terça-feira, 22 de setembro de 2015

Avaliação: 4/5
Editora: Galera Record / Cortesia
ISBN: 9788501104632
Gênero: Chick-lit/ Jovem Adulto
Publicação: 2015
Páginas: 336
Skoob
Como boa adoradora de romances e chick-lits, sou muito fã da autora britânica Sophie Kinsella. O primeiro livro que li dela foi “Fiquei com seu número” e me apaixonei, ele se tornou um dos meus favoritos. Desde então, li várias das suas obras e estava morrendo de curiosidade para conferir À procura de Audrey, que parecia ser bem diferente de tudo o que ela já havia publicado. De fato, o público para quem ela escreveu este livro é diferente (infanto-juvenil), mas ainda assim é uma obra deliciosa de se ler em todas as idades.

Diferente das protagonistas divertidas, atrapalhadas e buscando um rumo para suas vidas dos outros livros, Audrey é uma garota de 14 anos que enfrenta sérios problemas. Após sofrer bullying na escola, ela desenvolveu transtorno de ansiedade social, transtorno de ansiedade generalizada e episódios de depressão. Agora, ela já não sai de casa, não consegue interagir direito com as pessoas e está sempre com óculos escuros. Uma das coisas que gostei e me surpreendi no livro foi o fato que a autora focou no que aconteceu depois do bullying, as consequências que isso trouxe para a vida de Audrey e o que ela estava fazendo para melhorar, e não o momento em que está acontecendo. Sob este viés, Kinsella fugiu do clichê e abordou o tema com mais profundidade do que muitos livros por aí, pois apresentou que não é fácil se recuperar, que o tratamento é longo e complicado.

Narrado em primeira pessoa pela Audrey, a história apresenta esse recomeço, o que ela faz para se estabilizar e voltar a ter uma vida normal. No início, somos apresentados a uma protagonista destruída, que não enxerga possibilidade de melhora e vive sua vida como se fosse um fardo. Entre as muitas idas à psicóloga, a menina também tem que lidar com as “normais loucuras” de sua família: a mãe desesperada pelo fato do filho só querer saber de videogame, o irmão mais velho viciado no jogo LoC, o irmão mais novo que ainda está descobrindo o mundo e todos os seus elementos, e o pai, que não se impõe e sempre acata as vontades da esposa.

Como parte de sua recuperação, Audrey passa a filmar um documentário sobre sua vida. Tímida, ela começa aos poucos, gravando tudo o que acontece nos cafés da manhã, almoços ou jantares da família. Para ela, ainda é difícil fazer contato visual com as pessoas e interagir, por isso, em um primeiro momento, ela é apenas uma observadora. Isso começa a mudar quando o amigo de seu irmão, Linus, passa a frequentar a casa e ela tem que aprender a conviver com ele também. Aos poucos, eles se aproximam e passam a ajudar um ao outro. Nos capítulos que transcrevem as cenas do documentário de Audrey, é notável a evolução da menina, que no fim torna-se protagonista de sua própria vida.

Eu comentei ali em cima que é um livro bem diferente de tudo o que eu já havia lido da autora: outro público, personagens diferenciados, um tema mais pesado, entre alguns outros detalhes. Entretanto, apesar das diferenças, a autora continua sendo mestra em construir uma narrativa leve, divertida, dinâmica, impossível de largar. O livro é uma delícia de ser lido e traz uma mensagem muito bacana. Mostra que, apesar das dificuldades, temos que tomar o rumo das nossas próprias vidas. Não é um caminho fácil, temos que saber lidar com os altos e baixos, mas no fim vale a pena.


Além da mensagem, adorei a personagem principal. Creio que todos irão se identificar um pouco com ela. Como toda adolescente, ela erra e acerta, toma decisões impensadas, às vezes acha que nada dará certo. É uma personagem que faz com que o leitor torça por ela até o fim, mesmo que discorde de suas ações. O Linus também é um personagem incrível. Ele é fofo, encantador, faz de tudo para ajudar Audrey e é peça chave da história.

Enfim, o livro está super recomendado! Além de ser um alerta contra o bullying, é divertido, fofo e traz uma mensagem muito bacana. Retrata o cotidiano de uma família que não é perfeita, mas está sempre disposta a ajudar; um romance que é construído aos poucos e conquista o leitor de forma inexplicável; e a incrível jornada de Audrey em busca de si mesma.
Sobre o autor
Viagens de Papel O blog Viagens de Papel foi criado em 22 de janeiro de 2013 com o intuito de promover diálogo sobre literatura, paixão que todos os autores do projeto têm em comum. Através de resenhas, lançamentos, listas, dicas e variadas matérias, queremos que você sinta-se em casa e aprecie o conteúdo nosso conteúdo! =)


Deixe uma resposta

  1. quinta-feira, 24 de setembro de 2015.

    Oiee ^^
    Ainda não li nada da Sophie, mas tenho alguns livros dela na meta de leitura de 2016…haha' espero que eu consiga lê-los, pois parecem ser muito bons. Já tinha visto a capa de "À procura de Audrey", mas não sabia do que ele se tratava. Achei a premissa muito bacana, fiquei animada para conhecer a protagonista.
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

  2. sexta-feira, 25 de setembro de 2015.

    Olá
    A Sophie é minha escritora favorita, já li quase todos os livros dela e adoro seu trabalho, esse é um dos poucos, que ainda não li, mas pela sua ótima resenha, vejo que vou gostar desse também e vai ser legal ver outra faceta dessa autora maravilhosa.
    Bjss

  3. sexta-feira, 25 de setembro de 2015.

    Oii

    Adoro essa capa.
    Eu ainda não li, mas estou bem curiosa para ler.

    beijos

  4. sexta-feira, 25 de setembro de 2015.

    Oláá
    Muito boa a resenha, já tenho o livro aqui e estou bem ansiosa para ler, espero adorar já que curto a autora, boa dica e adorei o tema.

    BEIJOS
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

  5. sexta-feira, 25 de setembro de 2015.

    Este é um gênero que eu leio muito pouco, mas os poucos que li aprovei. A Sophie é muito bem quista neste quesito mesmo, e pelo que sua resenha mostra, ela faz por onde.
    Bjs, Rose.

  6. sexta-feira, 25 de setembro de 2015.

    Oii, todo mundo tá falando bem desse livro e eu babando. Vou ler sim, me aguarde hahaa vamos conversar sobre ele. Bjs!

  7. sábado, 26 de setembro de 2015.

    Eu não sou adoradora de chick-lits, na verdade, gosto de ser leitora, 'adorador', 'fã', essas coisas não combinam comigo. Mas, não sou muito leitora de chick-lits. Gostei da apresentação do livro, pois confirmou o que estava imaginando, a temática trabalhada de maneira superficial.

  8. domingo, 27 de setembro de 2015.

    Gosto de livros que procuram mostrar o que acontecem na realidade, mesmo sendo ficção!
    O assunto "Bullying" é bem discutido atualmente o livro deve trazer inspirações e moral!
    Já conhecia, mas nunca li resenha e sua me cativou bastante!

    Beijos,
    Karine – Lendo no Inverno

  9. segunda-feira, 28 de setembro de 2015.

    Olha estou bastante ansiosa pela leitura desse livro.
    Me parece ser maravilhoso, principalmente por ser o primeiro de um gênero mais adulto que a Sophie escreve. Espero gostar bastante, porque ainda não li nenhuma das suas obras, mas quero começar lendo mesmo o Emma Corrigan, porque deve ser incrivel pelo que as pessoas falam. Espero ler assim que puder =] Adorei a sua resenha. Muito bem escrita e bem explicada.

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2015/09/resenha-menina-que-semeava.html

  10. segunda-feira, 28 de setembro de 2015.

    Oie! Ainda não li nada da autora, mas ouvi muitas recomendações positivas sobre ela, este livro em si nunca viu nada nem sabia que tinha esse, só vi os outros dela.
    Bem não sei se leria ou não, mesmo focando em um assunto importante, não me agrada a leitura.
    http://k-secretmagic.blogspot.com.br/
    Xoxo

  11. segunda-feira, 28 de setembro de 2015.

    Oiii! Tudo bem?
    Quero muito ler esse livro!! Todo mundo ta me recomendando. Acho que vou adorar.

    Otima resenha
    beijos
    mundoemcartas.blogspot.com.br

  12. terça-feira, 29 de setembro de 2015.

    Olá,
    achei a capa desse livro bem bonita. O tema do bullying é bem atual e veem sendo tratado com recorrência nos livros para essa faixa de leitores, porque ele acontece muito nas escolas. Nunca li nada da autora porque não gosto de chick-lit. Talvez eu dê uma chance. Bjus!!
    http://lendoaestante.blogspot.com.br/

  13. terça-feira, 29 de setembro de 2015.

    Olá
    Confesso que pela sinopse, não esperava tanto do livro. Mas a sua resenha me fez ter vontade de ler rs
    Acho que vou dar uma chance!
    Beijos

  14. sexta-feira, 2 de outubro de 2015.

    Oi Camila, sua linda, tudo bem
    Adorei sua resenha!!! Não conhecia esse livro da autora, achei que a capa é perfeita, não a vemos por completo ainda, pois o livro conta a sua jornada. Essa autora realmente tem talento, ela pegou um tema batido ultimamente, muito sério e pelo visto falou dele com uma sensibilidade sem torná-lo pesado e nos dando esperança, além de abordar o assunto de forma diferenciada. Amei!!!! Não vejo a hora de ler.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

  15. domingo, 4 de outubro de 2015.

    Oi, tudo bem?

    Sou bastante fã da Sophie, mas ainda não tive a oportunidade de ler este livro. Na verdade, eu não sabia exatamente sobre o que se tratava. E posso dizer que, com a sua resenha, fiquei l-ou-c-a para comprá-lo, porque me identifiquei totalmente com a personagem. Eu sou bem tímida e introvertida, tenho muita fobia social e episódios depressivos, então ler algo assim me deixaria muito feliz, pois é dar visibilidade para pessoas como eu. Com certeza, já sei qual será a minha próxima compra literária! <3

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

  16. quarta-feira, 21 de outubro de 2015.

    Olá!
    Eu ainda não li nada da Sophie Kinsella.
    O livro pelo que vi da resenha é bem diferente dos chick-lit que costumo ler. Mas mesmo assim gostei.
    Adorei a sua resenha.
    Beijinhos!
    http://eraumavezolivro.blogspot.com.br/

Comentários no Facebook

%d blogueiros gostam disto: