqui acompanhamos mais o desenvolvimento da história e dos personagens – a ação mesmo,  a luta contra o Rei que tanto queremos ver provavelmente só no próximo volume. 
 
O que me encanta é que a autora consegue não fazer a famosa “encheção de linguiça”, o que acontece muito com séries longas. Em Trono de Vidro são muitos acontecimentos, muitas vertentes para a autora explorar e ainda tem muita coisa pra acontecer, e a autora tem uma mente fantástica, então acho que não vai deixar esse suspense cair.
 
Herdeira de fogo, como os outros livros, é uma história de tirar o fôlego. A autora só prova cada vez mais como é genial em suas histórias e como tem habilidade para construir um enredo inteligente e original. Fico cadas vez mais fascinada com esse universo e seus personagens e não posso esperar pra ler Queen of Shadows, que provavelmente será lançado só no ano que vem =(.
 
Por Larissa Gaigher
Sobre o autor
Larissa Gaigher Larissa Gaigher, 19 anos (12/06) – Rio de Janeiro Estudante de administração e química, leitora ávida e blogueira por paixão. Embarcou no mundo da literatura quando tinha 10 anos e nunca mais saiu de lá. Apaixonada também por música, séries e filmes. É uma geminiana típica, sempre faz muitas coisas ao mesmo tempo e muda de ideia várias vezes, tanto que não consegue definir um gênero favorito. Carioca da gema, tem 19 anos, adora uma boa praia, muita comida e diversão.


Deixe uma resposta

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: