quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Avaliação: 5/5
Editora: Intrínseca/ Cortesia
Gênero: Jovem Adulto
ISBN: 9788580575996
Publicação: 2014

Páginas: 272
Skoob
O livro Quem é você, Alasca? conta à história de Miles Halter, um garoto da Flórida que é apaixonado por últimas palavras de autores famosos. Nisso ele começa a levar a sério a última frase de um poeta chamado François Rebelais: “saio em busca de um Grande Talvez”. Devido a isso, Miles resolve se mudar da Flórida para o Alabama, para estudar no internato de Culver Creek, onde seu pai já foi estudante.

Já na escola, Miles é apresentado ao seu colega de quarto chamado Chip Martin, conhecido como “Coronel”, que o coloca o apelido de Gordo. Após isso ele conhece Takumi – um japonês que domina o RAP -, Lara Buterskaya – uma romena que está se adaptando na América – e Alasca Young – uma garota misteriosa.

Alasca adorava colecionar livros e tinha uma biblioteca no seu dormitório, ela pretendia ler até o fim de sua vida. Alasca queria descobrir o que estava por trás na citação de Simón Bolívar, “como saímos desse labirinto de sofrimento”?, e esse questionamento foi retirado do livro de Gabriel García Márquez, intitulado “O general no seu labirinto”.

Enquanto isso, Miles, que tinha uma vida pacata na Flórida começa a quebrar regras da escola e mostrar uma vida diferente da que ele conhecia. Apesar de parecerem descolados, cada um tem seu problema e recorrem à adrenalina para fazer os seus dias na escola valer a pena. Esses quatro se tornam melhores amigos. Até que um acontecimento muda o rumo da história e faz com que eles repensem várias coisas sobre a vida.

Gosto muito de John Green e não foi diferente com esse livro, eu até chorei. Gostei de como ele foi dividido com um ANTES e DEPOIS, o que me deixou ansiosa para saber o tal acontecimento que iria ser o divisor de águas do livro, eu nunca iria imaginar o que viria nas próximas páginas. A leitura flui de um jeito bem bom, os capítulos não são muito grandes, o que é um ponto positivo, pois podemos levar e ler em qualquer lugar. Aponto como ponto negativo, a semelhança que Miles e Quentin de “Cidades de Papel” têm, o que me deixou um pouco irritada, pois parece que o autor tem uma formula pronta.

O livro foi o primeiro publicado pelo autor, em meados de 2005, ele ganhou uma capa comemorativa de 10 anos, publicado pela editora Intrínseca. Acredito que esse é o estilo de livro igual O Pequeno Príncipe, onde cada vez que lemos tiramos uma lição. Green nos faz pensar sobre o que procuramos de verdade para a nossa vida e o que faremos para sair do labirinto. 


Por Stephany Guebur
Sobre o autor
Viagens de Papel

O blog Viagens de Papel foi criado em 22 de janeiro de 2013 com o intuito de promover diálogo sobre literatura, paixão que todos os autores do projeto têm em comum. Através de resenhas, lançamentos, listas, dicas e variadas matérias, queremos que você sinta-se em casa e aprecie o conteúdo nosso conteúdo! =)



Deixe uma resposta

  1. quinta-feira, 15 de outubro de 2015.

    Oie!

    Menina, esse é meu livro preferido do John Green e nunca estive tão ansiosa por um filme assim na vida, viu (só com Harry Potter). Sim, também percebi essa semelhança entre o Quentin e o Miles, mas como tinha lido Quem é Você, Alasca? primeiro, me decepcionei foi com Cidades de Papel.

    Beijo!
    http://www.roendolivros.com

  2. sexta-feira, 6 de novembro de 2015.

    Oi Ana!

    Você também percebeu? Ai que bom que não fui só eu!
    Bom, eu li Cidade de Papel antes acho que foi por isso que não me decepcionei!

    Estou louca para ler O Teorema Katherine!

    Beijos

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: