AVALIAÇÃO: 3/5 EDITORA: GUTENBERG ISBN: 9788582351673 GÊNERO: ROMANCE, FANTASIA, JOVEM ADULTO PUBLICAÇÃO: 2014 PÁGINAS: 320 SKOOB

Imagina como seria se os contos de fadas fossem reais? Se seus amigos fossem a Cinderela, Bela Adormecida, João e Maria, ou até mesmo a bruxa que envenenou a Branca de Neve, ou o gigante da história do João e o pé de feijão. Seria uma loucura, não é mesmo? Em Gavaldon essa é a realidade, os contos de fadas são reais e qualquer um que tenha algo de muito bom ou de muito ruim pode fazer parte.

A Escola do Bem e do Mal vai nos contar a história de duas jovens que moram no povoado de Gavaldon, a bela e doce Sophie, e a estranha e excluída Agatha. As duas são melhores amigas e, apesar das notáveis diferenças entre si, possuem uma ligação muito bonita. Com o tempo, Sophie, que só via Agatha como uma espécie de caridade, passou a ver a estranha garota como uma grande amiga, e Agatha, que sempre afastou as pessoas por sua estranheza, encontrou em Sophie alguém que lhe estendeu a mão e lhe ofereceu um ombro amigo.

Apesar de serem boas amigas, Sophie e Agatha possuem muitas diferenças, e uma delas é a crença em coisas fantasiosas. De um lado temos Sophie, que acredita fielmente que existe uma escola chamada de Escola do Bem e do Mal, para onde ela acredita que irá para se tornar uma princesa de contos de fadas, e do outro lado temos Agatha, que não acredita em nada disso e acha essa história de escola uma grande besteira.

Mas Sophie não está enganada, existe realmente a Escola do Bem e do Mal, e a cada quatro anos dois jovens são levados do povoado de Gavaldon sem deixar vestígios, e estranhamente os dois desaparecidos aparecem como personagens de contos de fadas em livros que surgem quase que por mágica na livraria do povoado. Tem sido assim há séculos, e os pais, por medo de terem seus filhos sequestrados, trancam os pequenos na décima primeira noite do décimo primeiro mês de quatro em quatro anos.

Finalmente chega a tão temida noite, todos os filhos estão trancados, e por ironia do destino Sophie e Agatha são sequestradas e levadas para a Escola do Bem e do Mal. Sophie está radiante, pois finalmente se tornará princesa, e Agatha está desesperada para ir embora com sua amiga para casa, mas algo inesperado acontece, Sophie que sempre quis estar no Castelo do Bem acaba sendo deixada no Castelo do Mal, e Agatha, que sempre aparentou ser do mal, é deixada no Castelo do Bem.

A história começa a se desenvolver a partir deste ponto com as duas acreditando que estão em escolas trocadas. Enquanto Agatha tem aulas de como se portar como uma dama e como se comunicar com animais, Sophie tem aulas de feitiços e maldades. Ambas acreditam que um terrível erro foi cometido e tentam a todo custo resolver essa troca e tomar seu lugar na escola certa.

O livro é narrado em terceira pessoa e os capítulos são intercalados entre Sophie e Agatha. Os personagens secundários são os colegas e professores delas, o modo como o autor desenvolveu os personagens secundários é bem bacana, pois é lhes dado espaço para contarem um pouco de suas histórias e mostra bem suas personalidades. Confesso que achei os personagens da Escola do Mal mais legais e interessantes do que os da Escola do Bem, com todos os seus vestidos pomposos e bondade forçada.

O livro é bem caricato, portanto as escolas tanto do Bem quanto do Mal trazem características bem marcantes e já conhecidas como, por exemplo, enquanto o lado do mal é todo escuro e com aparência de velho e sujo, o lado do bem é todo branco e rosa, como um mundo encantado.

Gostei bastante da história como um todo, mas o que me incomodou foi que mesmo depois de um tempo onde já era perceptível que não houve nenhuma troca e cada uma está onde deveria estar, Sophie e Agatha continuam acreditando que foram trocadas, e negam sua própria natureza a todo custo. O autor levou esse assunto durante muito tempo, o que acabou sendo um pouco cansativo.

A Escola do Bem e do Mal é um livro bacana e que possui um tema novo e atrativo, mas que pesa pela repetição e até mesmo pela enrolação em assuntos que poderiam se resolver em poucas páginas, portanto é uma leitura mediana, mas recomendo a leitura. Inclusive a capa do segundo livro já saiu e está muito bonita! Estou ansiosa para saber o que vai acontecer, já que o final deixou uma bela situação em aberto.

Sobre o autor
Tayara Olmena Estudante que tomou gosto pela leitura aos 12 anos de idade depois que leu "A marca de uma lágrima" do escritor Pedro Bandeira. Costuma ler de tudo, mas ainda torce o nariz para o romance. Além de ler, também é viciada em séries e filmes, e não perde a oportunidade de maratonar sua série favorita.


Deixe sua opinião

Seu email não será publicado.



*

  1. quinta-feira, 17 de setembro de 2015.

    Eu amei o livro e foi porque eu tinha as expectativas muito baixas e ele me surpreendeu muito 🙂 Entrou para a minha lista de favoritos <3
    Beijo
    http://www.fofocas.literarias.blogspot.pt

Comentários no Facebook